Emirados Árabes Unidos suspendem voos de passageiros por duas semanas

23-03-2020 (08h44)

Imagem: Dubai Airports
Imagem: Dubai Airports

Os Emirados Árabes Unidos anunciaram hoje a suspensão, a partir de quarta-feira e por duas semanas, de todos os voos de passageiros, incluindo em trânsito, devido à pandemia da covid-19.

As autoridades decidiram "suspender todas as chegadas e partidas de passageiros, bem como aqueles que estão em trânsito, nos Emirados Árabes Unidos", no âmbito das medidas de prevenção para impedir a propagação da covid-19, noticiou a agência oficial WAM.

"Os voos de carga e de retirada sanitária não são abrangidos" por esta medida, que pode ser revista dentro de duas semanas, acrescentou.

Os Emirados Árabes Unidos, cujos aeroportos internacionais do Dubai e de Abu Dhabi são importantes centros distribuidores do tráfego aéreo mundial, registaram na sexta-feira as duas primeiras mortes causada pelo novo coronavírus e mais de 150 casos confirmados.

No Domingo, a companhia aérea Emirates, com sede no Dubai, tinha anunciado a suspensão de todos os voos comerciais, que opera habitualmente em 159 destinos. Posteriormente, a transportadora recuou e afirmou que iria manter as ligações aéreas para 13 destinos, decisão que justificou com pedidos recebidos de governos e clientes para ajudar no repatriamento de viajantes.

Horas antes, o presidente e director executivo da Emirates tinha indicado que a companhia se encontrava numa situação em que não podia operar, “de forma viável, voos com passageiros até que os países voltem a abrir as fronteiras e a confiança nas viagens regresse”.

A Emirates transportou no ano passado cerca de 58 milhões de passageiros.

Para lutar contra a propagação do coronavírus, os Emirados Árabes Unidos reforçaram no Sábado as medidas de prevenção ao anunciar "o encerramento de praias, parques, piscinas, cinemas e pavilhões desportivos".

As autoridades proibiram, até nova ordem, o regresso ao país de estrangeiros com direito de residência.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 324 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 14.300 morreram.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Vários países adoptaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Médio Oriente

Clique para ver mais: Coronavírus

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Passageiros numa ilha dos Açores com destino final outra deixam de ter de seguir viagem em 24 horas

29-05-2020 (18h35)

Os passageiros que se encontrem numa ilha dos Açores que não seja a do seu destino final deixam de estar obrigados a seguir viagem até 24 horas após a sua chegada, anunciou o presidente do Governo Regional.

SATA retoma ligações entre Lisboa e os Açores a 15 de Junho

29-05-2020 (18h24)

A Azores Airlines, do grupo SATA, vai retomar a 15 de Junho as ligações aéreas entre Lisboa e Ponta Delgada e Lisboa e a Terceira, bem como entre o Funchal e Ponta Delgada.

Transavia França anuncia retoma de voos para Portugal a 15 de Junho

29-05-2020 (17h04)

A Transavia França, low cost do grupo Air France KLM com operações de/para aeroportos franceses, anunciou a retoma de voos de/para Portugal de Lyon e Nantes, a 15 de Junho, e de Paris Orly e Montpellier, a 26 de Junho.

Finnair retoma voos para a Ásia a 1 de Julho

29-05-2020 (16h25)

A Finnair, companhia de aviação com hub em Helsínquia que tem forte implantação no transporte aéreo de passageiros entre a Europa e a Ásia, retoma essas ligações a 1 de Julho, com 10 rotas.

Plano de apoio à Lufthansa enfrenta ventos contrários

29-05-2020 (16h23)

O plano de apoio à Lufthansa face à pandemia de covid-19 e que ultrapassa os nove mil milhões de euros enfrenta ventos contrários de grande intensidade, especialmente por parte da comissária europeia da concorrência Margrethe Vestager.

Opinião e Análise