TAP prevê transportar mais 800 mil a um milhão de passageiros este ano

20-05-2019 (17h18)

“Ainda é cedo, estamos em Maio”, contemporizou o CEO da TAP, Antonoaldo Neves, que ainda assim não deixou de avançar que prevê que a TAP transporte este ano entre 800 mil e um milhão a mais que em 2018.

“A nossa expectativa, depois de no ano passado termos chegado perto dos 16 milhões é agregar entre 800 [mil] e um milhão de passageiros este ano adicionais”, disse hoje o CEO da TAP aos jornalistas durante a cerimónia da recepção do 100º avião da companhia, um Airbus A330neo, com matrícula CS-TUI, baptizado D. Afonso Henriques.

Em Outubro do ano passado, a empresa estimou alcançar os 20 milhões de passageiros 2020.

"O Verão está muito forte. As rotas novas estão muito bem e a nossa perspectiva para o Verão é bastante positiva", disse Antonoaldo Neves.

A companhia aérea, segundo avançou, tem planeado aumentar a sua frota até 120 aviões, estando prevista a chegada de 10 novas aeronaves nos próximos 12 meses.

“Hoje consegue-se sobreviver com 100/115 aviões, já é muita coisa, em 2015 eram 80. Esperamos que as obras aconteçam num ritmo acelerado, agora que a pista foi encerrada pelo Governo, para que em dois a três anos se consiga aumentar o estacionamento”, disse.

A TAP recebeu hoje o 100º avião da sua frota, numa cerimónia que contou com o presidente do Conselho de Administração, Miguel Frasquilho, e com os accionistas do consórcio Atlantic Gateway, Humberto Pedrosa e David Neeleman, bem como com a presença de vários trabalhadores da transportadora.

"Um dia muito especial", assinalaram os responsáveis.

O secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Alberto Souto de Miranda, também esteve na cerimónia, destacando o papel da transportadora aérea na economia portuguesa.

Ao longo deste ano, os responsáveis da TAP esperam receber 37 novos aviões Airbus dos modelos A320neo, A321neo, A321LR e A330neo.

Os novos aviões, segundo Antonoaldo Neves, irão permitir que a TAP seja “muito mais sustentável do que ela é”.

Em comunicado, a companhia aérea indicou que a renovação da sua frota, com 71 novos aviões previstos até 2025, “é um dos pilares do Plano Estratégico dos novos accionistas”.

“Até ao final deste ano, a TAP vai continuar a receber mais aviões, a abrir novas rotas – Chicago, São Francisco e Washington serão as próximas já em Junho”, acrescenta.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Transavia retoma voos para Lisboa e Faro a 4 de Junho

26-05-2020 (12h35)

A Transavia, low cost do grupo Air France KLM, está a anunciar a retoma a 4 de Junho de voos de Amesterdão para Lisboa e para Faro.

Estado alemão entra para o capital do grupo Lufthansa... mas não para mandar

26-05-2020 (11h57)

O grupo alemão Lufthansa anunciou que já tem a aprovação de um apoio estatal até nove mil milhões de euros, incluindo 4,7 mil milhões em participação societária, que descreve como “silent participation”, ou seja, que não confere o direito de “mandar”, como em Portugal é exigido pelo ministro Pedro Nuno Santos em relação a um eventual apoio à TAP.

Delta adia retoma dos voos Nova Iorque JFK – Lisboa para 16 de Julho

26-05-2020 (11h52)

A Delta Air Lines, segunda maior companhia de aviação do mundo, adiou para 16 de Julho o recomeço dos seus voos entre Nova Iorque JFK e Lisboa, segundo as alterações ao calendário que efectuou na semana passada.

LATAM Brasil programa retomar voos para Lisboa a 17 de Julho

26-05-2020 (10h44)

A LATAM Brasil (antiga TAM), maior companhia de aviação brasileira em voos internacionais e que começou a voar entre o seu hub em São Paulo Guarulhos e Lisboa a 3 de Setembro de 2019, tem programado retomar esta rota a partir de 17 de Julho.

LATAM Airlines recorre à proteção de credores ao abrigo da lei das falências dos EUA

26-05-2020 (10h36)

A LATAM Airlines, maior companhia de aviação da América Latina, formada pela integração da brasileira TAM na chilena LAN, anunciou que recorreu à proteção de credores ao abrigo do capítulo 11 da lei de falências dos Estados Unidos, na sequência da queda de atividade devido à pandemia de covid-19.

Opinião e Análise