Royal Air Maroc anuncia quarto voo semanal Porto - Casablanca “na temporada de Inverno”

29-11-2017 (22h04)

A companhia de aviação marroquina Royal Air Maroc (RAM) anunciou hoje que a partir de 17 de Dezembro introduz um quarto voo semanal entre o Porto e o seu hub de Casablanca, de onde, salienta, tem “mais de 90 destinos disponíveis”.

“O alargamento da oferta de voos facilita a mobilidade dos passageiros que procuram desfrutar do exotismo dos destinos marroquinos, mas também dos que buscam a oferta internacional da Royal Air Maroc”, diz a companhia no comunicado em que anuncia o reforço dos voos Porto - Casablanca “na temporada de Inverno”.

A informação da RAM sobre o reforço no Porto indica que passará a ter voos “todas as quintas, sextas, Sábados e Domingos em aeronaves Boeing 737”.

Em meados de Outubro, a RAM anunciou um reforço dos voos entre Lisboa e Casablanca durante o Inverno IATA, acrescentando mais três voos por semana, com os quais chega a dez por semana.

Na ocasião, a companhia marroquina dizia ainda que “a rota Porto – Casablanca, retomada em Junho deste ano, contará também no próximo inverno com três voos semanais” (para ler mais clique: Royal Air Maroc aumenta frequência de voos entre Lisboa e Casablanca este Inverno).

Hoje, porém, a RAM anunciou mais um voo por semana entre o Porto e Casablanca, explicando que assim “vem dar resposta à estratégia de diversificação e desenvolvimento de mercado” que te, estado a seguir.

“O alargamento da oferta de voos facilita a mobilidade dos passageiros que procuram desfrutar do exotismo dos destinos marroquinos, mas também dos que buscam a oferta internacional da Royal Air Maroc, com mais de 90 destinos disponíveis a partir do Hub de Casablanca”, realça o comunicado, que destaca depois que aí proporciona conexões para o Brasil, Estados Unidos ou Angola “com tempos de escala de 60 minutos, no máximo”.

E acrescenta: “Durante a temporada de inverno há ainda promoções imperdíveis nos destinos de longo curso, como São Paulo e Rio de Janeiro a partir de 499€ ou Nova Iorque e Washington a partir de 420€”.

 

Clique para mais notícias: Royal Air Maroc

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: África

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

easyJet assinala entrada de Portugal na ‘lista verde’ do Reino Unido com voos Newcastle-Faro

10-05-2021 (19h15)

A companhia de aviação easyJet anunciou que vai voar entre Newcastle e Faro este Verão, a partir de 19 de Julho, com três frequências semanais.

TAP pede insolvência da Groundforce

10-05-2021 (19h02)

A TAP anunciou hoje em comunicado que requereu a insolvência da SPdH – Serviços Portugueses de Handling, S.A. (Groundforce) com o objectivo, “se tal for viável, de salvaguardar a viabilidade e a sustentabilidade da mesma, assegurando a sua actividade operacional nos aeroportos portugueses”.

Ryanair avança em força para aproveitar a ‘luz verde’ do Reino Unido às férias em Portugal

10-05-2021 (13h07)

A low cost Ryanair, pré-pandemia segunda maior companhia de aviação em passageiros transportados de/para Portugal, anunciou a inclusão de “175.000 lugares extra” em 75 voos adicionais do Reino Unido para Portugal para que os seus passageiros possam aproveitar a inclusão de Portugal na “lista verde” de destinos de lazer.

Azul sofre quebra de receita de mil milhões de reais

07-05-2021 (16h15)

A companhia de aviação brasileira Azul, fundada e presidida por David Neeleman, ex-accionista de referência da TAP, comunicou hoje ao mercado que a sua receita no primeiro trimestre ficou em 1,8 milhões de reais, menos mil milhões ou menos 34,9% que no primeiro trimestre de 2020, no qual ainda tivera crescimento face ao ano anterior, em 10,3%.

Amadeus caiu para prejuízos no primeiro trimestre

07-05-2021 (16h09)

O Amadeus, conhecido como uma das empresas mais lucrativas da área das viagens, declarou um prejuízo de 95,3 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, que compara com lucros de 298,5 milhões no período homólogo de 2019, pré-pandemia.

Opinião e Análise