Governo de São Tomé quer “aliança formal” da STP Airways com companhia da Guiné Equatorial

14-06-2019 (14h13)

O Governo são-tomense, que indicou querer substituir a portuguesa euroAtlantic como parceira da STP Airways, revelou estar a trabalhar com a Guiné Equatorial na concretização de “uma aliança formal” entre as companhias de aviação dos dois países.

A posição consta de uma carta enviada pelo ministro das Obras Públicas, Recursos Naturais e Ambiente de São Tomé e Príncipe, Osvaldo Abreu, à Administração da euroAtlantic airways a que a agência Lusa teve acesso.

A euroAtlântic detém 40% do capital e a responsabilidade pela gestão da STP Airways, tendo igualmente um contrato de concessão do handling até 2020 e que o Governo quer separar do transporte aéreo.

O Estado de São Tomé e Príncipe tem uma participação de 35% da STP Airways.

Na missiva, que foi enviada depois de declarações públicas do ministro Osvaldo Abreu a anunciar a intenção de terminar o acordo com a euroAtlantic para gestão da STP Airways em Outubro, abrindo a porta a novos parceiros, é evocado o estabelecimento de parcerias com a Guiné Equatorial em vários sectores, incluindo nos transportes.

“Neste âmbito da cooperação bilateral Estado - Estado, os dois países estão a avançar para a materialização de vários acordos e negócios, entre eles o estabelecimento de uma aliança formal entre as companhias áreas dos respectivos estados arquipelágicos do Golfo da Guiné", diz.

Osvaldo Abreu aponta que a separação das actividades de transportadora aérea e de handling é “uma aspiração” do Governo que faz parte da “organização legal existente” e foi recomendada pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC) e por organizações internacionais.

Na carta, Osvaldo Abreu lamentou “a forma como o processo de cessação se iniciou”, mostrando-se convicto de que as partes “vão continuar a envidar os esforços necessários para que a cessação da operação ocorra nas melhores e mais sensatas condições possíveis” para preservar os interesses do Estado e da euroAtlantic.

O ministro anunciou ainda a nomeação de um conselheiro “independente e especializado” no sector da aviação civil “para acompanhar o período transitório da operação até à conclusão da transferência de gestão e das participações da euroAtlantic”.

“O accionista Estado conta apresentar esta proposta no decurso da próxima reunião da assembleia-geral de accionistas, marcada para 26 de Junho", acrescentou.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Para ler mais clique:

euroAtlantic admite sair da STP Airways, mas não empurrada, Tomaz Metello

Governo de São Tomé anuncia que STP Airways vai deixar de ter voos para Lisboa com a sua accionista euroAtlantic

 

Clique para ver mais: euroAtlantic

Clique para ver mais: STP Airways

Clique para ver mais: Aviação

Clique para mais notícias: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

euroAtlantic faz voo da China para o Porto com material sanitário

26-05-2020 (17h44)

A companhia de aviação portuguesa euroAtlantic realiza hoje um voo da China para o Porto com 23 toneladas de material sanitário usado para combater a pandemia de covid-19.

Administrador financeiro da easyJet renuncia ao cargo em Maio de 2021

26-05-2020 (16h37)

O administrador financeiro (CFO) da easyJet, Andrew Findlay, vai deixar o cargo em Maio de 2021, mas disse estar comprometido com a administração da companhia aérea para superar a crise provocada pela pandemia da covid-19.

easyJet volta a voar Belfast – Faro no dia 16 de Junho

26-05-2020 (14h51)

A easyJet vai retomar as ligações entre Belfast, na Irlanda do Norte, e Faro, no Algarve, no dia 16 de Junho, com três voos por semana.

Transavia retoma voos para Lisboa e Faro a 4 de Junho

26-05-2020 (12h35)

A Transavia, low cost do grupo Air France KLM, está a anunciar a retoma a 4 de Junho de voos de Amesterdão para Lisboa e para Faro.

Estado alemão entra para o capital do grupo Lufthansa... mas não para mandar

26-05-2020 (11h57)

O grupo alemão Lufthansa anunciou que já tem a aprovação de um apoio estatal até nove mil milhões de euros, incluindo 4,7 mil milhões em participação societária, que descreve como “silent participation”, ou seja, que não confere o direito de “mandar”, como em Portugal é exigido pelo ministro Pedro Nuno Santos em relação a um eventual apoio à TAP.

Opinião e Análise