Delta Air Lines declara subida do lucro em 21,5% no 3º trimestre

10-10-2019 (16h43)

Foto: Delta Air Lines
Foto: Delta Air Lines

A norte-americana Delta Air Lines, segunda maior companhia de aviação do mundo, com voos para Lisboa e Açores, comunicou hoje ter alcançado um aumento de lucros no terceiro trimestre em 21,5% com subida da receita operacional em 6,5% e aumento do custo operacional em 3,4%.

A companhia, que indicou ter registado um aumento da margem operacional em 2,5 pontos ou 18,2%, para 16,3%, informou que os proveitos elevaram-se a 12.554 milhões de dólares (11,4 mil milhões de euros ao câmbio de hoje) e o lucro líquido ascendeu a 1.506 milhões (1,37 mil milhões de euros).

A informação sobre os proveitos especifica que o crescimento foi alcançado com uma subida das receitas de passagens em 6% ou 614 milhões de dólares, para 11.410 milhões, quebra das receitas e carga em 17% ou 37 milhões, para 189 milhões e aumento de ‘outras’ receitas em 3% ou 30 milhões, para 961 milhões.

Relativamente aos custos operacionais, a informação mostra que salários e outros encargos com pessoal se mantém a sua maior rubrica de custos, com 2.884 milhões de dólares, +5% ou mais 131 milhões que no período homólogo de 2018, tanto mais quantos os gastos com combustível baixaram 10% ou 259 milhões, para 2.239 milhões.

A informação indica ainda entre outros gastos de 900 milhões com transportadoras regionais excluindo fuel (+2% ou mais 15 milhões que no 3º trimestre de 2018), 685 milhões com contratação de serviços (+22% ou mais 123 milhões), 631 milhões em amortizações e provisões (+10% ou mais 58 milhões) e 539 milhões em comissões de vendas de passagens e outros encargos com vendas (+1% ou mais quatro milhões).

A companhia teve assim 2.071 milhões de dólares de resultado operacional, com um aumento em 26% ou 426 milhões e nos nove meses desde o início do ano regista um aumento em 25% ou 1.046 milhões, para 5.219 milhões, com os proveitos a subirem 6% ou 1.872 milhões, para 35.568 milhões, enquanto os encargos sobem 3% ou 826 milhões, para 30.349 milhões.

A companhia indicou que no conjunto dos primeiros nove meses deste ano teve um crescimento do tráfego de passageiros em RPM (passageiros x milhas voadas) em 5,6% e com uma subida em 0,7% do yield (receita por passageiro voado uma milha), levando a um aumento em 1,8% da receita por lugar voado uma milha, uma vez que além da subida do yield teve uma melhoria da taxa de ocupação em 0,9 pontos, para 86,5%.

 

Clique para mais notícias: Delta Air Lines

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Lufthansa programa ter este Agosto 60 voos por semana dos seus hubs para Portugal

03-08-2020 (13h17)

A companhia alemã Lufthansa, líder do maior grupo aéreo europeu, tem programado para este mês de Agosto fazer 60 voos por semana dos seus hubs de Frankfurte e Munique aeroportos portugueses.

ACI, A4E e IATA dizem que os governos prejudicam mais do que ajudam

31-07-2020 (17h15)

As associações comerciais representativas de aeroportos e companhias aéreas europeias ACI, A4E e IATA acusaram hoje os governos europeus de terem “uma abordagem inconsistente das restrições de viagem”.

Air Canada anuncia perdas de 1,1 mil milhões de euros no 2º trimestre

31-07-2020 (16h44)

A Air Canada anunciou hoje que perdeu mais de 1,7 mil milhões de dólares canadianos (1,1 mil milhões de euros) no segundo trimestre, devido aos "efeitos devastadores" da pandemia de covid-19.

Bruxelas aprova apoio alemão de 840 milhões para cobrir vouchers de viagens canceladas

31-07-2020 (12h09)

A Comissão Europeia deu hoje ‘luz verde’ a um apoio estatal da Alemanha de 840 milhões de euros para cobrir vouchers emitidos por operadores turísticos para compensar cancelamentos de viagens devido à covid-19, visando tornar esta numa opção mais “fiável”.

‘Delfim’ de Antonoaldo Neves escolhido para novo CEO da TAP

30-07-2020 (19h39)

Fonte oficial do Ministério das Infra-estruturas já confirmou à Lusa que Ramiro Sequeira, promovido a COO da TAP por Antonoaldo Neves, é a escolha do Governo para substituir o gestor brasileiro em CEO da companhia portuguesa.

Opinião e Análise