Plano de reestruturação da SAA implica despedimentos e criação de nova empresa

16-07-2020 (13h36)

Os credores da falida companhia aérea sul-africana SAA aprovaram um plano de reestruturação, que resultará em cortes de empregos e na criação de uma nova empresa a partir das ruínas da empresa, anunciou o Ministério das Empresas Públicas.

Numa reunião, 86% dos credores da South African Airways (SAA) "votaram a favor do plano" de reestruturação da companhia pública, de acordo com uma declaração do ministério.

O plano prevê cortes de postos de trabalho, que não foram quantificados publicamente, referindo-se o Governo simplesmente a "indemnizações justas e razoáveis no interesse" do pessoal em causa. A SAA tem 5.200 empregados.

A reestruturação exigirá uma contribuição financeira que, segundo o principal partido da oposição, a Aliança Democrática (AD), ascenderá a 16,6 mil milhões de rands (873 milhões de euros).

Com o plano adoptado, a prioridade é "concretizar os compromissos do Governo em termos de financiamento", disse o Ministério das Empresas Públicas, sem apresentar quaisquer números.

"Uma nova companhia aérea, reestruturada e competitiva, criada a partir da antiga, é a melhor opção para voltar imediatamente para o ar", acrescentou o ministério.

Esta solução, que envolve "uma reestruturação fundamental da SAA", é "muito melhor para os credores e funcionários da SAA do que a liquidação", acrescentou.

Com dívidas muito avolumadas e recentemente colocada em liquidação judicial, a SAA não registou qualquer lucro desde 2011 e sobreviveu durante anos apenas sob injecção permanente de dinheiro público. A empresa foi forçada a encerrar muitas rotas em 2020, mesmo antes da pandemia de Covid-19.

O promotor considerou hoje a aprovação do plano de reestruturação "imoral".

"Centenas de milhares de sul-africanos que perderam os seus empregos por causa da Covid-19 (...) verão 16,6 mil milhões de rands [867 milhões de euros] ser engolidos num buraco negro", advertiu numa declaração.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aeroportos enfrentam novas perdas e dívidas elevadas

26-10-2021 (15h32)

Os aeroportos europeus viram a sua dívida aumentar 200% em relação aos níveis anteriores à pandemia e muitos vão registar de novo perdas importantes este ano, advertiu hoje a associação do sector.

Thomas Ahlers é o novo director de Vendas do Grupo Lufthansa em Portugal

26-10-2021 (09h41)

O Grupo Lufthansa anunciou a nomeação de Thomas Ahlers para o cargo de general manager sales para Portugal, que estará baseado em Lisboa a partir de 1 de Novembro, sucedendo a Patrick Borg Hedley.

TICV retoma voos domésticos em Cabo Verde com mais de 400 passageiros num dia

25-10-2021 (13h50)

A Transportes Interilhas de Cabo Verde (TICV), detida pelo grupo angolano BestFly, retomou as ligações aéreas domésticas no arquipélago, com mais de 400 passageiros transportados e uma taxa de ocupação de 66% no primeiro dia, divulgou a companhia.

Aeroporto de Lisboa atenuou em Setembro a quebra de passageiros pela pandemia para menos de 45%

22-10-2021 (16h36)

O Aeroporto de Lisboa somou nos primeiros nove meses deste ano 7,77 milhões de passageiros de voos comerciais, registando assim uma quebra média de 70,2% face ao período homólogo de 2019, pré-pandemia, mas no mês de Setembro essa quebra atenuou-se para 44,8%.

Comunidade luso-venezuelana pede a Caracas que autorize a TAP a fazer voos directos para Portugal

22-10-2021 (13h55)

A comunidade luso-venezuelana espera que o Governo venezuelano autorize proximamente a TAP a realizar voos directos entre Caracas e Lisboa, a exemplo do que já aconteceu com outras empresas aéreas e outros destinos, mas está apreensiva devido à proximidade do Natal.

Opinião e Análise