Qatar Airways exige indemnização de 4,3 mil milhões a países responsáveis por bloqueio aéreo em 2017

22-07-2020 (14h38)

Foto: Qatar Airways
Foto: Qatar Airways

A Qatar Airways exigiu hoje uma indemnização de 5.000 milhões de dólares (4.300 milhões de euros) aos quatro países do Golfo (Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egipto) que impuseram, em 2017, um bloqueio aéreo contra Doha.

“Este processo arbitral visa obter uma indemnização dos países do bloqueio aéreo pelas suas ações que consistiram em retirar a Qatar Airways do seu mercado e de a impedir de utilizar o seu espaço aéreo" desde 2017, declarou a companhia aérea com sede em Doha, num comunicado.

O pedido de indemnização da Qatar Airways surge uma semana depois do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), principal órgão judiciário da ONU, ter-se pronunciado a favor do Qatar numa disputa entre o país e outros quatro Estados “vizinhos” do Golfo.

Os juízes do TIJ decidiram rejeitar "por unanimidade" um requerimento apresentado pela Arábia Saudita, Bahrein, Egito e Emirados Árabes Unidos contra uma decisão favorável a Doha divulgada em 2018 pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO).

A deliberação do principal órgão judiciário da ONU foi encarada como um elemento-chave para este grave diferendo que se prolonga há três anos entre o Qatar e os seus quatro países "vizinhos".

Em Junho de 2017, a Arábia Saudita, o Bahrein, os Emirados Árabes Unidos e o Egipto cortaram relações diplomáticas com o Qatar, sob a acusação que Doha estaria a "financiar" grupos terroristas e a apoiar o Irão.

Apesar de Doha rejeitar as acusações, os quatro países avançaram com medidas punitivas, que desencadearam a mais grave crise regional desde a guerra do Golfo de 1991.

Na altura, os quatro países proibiram aviões do Qatar de aterrar nos respetivos aeroportos ou de atravessarem os respetivos espaços aéreos, bem como interromperam as ligações comerciais e marítimas com Doha e fecharam as suas fronteiras.

Posteriormente, os quatro Estados do Golfo requereram ao TIJ que anulasse uma decisão da ICAO, que é igualmente uma agência do sistema da ONU, que foi favorável às autoridades do Qatar.

Em 2018, a ICAO decidiu que tinha competência jurídica para resolver este diferendo ao abrigo de um pedido do Qatar, que acusou os Estados "vizinhos" de violarem um acordo que regula a livre circulação de aviões comerciais num espaço aéreo estrangeiro.

“Após mais de três anos de esforços para resolver a crise de forma amigável e através do diálogo, e sem produzir resultados, tomámos a decisão de solicitar um processo arbitral e recorrer a todos os meios legais para proteger os nossos direitos e obter uma compensação total pelas transgressões", afirmou o diretor-geral da Qatar Airways, Akbar Al-Baker, no mesmo comunicado.

A Qatar Airways, que conta com uma frota de 250 aparelhos, é a segunda maior companhia aérea do Médio Oriente atrás da Emirates Airlines, transportadora com sede no Dubai.

Desde o início do bloqueio aéreo, a Qatar Airways registou perdas estimadas em centenas de milhões de dólares.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Qatar Airways

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venda de passagens da TAP resistiu melhor nas rotas de África, América do Norte e Brasil

29-09-2020 (17h04)

A TAP teve no primeiro semestre, que inclui os três meses de impacto mais drástico da pandemia de covid-19 nas viagens e turismo, uma quebra das vendas de voos em 57,2% ou 729,67 milhões de euros, com as rotas de África, da América do Norte e do Brasil a serem as que melhor resistiram, ainda assim com quebras acima de 40%.

TAP mostra que reduziu mais a capacidade que os seus ‘pares’

29-09-2020 (16h35)

A TAP indicou hoje que no primeiro semestre, em reacção ao impacto da pandemia nas viagens e turismo, reduziu a sua capacidade medida em ASK (lugares x quilómetros voados) em 82%, o que significa um ‘corte’ 14 pontos mais forte que a média dos voos de/para países europeus, em que a redução foi de 68%.

Custos operacionais da TAP caíram menos que receitas no primeiro semestre

29-09-2020 (16h33)

A TAP apresentou um prejuízo fiscal de 724,1 milhões de euros, que representa um agravamento de 581,7 milhões em relação ao período homólogo de 2019, nomeadamente por uma quebra de receitas operacionais em 55,4% ou 802,8 milhões, enquanto os gastos operacionais baixaram 30% ou 460,2 milhões.

TAP reconhece 669,3 milhões de euros em bilhetes emitidos e não utilizados

29-09-2020 (16h08)

A TAP tinha a 30 de Junho 669,29 milhões de euros de “documentos pendentes de voos”, que explica ser o “montante da responsabilidade do Grupo referente a bilhetes emitidos e não utilizados”.

Hangar de manutenção em Beja começa a funcionar faseadamente em Outubro

29-09-2020 (13h04)

O hangar da empresa Mesa para manutenção de aviões no aeroporto de Beja vai começar a funcionar em Outubro, após um investimento de 30 milhões de euros, revelou à agência Lusa o presidente do grupo proprietário.

Opinião e Análise