TAP e Azul formalizam acordo de cooperação comercial

07-02-2020 (10h14)

Foto: Azul
Foto: Azul

A TAP e a Azul, companhia aérea fundada por David Neeleman, accionista da transportadora portuguesa através do consórcio Atlantic Gateway, formalizaram um acordo de cooperação comercial.

O novo acordo, segundo um comunicado da TAP, é "puramente comercial" e tem "vista à obtenção de sinergias entre as redes da TAP e a Azul em benefício dos clientes".

A parceria "contribuirá para o aumento da conectividade entre o mercado europeu e o mercado brasileiro, oferecendo melhor produto e maior conveniência aos seus passageiros", sublinha a nota de imprensa.

O comunicado indica que as duas companhias aéreas "centrarão esforços nas vendas entre a Europa e o Brasil, introduzindo melhorias em toda a respectiva operação (horários e rede), de forma a proporcionar aos seus clientes a melhor opção de viagem".

A Azul, prossegue o comunicado, "é a companhia aérea com maior número de voos entre cidades no Brasil, o que permitirá à TAP oferecer mais opções de voos e acesso a mais destinos brasileiros".

A nota esclarece ainda que o acordo "não implica qualquer alteração accionista ao nível da TAP ou da Azul, que continuam a ser duas entidades jurídica e economicamente independentes".

Um comunicado da Azul acrescenta que a implementação do acordo está "sujeita a aprovações de autoridades de concorrência e regulatórios".

"Estamos muito satisfeitos com o fortalecimento da nossa parceria com a TAP. Por meio deste acordo, ofereceremos mais opções de voos, tarifas competitivas e maior acesso a destinos europeus e brasileiros para nossos clientes", afirmou Abhi Shah, vice-presidente de Receitas da Azul, citado nessa nota.

O comunicado da Azul também acrescenta que, "sob o novo acordo, as empresas poderão vender indistintamente seus voos e compartilhar receitas nas rotas entre Brasil e Europa, assim como realizar conjuntamente vendas e ações de marketing, harmonizar ofertas e serviços, e planejar uma malha aérea ampliada e eficiente, oferecendo mais e melhores opções de viagens e destinos para seus clientes".

O acordo de cooperação já tinha sido aprovado pelas administrações das duas companhias no final do ano passado (clique para ler: TAP aprova acordo comercial com Azul).

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Azul

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Azul anuncia venda da participação na TAP ao Governo português

03-07-2020 (14h03)

A Azul anunciou hoje que chegou a acordo com o Governo português para vender a sua participação indirecta na TAP de 6%, por aproximadamente 65 milhões de reais (10,84 milhões de euros), e abdicar do direito de conversão dos bónus séniores de 90 milhões de euros que venciam em 2026.

Ryanair acusa agências de viagens online de bloquear reembolsos

03-07-2020 (12h32)

A Ryanair acusou hoje "agências de viagens online não autorizadas" de bloquear reembolsos de clientes, por utilizarem "emails falsos e cartões de crédito virtuais" impedindo que as reservas "possam ser rastreadas até ao consumidor individual".

CEO da TAP cessa funções de imediato

02-07-2020 (23h57)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, vai ser substituído "de imediato", anunciou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, revelando que o Governo vai recorrer a uma empresa para recrutar uma nova equipa de gestão para a companhia.

Opinião e Análise