LATAM aumenta capacidade em 8% em Setembro e sofre queda acentuada da ocupação dos voos

10-10-2018 (19h58)

Foto: LATAM
Foto: LATAM

O grupo LATAM, formado pela integração da brasileira TAM na chilena LAN, informou hoje que embora tendo aumentado a sua capacidade (em ASK, lugares x quilómetros voados) em 8% em Setembro, o crescimento do tráfego (em RPK, passageiros x quilómetros voados) ficou em 2,4% o que acarretou uma queda da taxa de ocupação em 4,5 pontos, para 81,9%.

Esta quebra foi comum às operações domésticas e internacionais, mas teve mais intensidade nestas, nas quais se inclui a linha São Paulo - Lisboa da LATAM Brasil, iniciada a 3 de Setembro, com um decréscimo de 5,9 pontos, para 82,5%, por um crescimento do tráfego em 3,9% face a um aumento de capacidade em 11,3%.

A segunda queda de ocupação mais forte foi em voos domésticos no Brasil, operados pela LATAM Brasil, com um decréscimo de 4,3 pontos, para 80,7%, porque apesar de um aumento da capacidade em 5,4% o tráfego nem sequer cresceu.

As linhas domésticas em países de língua espanhola (Chile, Peru, Argentina, Equador e Colômbia), a ocupação também evoluiu em baixa em Setembro, descendo 0,5 pontos, para 81,5%, por crescimento do tráfego em 1% face a um aumento da capacidade em 1,6%.

Com estes resultados no mês de Setembro, a ocupação média dos voos do grupo LATAM nos primeiros nove meses deste ano está em 83,1%, a descer 1,6 pontos, pelas quebras em 2,3 pontos nas linhas internacionais, operadas tanto pela TAM como pela LAN, para 84,8%, e em 1,6 pontos nas linhas domésticas no Brasil, para 80,4%,

Os voos domésticos no Chile, Peru, Argentina, Equador e Colômbia, apesar da queda em Setembro, ainda estão com evolução da ocupação em alta de 0,7 pontos, para 81,9%.

A informação do grupo indica que nestes nove meses somou 50,57 milhões de passageiros, +2,1% ou ais 1,03 milhões que no período homólogo de 2017.

O maior contributo para o crescimento veio dos voos domésticos nos países de língua espanhola, com aumento em 4,1% ou 688 mil, para 17,35 milhões, seguindo as linhas internacionais, com +2,4% ou mais 290 mil.

Os voos domésticos no Brasil tiveram um aumento e passageiros em 0,3% ou 59 mil, para 20,91 milhões, continuando assim a ser o maior mercado do grupo em número de passageiros.

 

Clique para mais notícias: LATAM

Clique para mais noticias: Aviação

Clique para mais notícias: América

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aeroporto de Lisboa atenuou em Setembro a quebra de passageiros pela pandemia para menos de 45%

22-10-2021 (16h36)

O Aeroporto de Lisboa somou nos primeiros nove meses deste ano 7,77 milhões de passageiros de voos comerciais, registando assim uma quebra média de 70,2% face ao período homólogo de 2019, pré-pandemia, mas no mês de Setembro essa quebra atenuou-se para 44,8%.

Comunidade luso-venezuelana pede a Caracas que autorize a TAP a fazer voos directos para Portugal

22-10-2021 (13h55)

A comunidade luso-venezuelana espera que o Governo venezuelano autorize proximamente a TAP a realizar voos directos entre Caracas e Lisboa, a exemplo do que já aconteceu com outras empresas aéreas e outros destinos, mas está apreensiva devido à proximidade do Natal.

China cancela centenas de voos domésticos após diagnosticar dezenas de casos

21-10-2021 (16h34)

A China cancelou hoje centenas de voos, encerrou escolas e intensificou os testes em algumas áreas, após ter descoberto surtos de covid-19 ligados a um grupo de turistas.

Ana Francisca Major eleita nova presidente do conselho de administração da TAAG

21-10-2021 (09h07)

Os accionistas da companhia aérea angolana TAAG elegeram hoje um novo conselho de administração presidido por Ana Francisca da Silva Major, um presidente da comissão executiva, quatro administradores executivos e um não executivo, anunciou o Governo.

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Opinião e Análise