LATAM entra para a ‘esfera’ da Delta Air Lines, adversária da oneworld

27-09-2019 (14h45)

Foto: LATAM
Foto: LATAM

O grupo LATAM, formado pela integração da brasileira TAM na chilena LAN, e que há época optou pela aliança oneweorld em detrimento da Star Alliance, inclusivamente com participações do IAG e da Qatar Airways, passou a ter como accionista de referência a norte-americana Delta Air Lines, ‘pilar americano’ da aliança rival Sky Team.

A ‘revolução’ no xadrez da aviação mundial foi anunciada em comunicado oficial em que começam por comunicar que a norte-americana investe vários milhares milhões de dólares numa “parceria estratégica” com o LATAM Airlines Group, incluindo 1,9 mil milhões na aquisição de uma participação de 20% no grupo sul-americano, 350 milhões no “apoio ao estabelecimento da parceria estratégica”, que a imprensa internacional diz ser para o desligamento da oneworld liderada por British Airways e American Airlines, aquisição de quatro Airbus A350 da LATAM além de assumir o seu contrato de compra de outros dez a serem entregues entre 2020 e 2025.

Nenhuma das partes, porém, se referiu ainda ao que acontecerá às participações de capital de companhias da oneworld no LATAM, que ainda recentemente tentou a aprovação de uma joint-venture com esses parceiros, a qual foi chumbada.

A Delta Air Lines é a segunda maior companhia de aviação do mundo, com 12,5 mil milhões de dólares de receitas operacionais no segundo trimestre deste ano, em alta de 8,7% ou mil milhões e relação ao período homólogo de 2018.

Até ao final de Agosto, a Delta, que tem voos dos Estados Unidos para Lisboa e para os Açores, soma 137,7 milhões de passageiros transportados este ano, com um aumento em 6% relativamente ao período homólogo do ano passdo.

O LATAM Airlines Group, cuja subsidiária brasileira começou a voar este ano entre São Paulo e Lisboa, declarou 2.370 milhões de dólares de receitas no segundo trimestre, +0,5% que no período homólogo de 2018, o que não impediu uma quebra em 3,8% no conjunto do primeiro semestre, para 4.895 milhões de dólares.

A informação do grupo sobre tráfego, que reclama ser líder na América Latina, indica 48,1 milhões de passageiros nos primeiros oito meses deste ano, com um aumento em 7,1% relativamente ao período homólogo de 2018.

Delta e LATAM apresentaram o ‘casamento’ como a formação de uma parceria que junta líderes na América do Norte, ainda que neste caso a liderança continua a ser da American Airlines, e América do Sul.

 

Clique para mais notícias: Delta Air Lines

Clique para mais notícias: LATAM

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Jet2.com programa 45 voos por semana de oito cidades britânicas para Faro em Agosto

14-07-2020 (16h42)

A low cost britânica Jet2.com, do Dart Group, de que fazem parte também o operador Jet2holidays tem programados 45 voos por semana de oito cidades britânicas para Faro, com preços desde 40 euros em Agosto, bem como outros oito para o Funchal, de sete origens no Reino Unido.

American Airlines programa retoma dos voos Filadélfia – Lisboa para 27 de Março

14-07-2020 (15h47)

A American Airlines, maior companhia de aviação do mundo que interrompeu os voos de/para Lisboa devido à pandemia de covid-19, tem programado retomar as ligações entre o seu hub de Filadélfia e a capital portuguesa no início do Verão IATA 2021.

Breeze Airways de David Neeleman adia início das operações para 2021

14-07-2020 (15h32)

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman e que tinha previsto começar a voar em finais de 2020, adiou o início das operações para 2021.

Emirates prevê despedimento de 15% dos seus funcionários

13-07-2020 (16h52)

A Emirates, que já cortou 10% dos seus postos de trabalho, cerca de 6.000 funcionários, planeia despedir até 9.000 trabalhadores, que representam 15% do número de empregados antes da pandemia, afirmou o presidente da companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Grécia reabre a voos do Reino Unido mas exige teste negativo à covid-19

13-07-2020 (13h48)

A Grécia vai reabrir os seus aeroportos a voos do Reino Unido a partir de quarta-feira, mas exigirá aos passageiros a apresentação de um teste negativo ao novo coronavírus realizado até três dias antes.

Opinião e Análise