Insolvência das britânicas Late Rooms e Super Break afecta mais de 50 mil viajantes

06-08-2019 (15h46)

As empresas britânicas Late Rooms e Super Break, do Malvern Group, declararam insolvência, o que deverá afectar mais de 50 mil clientes, a maior parte deles ainda com viagens por iniciar.

As duas empresas somavam um total de cerca de 20 mil reservas, de acordo com a imprensa britânica, que cita a associação de agências de viagens britânicas ABTA, a qual indica que a maioria dos clientes afectados ainda não iniciou a viagem e ainda que, na maioria dos casos, deverão conseguir obter um reembolso, seja através da ABTA ou de outro esquema de protecção financeira, dependendo do tipo de reserva (para ver mais no site da ABTA clique aqui).

Em Portugal, a Associação Turismo do Algarve (ATA) já informou os seus associados da insolvência das empresas do Malvern Group.

A ATA está a acompanhar a situação junto da ABTA e da delegação do Turismo de Portugal no Reino Unido, pelo que “dará conta aos seus associados de novos desenvolvimentos que possam surgir”, indica a informação a que o PressTUR teve acesso.

O Malvern Group anuncia no seu website a cessação de operações da Laterooms Limited, da Superbreak Mini-Holidays Limited e da Malvern Travel Technology Limited “com efeito imediato”, assim como a nomeação de Tracey Pye e David Costley-Wood, da KPMG, como administradores de insolvência.

Para clientes da Super Break com reservas para depois de 1 de Agosto ou já em viagem, a empresa recomenda aos clientes contactarem a agência de viagens com a qual fizeram a reserva. Para assuntos relacionados com a administração, a empresa recomenda consultar uma página da KPMG (clique aqui).

Para quem tenha feito reservas só de hotel na Super Break, a empresa indica que as reservas estão canceladas e salienta que aos clientes que já estão nos hotéis poderão ser cobrados novamente os valores da reserva, pelo que recomenda que se certifiquem de que guardam os recibos.

Para reservas que incluem voos, a informação indica que estão salvaguardadas pelo esquema ATOL da autoridade para a aviação civil (para ler mais clique aqui).

A informação do grupo sobre a Super Break acrescenta que os vouchers de oferta e os bilhetes para espectáculos e atracções também deixaram de ser válidos, assim como as reservas para o charter para Akureyri, também protegidas pelo esquema ATOL.

A LateRooms.com, por sua vez, indica que agiu como agente em nome de um fornecedor de alojamento, pelo que antecipa que a reserva esteja segura e que o pagamento será recebido pelo alojamento antecipadamente (no caso das reservas não reembolsáveis) ou directamente no local.

“A Late Rooms Limited não recebeu qualquer pagamento pela sua reserva”, sublinha a informação.

Contudo, a empresa recomenda contactar o fornecedor de alojamento antes da viagem. Para alterações ou cancelamentos de reservas, os clientes devem contactar directamente o alojamento, acrescenta a informação.

Para assuntos relacionados com a administração da Late Rooms, o grupo recomenda consultar uma página da KPMG (clique aqui).

 

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Governo aprova compra de participação de Neeleman na TAP por 55 milhões de euros

16-07-2020 (16h22)

O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros o decreto-lei que autoriza o Estado a adquirir por 55 milhões de euros as participações sociais, os direitos económicos e as prestações acessórias da TAP SGPS detidos por David Neeleman.

Lufthansa prepara lançamento de nova marca para voos turísticos

16-07-2020 (15h23)

O Grupo Lufthansa criou uma nova divisão chamada Ocean para voos para destinos turísticos e para reduzir a complexidade da estrutura do grupo neste segmento, uma ideia que já foi defendida em relação à Eurowings, entretanto descontinuada.

Plano de reestruturação da SAA implica despedimentos e criação de nova empresa

16-07-2020 (13h36)

Os credores da falida companhia aérea sul-africana SAA aprovaram um plano de reestruturação, que resultará em cortes de empregos e na criação de uma nova empresa a partir das ruínas da empresa, anunciou o Ministério das Empresas Públicas.

Delta Airlines regista prejuízo de 5.475 milhões de euros no primeiro semestre

16-07-2020 (13h06)

A companhia aérea norte-americana Delta Airlines anunciou hoje que registou perdas de 6.251 milhões de dólares, cerca de 5.475 milhões de euros, no primeiro semestre de 2020, face ao lucro de 2.173 milhões de dólares, cerca de 1.903 milhões de euros que obteve no mesmo período de 2019.

Justiça decreta falência da companhia aérea Avianca Brasil

16-07-2020 (12h24)

A Justiça brasileira decretou na terça-feira a falência da companhia aérea Avianca Brasil, com dívidas de 2,7 mil milhões de reais (440 milhões de euros), na sequência do fracasso das negociações com credores.

Opinião e Análise