easyJet Holidays arranca antes do Natal no Reino Unido

19-11-2019 (15h22)

Foto: easyJet
Foto: easyJet

A low cost easyJet anunciou hoje que a sua nova operadora turística, a easyJet Holidays, inicia a actividade antes do Natal no Reino Unido, com um público potencial que estima em 19,5 milhões de viajantes.

Passamos agora a poder oferecer aos nossos clientes mais de cem espantosos destinos de praia e de cidade, ‘emparelhando’ com a “melhor rede de voos de médio curso” e “mais de 5.000 dos melhores hotéis da Europa”, destacou o CEO da low cost, Johan Lundgren, em declaração publicada no comunicado da companhia de aviação sobre os resultados no exercício terminado a 30 de Setembro.

Johan Lundgren afirma ainda nessa declaração que a companhia acredita haver espaço para “um moderno, relevante e flexível negócio para os consumidores de hoje”.

O relatório avança que a expectativa é que o negócio de operação turística atinja o breakeven no seu primeiro ano, que termina a 30 de Setembro de 2020.

O ‘raciocínio’ explicitado no documento é de que anualmente a easyJet tem 20 milhões de clientes que viajam para destinos de lazer “mas somente 0,5 milhões reservam alojamento” com a companhia, concluindo que esses 19,5 milhões são o seu “alvo inicial”.

O mercado europeu de pacotes turísticos vale cerca de 61 mil milhões de libras (71,36 mil milhões de euros ao câmbio de hoje), com o Reino Unido por si só a valer 13 mil milhões (15,2 mil milhões de euros ao câmbio de hoje) e a registar um crescimento médio anual de 6%, justifica a companhia, que anuncia que a sua opção foi construir uma organização completa focada em tecnologia, digital e dados em parceria com parceiros hoteleiros e as suas equipas das funções comerciais, marketing, financeira, recursos humanos, jurídica e clientes.

A easyJet especificou que o lançamento no Reino Unido antes do Natal é na perspectiva de vender viagens para o Inverno 2019 e Verão de 2020 e que o website e a app que lançará disporão de processos de busca facilitados e conteúdos inspiradores.

A última ‘aventura’ de uma low cost no mercado da operação turística foi da Ryanair, que entretanto deu por extinta a sua Ryanair Holidays (clique para ler: Ryanair volta a capitular na tentativa de concorrer com agências de viagens na venda de pacotes turísticos).

 

Clique para mais notícias: easyJet

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Azul anuncia venda da participação na TAP ao Governo português

03-07-2020 (14h03)

A Azul anunciou hoje que chegou a acordo com o Governo português para vender a sua participação indirecta na TAP de 6%, por aproximadamente 65 milhões de reais (10,84 milhões de euros), e abdicar do direito de conversão dos bónus séniores de 90 milhões de euros que venciam em 2026.

Ryanair acusa agências de viagens online de bloquear reembolsos

03-07-2020 (12h32)

A Ryanair acusou hoje "agências de viagens online não autorizadas" de bloquear reembolsos de clientes, por utilizarem "emails falsos e cartões de crédito virtuais" impedindo que as reservas "possam ser rastreadas até ao consumidor individual".

CEO da TAP cessa funções de imediato

02-07-2020 (23h57)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, vai ser substituído "de imediato", anunciou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, revelando que o Governo vai recorrer a uma empresa para recrutar uma nova equipa de gestão para a companhia.

Opinião e Análise