Quercus passa a ser contra aeroporto no Montijo

15-10-2020 (14h43)

Imagem: ANA Aeroportos
Imagem: ANA Aeroportos

A associação ambientalista Quercus mudou de posição e passou a ser contra a construção de um novo aeroporto no Montijo, apoiando outras associações do sector desfavoráveis ao empreendimento.

A Quercus “vem tornar público que a sua posição passou a ser desfavorável ao processo em curso relativo à construção do novo aeroporto, incluindo a emissão da Declaração de Impacto Ambiental (DIA) pela APA (Agência Portuguesa do Ambiente), colocando-se assim ao lado e apoiando a posição das associações de defesa do ambiente que se têm manifestado contra e recorrido aos Tribunais”, lê-se num comunicado da associação hoje divulgado.

A 31 de Outubro do ano passado, a Quercus comentou o parecer favorável da APA ao aeroporto considerando que não era a solução ideal mas que podia ser positiva desde que salvaguardadas medidas de minimização de impactos ambientais.

Um dia antes, a 30 de Outubro de 2019, a APA tinha divulgado uma DIA “favorável condicionada” à construção do aeroporto do Montijo, viabilizando o projecto, algo que tem sido muito criticado desde então nomeadamente por organizações ambientalistas.

A Quercus tem uma nova direcção desde Fevereiro deste ano e é essa direcção que, no comunicado, afirma que a posição de Outubro da associação “não reflete a visão da maioria do universo de associados e membros dirigentes”, e diz que na altura não foram abordados temas essenciais.

Importa por isso, segundo a associação, questionar a alegada urgência do Governo na construção do aeroporto, criticar que se tenham tomado posições contratuais antes do processo de avaliação de impacto ambiental estar concluído, ou defender a necessidade de o processo incluir estudos alternativos.

No documento a associação elenca uma dezena de motivos que a levam a estar contra o novo aeroporto, como a necessidade de uma Avaliação Ambiental Estratégica, a contextualização do projeto com as políticas climáticas e metas de redução de emissões de gases com efeito de estufa, ou levar em atenção “preocupações importantes de caráter técnico e de segurança” que entretanto foram levantadas.

Depois, diz também, a avaliação de impacto ambiental do ano passado subvalorizou o potencial poluente das emissões provocadas pelos aviões, é preciso ter em conta o “enorme impacto não mitigável” provocado pelo ruído, e é necessário ponderar devidamente o impacto sobre a avifauna do estuário do rio Tejo.

E a tudo isto juntam-se “aspetos novos” que não existiam há um ano, desde as ligadas à navegabilidade de embarcações típicas do estuário ao atual contexto de crise de pandemia de covid-19, aliado a uma crise económica, que levam a uma redução da procura de voos.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

KLM avisa que vão ser necessárias mais medidas de “rightsizing”

30-10-2020 (15h39)

É um eufemismo para dizer que mais medidas de redução de pessoal são necessárias, mas não deixa também de traduzir com clareza a gravidade da situação na KLM, uma das companhias de aviação mais bem sucedidas da Europa, apesar de não estar baseada num dos maiores mercados europeus.

Royal Air Maroc retoma voos para Bissau e Praia

30-10-2020 (14h56)

A companhia de aviação marroquina Royal Air Maroc anunciou que vai retomar no dia 6 de Novembro os seus voos de Casablanca para Bissau e Praia.

easyJet vai voar Amesterdão - Faro este Inverno

30-10-2020 (13h38)

A easyJet anunciou hoje que vai voar entre Amesterdão e Faro uma vez por semana entre 19 de Dezembro e 27 de Março de 2021, reforçando para dois voos por semana durante a época do Natal, de 22 a 29 de Dezembro.

Pandemia de covid-19 provoca prejuízo de 6.078 milhões até Setembro ao grupo Air France/KLM

30-10-2020 (12h07)

O grupo Air France KLM, terceiro maior da Europa, englobando além dessas duas companhias também a Transavia, informou hoje que nos nove meses de Janeiro a Setembro deste ano soma um prejuízo de 6.078 milhões de euros, com quebra das receitas em 58,8%, principalmente das receitas de tráfego regular, que caíram 59,7%.

Ryanair vai voar Lisboa – Colónia no próximo Verão

29-10-2020 (11h59)

A Ryanair anunciou ao mercado que vai voar entre Lisboa e Colónia duas vezes por semana a partir de 28 de Março de 2021.

Opinião e Análise