Qatar Airways anuncia medidas adicionais de segurança a bordo

21-05-2020 (10h50)

Foto: Qatar Airways
Foto: Qatar Airways

A companhia aérea Qatar Airways anunciou que vai implementar medidas adicionais de segurança a bordo para a tripulação e para os passageiros, para reduzir interacções entre passageiros e tripulação e evitar a propagação do novo coronavírus.

Durante os voos, a tripulação de cabine vai usar, por cima dos uniformes, equipamento de protecção de corpo inteiro, descartável, além de óculos de protecção, luvas e máscara.

A partir de hoje, os passageiros devem utilizar máscara nos voos da Qatar Airways, recomendando a companhia que tragam as suas próprias máscaras "de forma a garantir maior conforto".

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

euroAtlantic faz voo da China para o Porto com material sanitário

26-05-2020 (17h44)

A companhia de aviação portuguesa euroAtlantic realiza hoje um voo da China para o Porto com 23 toneladas de material sanitário usado para combater a pandemia de covid-19.

Administrador financeiro da easyJet renuncia ao cargo em Maio de 2021

26-05-2020 (16h37)

O administrador financeiro (CFO) da easyJet, Andrew Findlay, vai deixar o cargo em Maio de 2021, mas disse estar comprometido com a administração da companhia aérea para superar a crise provocada pela pandemia da covid-19.

easyJet volta a voar Belfast – Faro no dia 16 de Junho

26-05-2020 (14h51)

A easyJet vai retomar as ligações entre Belfast, na Irlanda do Norte, e Faro, no Algarve, no dia 16 de Junho, com três voos por semana.

Transavia retoma voos para Lisboa e Faro a 4 de Junho

26-05-2020 (12h35)

A Transavia, low cost do grupo Air France KLM, está a anunciar a retoma a 4 de Junho de voos de Amesterdão para Lisboa e para Faro.

Estado alemão entra para o capital do grupo Lufthansa... mas não para mandar

26-05-2020 (11h57)

O grupo alemão Lufthansa anunciou que já tem a aprovação de um apoio estatal até nove mil milhões de euros, incluindo 4,7 mil milhões em participação societária, que descreve como “silent participation”, ou seja, que não confere o direito de “mandar”, como em Portugal é exigido pelo ministro Pedro Nuno Santos em relação a um eventual apoio à TAP.

Opinião e Análise