TAP regista prejuízos de 111 milhões de euros até Setembro

18-11-2019 (21h13)

A TAP registou nos primeiros nove meses deste ano prejuízos de 111 milhões de euros que atribui a “variações cambiais sem impacto na tesouraria”.

“A TAP S.A. apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses do ano, de 111 milhões essencialmente devido a variações cambiais sem impacto na tesouraria. Excluindo esta variação cambial, o lucro líquido consolidado do grupo TAP, no terceiro trimestre de 2019, foi de 61 milhões de euros positivos, compensando em mais 50% o prejuízo gerado no primeiro semestre de 2019”, avançou a companhia.

A empresa registou quase 120 milhões de euros em prejuízos nos primeiros seis meses do ano.

Segundo a TAP, o “acesso a crédito para cobertura do preço do combustível minimiza volatilidade nos resultados da TAP”, sendo que a empresa já contratou “cobertura para mais de 50% do consumo previsto de combustível para 2020, a um custo cerca de 4% menor que o preço médio em 2019, o que equivale a uma poupança estimada de 30 milhões de euros” no próximo ano.

O grupo angariou receitas consolidadas no terceiro trimestre de 2019 que ascenderam a 1.052 milhões de euros, “equivalente a um aumento de 6,1% face a igual período do ano anterior, suportado pelo crescimento do mercado norte-americano e pela recuperação do Brasil”, de acordo com a mesma nota.

O resultado operacional consolidado do grupo foi de 129 milhões de euros no terceiro trimestre de 2019, “equivalente a 12,2% das receitas, em linha com outras empresas congéneres da Europa”, garante a empresa.

A TAP adiantou ainda que o número de passageiros transportados subiu 11,1% no terceiro trimestre “reforçando a tendência de recuperação” da companhia aérea.

Segundo o comunicado, em 2019, “a TAP já amortizou mais de 170 milhões de euros de passivo financeiro”. Além disso, o prazo médio da dívida da TAP “duplicou em quatro anos, passando de menos de 24 meses no momento da privatização em 2015 para aproximadamente quatro anos no final do terceiro trimestre de 2019”, revela a empresa.

A companhia aérea planeia ainda “contratar mais de 800 novos colaboradores no próximo ano, dos quais mais de 100 são pilotos e cerca de 600 serão assistentes de bordo, para fazer face ao crescimento da TAP”. De acordo com o grupo, desde a privatização a TAP já contratou mais de três mil colaboradores em Portugal.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Azul anuncia venda da participação na TAP ao Governo português

03-07-2020 (14h03)

A Azul anunciou hoje que chegou a acordo com o Governo português para vender a sua participação indirecta na TAP de 6%, por aproximadamente 65 milhões de reais (10,84 milhões de euros), e abdicar do direito de conversão dos bónus séniores de 90 milhões de euros que venciam em 2026.

Ryanair acusa agências de viagens online de bloquear reembolsos

03-07-2020 (12h32)

A Ryanair acusou hoje "agências de viagens online não autorizadas" de bloquear reembolsos de clientes, por utilizarem "emails falsos e cartões de crédito virtuais" impedindo que as reservas "possam ser rastreadas até ao consumidor individual".

CEO da TAP cessa funções de imediato

02-07-2020 (23h57)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, vai ser substituído "de imediato", anunciou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, revelando que o Governo vai recorrer a uma empresa para recrutar uma nova equipa de gestão para a companhia.

Opinião e Análise