‘Lista negra’ da UE inclui companhias aéreas de Angola, São Tomé, Guiné Equatorial e Venezuela

10-12-2019 (16h28)

Foto: Nils Nedel / Unsplash
Foto: Nils Nedel / Unsplash

Companhias de aviação de Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e Venezuela constam a ‘lista negra' de 115 transportadoras proibidas de voar para a União Europeia (UE) divulgada em Bruxelas.

Do total, seis integram a lista a título individual, por questões de segurança das próprias transportadoras aéreas, como a Avior Airlines, da Venezuela, a Iran Aseman Airlines, do Irão, a Iraqi Airways, do Iraque, a Blue Wing Airlines, do Suriname, a Med-View Airlines, da Nigéria, e a Air Zimbabwe, do Zimbabué.

As outras 109 - certificadas em 15 países - estão na lista por controlo insuficiente pelas respectivas autoridades nacionais.

A lista inclui sete companhias aéreas de Angola, sendo que apenas a TAAG e a Heli Malongo estão excluídas da lista, todas as de São Tomé e Príncipe e também todas as registadas na Guiné Equatorial.

Também as companhias aéreas do Gabão deixaram de figurar na ‘lista negra', pela sua "melhoria de segurança aérea", permitindo que voltem a poder voar no espaço da União Europeia.

As companhias aéreas do Gabão estavam desde 2008 na ‘lista negra' que inclui companhias sujeitas a proibição total ou a restrições de operação no espaço da União Europeia, por incumprimento das normas de segurança internacionais.

A comissária europeia dos Transportes, Adina Valean, congratulou-se numa declaração "com os esforços realizados pelas autoridades de segurança aérea do Gabão".

A decisão diz respeito a quatro empresas, a Nationale Régionale Transport, a Solenta Aviation Gabon, a Tropical Air Gabon e a Afrijet Business Service, segundo um porta-voz da Comissão.

A informação acrescenta que o executivo europeu colocou a autoridade da aviação civil na Arménia sob "vigilância reforçada", devido aos "sinais de uma diminuição da supervisão da segurança".

A ‘lista negra' actualizada inclui um total de 115 empresas, 109 das quais são certificadas em 15 países e proibidas nos céus da União Europeia, devido à falta de supervisão por parte das suas autoridades nacionais de segurança aérea.

A lista é actualizada periodicamente.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

United e American Airlines vão despedir 32.000 trabalhadores

01-10-2020 (15h26)

A companhia aérea norte-americana United Airlines anunciou que vai despedir a partir de hoje 13.000 funcionários, poucas horas depois da American Airlines ter anunciado que iria dispensar 19.000.

‘Família’ Pedrosa sai da Administração da TAP, mas grupo Barraqueiro mantém ‘representante’ (Actualiza)

01-10-2020 (12h41)

A TAP anunciou hoje a renúncia de Humberto Pedrosa e do seu filho David Pedrosa dos cargos que exerciam no grupo aéreo, nomeadamente de presidente da Administração e Vogal da Administração da companhia aérea TAP, SA, mas sem que o seu Grupo Barraqueiro deixe de estar representado.

Humberto e David Pedrosa renunciam aos cargos na administração na TAP

01-10-2020 (09h14)

Humberto e David Pedrosa apresentaram na quarta-feira a renúncia aos cargos de presidente e vogal, respectivamente, na TAP e nas demais sociedades do Grupo TAP onde exercem funções de administração.

Aer Lingus programa ter quatro voos por semana Dublin – Faro este Outubro

30-09-2020 (17h53)

A companhia de aviação irlandesa Aer Lingus, do IAG, tem programado fazer quatro voos por semana entre Dublin e Faro de 1 a 24 de Outubro, que são as últimas semanas do chamado Verão IATA.

TAP liga 25% mais cidades mesmo tendo só 30% da capacidade, diz o seu Chief Revenue & Network

30-09-2020 (17h46)

O Chief Revenue & Network da TAP, Arik De, comentou nas redes sociais que a companhia, embora tenha a sua capacidade reduzida a 30% do que tinha há um ano, liga 25% mais de cidades do que antes da pandemia, com uma redução de 92% no tempo médio de ligação.

Opinião e Análise