TAP cresceu a dois dígitos em todos os sectores de rede em 2017

08-01-2018 (14h58)

A TAP teve crescimentos do número de passageiros a dois dígitos em todos os sectores de rede, segundo comunicado divulgado hoje pela companhia, que realça que no ano passado elevou para seis o número de rotas em que ultrapassou o meio milhão.

“Pela primeira vez, a TAP transportou num ano mais de 500 mil passageiros nas rotas Lisboa/Londres Heathrow, Lisboa/Barcelona e Lisboa/Madrid, que se juntaram assim, em 2017, às rotas Lisboa/Porto, Lisboa/Funchal e Lisboa/Paris, onde esse volume de passageiros já era superado em anos anteriores”, diz o comunicado.

A companhia especifica nessa informação que concluiu o ano de 2017 com um aumento de passageiros em 21,7% ou 2,55 milhões, alcançando o total de 14,274 milhões.

O maior contributo para esse aumento em 2,55 milhões foi do conjunto de rotas internacionais intra-europeias, que são regra geral as que mais passageiros têm, com um aumento em 1,6 milhões ou 22%, para 8,7 milhões, o que equivale a 61% do total de passageiros da companhia no ano de 2017.

Em voos domésticos no continente, o aumento foi em 15,8%, para 998 mil, destacando-se o crescimento nas ligações entre Lisboa e Faro e o total da ‘ponte aérea’ Lisboa - Porto, que se tornou “a rota na qual a TAP transportou mais passageiros em 2017, atingindo um total de 726 mil, mais 8% que em 2016”, mas omitindo o tráfego na linha Lisboa - Faro.

Para os voos entre o Continente e as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira a TAP indica ter transportado pela primeira vez mais de um milhão de passageiros, com 1,15 milhões, mais 18,9% ou mais 183 mil que em 2016.

Para voos intercontinentais, que normalmente têm menos ‘peso’ em número de passageiros, mas ‘pesam’ mais em tráfego em RPK e em receita, os dados contidos no comunicado da TAP apontam para um crescimento na ordem de 24,6% ou 620 mil passageiros, somando aproximadamente 3,36 milhões ou 24% do total do ano.

O maior dos sectores intercontinentais é o conjunto de voos de/para o Brasil, que somaram 1,6 milhões de passageiros, o que equivale a 11% do total do ano, seguindo-se o conjunto de rotas de/para países africanos, onde ultrapassou pela primeira vez o milhão de passageiros, com 1,033 milhões (7% do total), e o conjunto de ligações com a América do Norte, incluindo Estados Unidos e desde meados de 2017 o Canadá, com cerca de 730 mil passageiros (5% do total do ano).

Este foi o sector com o aumento percentual mais forte em 2017, com +54,5%, seguido por África, com +29%, e seguidamente o Brasil, com +14%.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Privatização da TAAG deverá estar concluída em 2022, ministro

25-11-2020 (16h08)

O ministro dos Transportes de Angola, Ricardo de Abreu, prevê que a privatização da companhia de aviação TAAG esteja concluída em 2022, segundo a Rádio Nacional de Angola.

Madeira impõe dupla testagem de covid-19 aos emigrantes e anuncia restrições no Natal

25-11-2020 (16h00)

A dupla testagem para covid-19 será alargada a "todos os residentes emigrantes" que desembarquem na Região Autónoma da Madeira nos próximos 15 dias, anunciou hoje o executivo regional, vincando que a medida é "essencial" para conter a propagação do vírus.

Aeroporto do Porto é o que melhor está a resistir à crise na aviação provocada pela covid-19

25-11-2020 (15h35)

O Aeroporto do Porto acumula no fim de Outubro um ganho de 2,7 pontos da quota de passageiros aéreos de/para Portugal, com um total de 4,008 milhões.

Aeroporto de Lisboa é o que mais sofre com a pandemia de covid-19

25-11-2020 (14h57)

Com o seu principal cliente a deixar em terra a maior parte da frota, o Aeroporto de Lisboa é o mais penalizado em Portugal pelo impacto da covid-19 no transporte aéreo, em especial no tráfego internacional.

Alemanha ultrapassa Reino Unido no Aeroporto de Faro em Outubro

25-11-2020 (14h47)

A Alemanha foi a primeira origem/destino de passageiros do Aeroporto de Faro em Outubro, ‘destronando' o Reino Unido, tradicionalmente nº1, mas que tem estado sujeito a medidas erráticas de combate à expansão da covid-19.

Opinião e Análise