Grupo Lufthansa transporta mais 2,85 milhões de passageiros em 2019

13-01-2020 (15h18)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

O grupo Lufthansa, nº 2 da Europa em número de passageiros, depois do grupo Ryanair, transportou em 2019 um total de 145,19 milhões de passageiros, +2,3% ou mais 3,2 milhões que em 2018, de acordo com os dados que publicou hoje e que diferem em alguns milhares dos divulgados há um ano.

Com efeito, o grupo Lufthansa ainda mantém no seu website que em 2018 as suas companhias transportaram 142,335 milhões de passageiros e para 2019 indica 145,19 milhões, o que daria um crescimento em 2% ou 2,85 milhões, e não em 2,3% como diz a sua informação.

A possibilidade é o grupo ter revisto os dados de tráfego de 2018, mas de facto não o explicita e aliás ainda os mantém no seu website como os divulgou há um ano.

Tendo em conta os dados publicados hoje, o crescimento do grupo Lufthansa em número de passageiros transportados foi impulsionado pelas subsidiárias suíça e austríaca, a Swiss com um aumento em 5,7% ou cerca de 1,17 milhões, para 21,59 milhões, e a Austrian com +5,1% ou mais cerca de 715 mil, para 13,93 milhões.

A maior companhia do grupo manteve-se, no entanto, a Lufthansa German Airlines, com 71,3 milhões de passageiros transportados, +2% ou mais cerca de 1,19 milhões que em 2018.

A penalizar o balanço esteve a subsidiária Eurowings, que já foi ‘a estrela’ do grupo, mas que está a fazer uma ‘travessia do deserto’, de molde que em 2019 até teve queda do número de passageiros em 0,2% ou cerca de 77 mil, para 38,2 milhões.

Em RPK (passageiros x quilómetros voados), que é um indicador que retrata melhor o desempenho, o grupo indicou ter registado um crescimento em 2019 em 4,2% ou 11,95 milhões de RPK, atingindo um total de 296.511 milhões.

Neste caso, a companhia que mais contribuiu para o crescimento do grupo foi a Lufthansa German Airlines, que somou mais 8.000 milhões de RPK (+5%) que em 2018, atingindo um total de 168.085 milhões.

Depois esteve a Swiss, com mais 2,8 mil milhões de RPK (+5,6%, para 53.120 milhões), e seguidamente a Austrian, com mais 1.077 milhões (+4,9%, para 23.050 milhões).

À semelhança do que se verificou em passageiros transportados, a Eurowings teve queda de tráfego em RPK no ano de 2019, tendo registado um decréscimo de 0,2% ou 105 milhões, para 52.529 milhões.

Para ler mais clique:

Lufthansa segue as pisadas da easyJet na cessação da informação mensal de tráfego

IAG transporta +4,7% e atinge total de 118,25 milhões

Grupo Air France KLM transporta 104,2 milhões de passageiros em 2019

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP marca passo apesar de “interesse público”

10-07-2020 (15h34)

Uma semana depois de o Governo anunciar mudanças de fundo da TAP, entre elas a do CEO da companhia, inerentes ao reforço da sua posição para mais de 70% do capital, ainda nada mudou e é Antonoaldo Neves que continua a comandar a transportadora aérea.

SATA faz balanço "muito positivo" da retoma gradual das operações

10-07-2020 (15h25)

A SATA anunciou que a taxa de ocupação média dos seus voos “rondou os 40%” em Junho, fazendo assim um balanço "muito positivo" da retoma gradual das operações, que estiveram suspensas devido à pandemia da covid-19.

LATAM Brasil entra com processo de reestruturação da dívida nos EUA

10-07-2020 (15h10)

A LATAM Brasil entrou com um pedido de reestruturação da dívida nos EUA para conter os impactos da pandemia da covid-19, anunciou a empresa, acrescentando que continuará a “operar normalmente".

Ryanair pede dados a clientes que reservaram em OTAs não autorizadas para os reembolsar

10-07-2020 (14h07)

A Ryanair está a pedir aos clientes que reservaram os seus voos em agências de viagens online (OTAs) não autorizadas, e que estão tentar obter reembolsos, para enviarem os seus dados e receberem directamente da companhia um voucher, alteração do voo ou devolução do dinheiro.

United Airlines pode vir a despedir mais de um terço dos seus funcionários

09-07-2020 (11h48)

A companhia aérea norte-americana United Airlines, duramente atingida pela crise devido à pandemia de covid-19, advertiu hoje que pode dispensar até 36 mil dos seus 95.200 funcionários em Outubro.

Opinião e Análise