Grupo Lufthansa aumenta período de remarcação de voos

21-05-2020 (15h25)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

O Grupo Lufthansa anunciou que as viagens reservadas, até 30 de Junho, nas suas companhias aéreas podem ser alteradas até final de 2021, sem custos.

Este alargamento da alteração do período de viagens é válido para reservas efectuadas até 30 de Junho para datas de viagem até 30 de Abril de 2021.

Os clientes das companhias aéreas Lufthansa, Swiss, Austrian Airlines, Brussels Airlines e Air Dolomiti podem fazer uma alteração nas datas dos seus voos, sem custos, até final de 2021, sendo que o período de remarcação anterior era até 30 de Abril de 2021.

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

euroAtlantic faz voo da China para o Porto com material sanitário

26-05-2020 (17h44)

A companhia de aviação portuguesa euroAtlantic realiza hoje um voo da China para o Porto com 23 toneladas de material sanitário usado para combater a pandemia de covid-19.

Administrador financeiro da easyJet renuncia ao cargo em Maio de 2021

26-05-2020 (16h37)

O administrador financeiro (CFO) da easyJet, Andrew Findlay, vai deixar o cargo em Maio de 2021, mas disse estar comprometido com a administração da companhia aérea para superar a crise provocada pela pandemia da covid-19.

easyJet volta a voar Belfast – Faro no dia 16 de Junho

26-05-2020 (14h51)

A easyJet vai retomar as ligações entre Belfast, na Irlanda do Norte, e Faro, no Algarve, no dia 16 de Junho, com três voos por semana.

Transavia retoma voos para Lisboa e Faro a 4 de Junho

26-05-2020 (12h35)

A Transavia, low cost do grupo Air France KLM, está a anunciar a retoma a 4 de Junho de voos de Amesterdão para Lisboa e para Faro.

Estado alemão entra para o capital do grupo Lufthansa... mas não para mandar

26-05-2020 (11h57)

O grupo alemão Lufthansa anunciou que já tem a aprovação de um apoio estatal até nove mil milhões de euros, incluindo 4,7 mil milhões em participação societária, que descreve como “silent participation”, ou seja, que não confere o direito de “mandar”, como em Portugal é exigido pelo ministro Pedro Nuno Santos em relação a um eventual apoio à TAP.

Opinião e Análise