TAP revela crescimento do tráfego em 9,6% em 2018, mas insuficiente face a aumento da oferta

31-01-2019 (13h56)

Foto: TAP
Foto: TAP

A TAP, companhia de aviação portuguesa membro da Star Alliance, revelou hoje ter alcançado um crescimento médio do tráfego de passageiros medido em RPK (passageiros x quilómetros voados) em 9,6%, que, embora acima da média da indústria, foi insuficiente face ao aumento de capacidade, que foi de 12,3% em ASK (lugares x quilómetros voados).

Em passageiros embarcados, a TAP, de acordo com um comunicado da companhia, teve um crescimento em 10,4%, alcançando um total de 15,8 milhões, que passa a constituir o seu novo recorde anual.

A companhia indicou que as rotas europeias foram as que mais contribuíram o seu “crescimento assinalável”, em 2018, sem especificar no entanto quantos passageiros transportou nessas ligações, referindo apenas que transportou mais 932 mil (+10,7%) que em 2017, anos para o qual tinha indicado o total de 8,7 milhões, pelo que em 2018 terá somado cerca de 9,6 milhões.

O balanço companhia acrescenta que em voos dentro do Continente português, ligando Lisboa, Porto e Faro, transportou 1,1 milhões de passageiros, com um aumento em 9,4%.

As ligações com as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira tiveram um aumento de 156 mil passageiros (+13,5%), somando 1,3 milhões.

Sobre os seus voos intercontinentais, o comunicado diz que “as rotas do Brasil continuam a ser determinantes para a TAP e registaram também um forte aumento do número de passageiros transportados ao longo do ano passado”, especificando que somou 1,7 milhões, mais 124 mil (+7,8%) que em 2017.

África continua o segundo maior sector de voos intercontinentais, com 1,1 milhões de passageiros, mas 116 mil (+11,2%) que no ano anterior, seguindo-se o sector América do Norte, onde salienta ter efectuado “a grande aposta e investimento”, com 800 mil passageiros, mais 70 mil (+9,6%) que em 2017.

O comunicado da TAP reconhece que ainda assim, em passageiros e lugares ponderados pelos quilómetros voados (RPG e ASK), que descreve como “principais indicadores utilizados na indústria do transporte aéreo”, o crescimento do tráfego em 9,6% face ao aumento da capacidade em 12,3% traduziu-se numa queda da taxa média em dois pontos percentuais, para 81%, evolução que poderá ser explicada pela ‘juventude’ da nova oferta colocada no mercado, uma vez que ocorre num momento, mas a sua ‘absorção’ pelo mercado é sempre mais demorada.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

United e American Airlines vão despedir 32.000 trabalhadores

01-10-2020 (15h26)

A companhia aérea norte-americana United Airlines anunciou que vai despedir a partir de hoje 13.000 funcionários, poucas horas depois da American Airlines ter anunciado que iria dispensar 19.000.

‘Família’ Pedrosa sai da Administração da TAP, mas grupo Barraqueiro mantém ‘representante’ (Actualiza)

01-10-2020 (12h41)

A TAP anunciou hoje a renúncia de Humberto Pedrosa e do seu filho David Pedrosa dos cargos que exerciam no grupo aéreo, nomeadamente de presidente da Administração e Vogal da Administração da companhia aérea TAP, SA, mas sem que o seu Grupo Barraqueiro deixe de estar representado.

Humberto e David Pedrosa renunciam aos cargos na administração na TAP

01-10-2020 (09h14)

Humberto e David Pedrosa apresentaram na quarta-feira a renúncia aos cargos de presidente e vogal, respectivamente, na TAP e nas demais sociedades do Grupo TAP onde exercem funções de administração.

Aer Lingus programa ter quatro voos por semana Dublin – Faro este Outubro

30-09-2020 (17h53)

A companhia de aviação irlandesa Aer Lingus, do IAG, tem programado fazer quatro voos por semana entre Dublin e Faro de 1 a 24 de Outubro, que são as últimas semanas do chamado Verão IATA.

TAP liga 25% mais cidades mesmo tendo só 30% da capacidade, diz o seu Chief Revenue & Network

30-09-2020 (17h46)

O Chief Revenue & Network da TAP, Arik De, comentou nas redes sociais que a companhia, embora tenha a sua capacidade reduzida a 30% do que tinha há um ano, liga 25% mais de cidades do que antes da pandemia, com uma redução de 92% no tempo médio de ligação.

Opinião e Análise