TAP tem “65% do volume de combustível protegido”, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (11h39)

A TAP tem actualmente “65% do volume de combustível protegido” das variações do preço do petróleo, afirmou o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves.

O executivo, sem indicar para que período se refere o combustível contratado, sublinhou que quando assumiu a liderança da TAP, a empresa não tinha proteção para a variação do preço do petróleo.

“Quando eu cheguei a TAP não tinha uma política de proteção, não sei porque não havia, o facto é que não havia, não havia nenhuma proteção de combustível”, disse ontem o gestor, na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas da Assembleia da República.

Contudo, afirmou, a TAP também tinha a restrição de não ter uma linha de crédito com os bancos para fazer proteção cambial, referindo que a sua gestão passou seis meses a abrir essas linhas junto da banca.

“Hoje temos 65% do volume de combustível protegido, foi protegido o ano passado, no meu primeiro ano de gestão como presidente da Comissão Executiva”, referiu.

Antonoaldo Neves respondia ao deputado do BE Heitor de Sousa, que a propósito dos prejuízos da TAP em 2018 (118 milhões de euros negativos, que comparam com lucro de 21,2 milhões de euros de 2017) considerou “surpreendente” que uma empresa da dimensão da TAP não tivesse contratos ‘swap’ que a protejam da variação do preços dos combustíveis, já que este é um custo muito importante para a TAP e que contribuiu para os prejuízos.

O presidente da TAP justificou os prejuízos da TAP não só com o custo do petróleo e ausência de proteção, assim como pelas despesas não correntes que ascenderam a 90 milhões de euros em 2018.

Estas despesas, explicou, têm que ver com três grupos de custos assumidos em 2018: greve de zelo dos pilotos, que, disse, levou ao aluguer de aeronaves, programa de pré-reformas voluntárias de 20 milhões de euros, que considerou ter sido “benéfico para a TAP”, porque em 95% dos casos não houve substituições; custos da demissão de 1.000 trabalhadores no Brasil, da operação de manutenção.

Antonoaldo Neves indicou ainda que os resultados negativos não contemplam os investimentos em aviões, justificado pelo facto de o investimento em activos não afectar os resultados.

Em Março, numa mensagem enviada aos trabalhadores a que a Lusa teve acesso, a administração TAP indicou que em 2018 a empresa sofreu o “impacto do aumento expressivo do preço do petróleo” – cujo preço médio “aumentou 32% entre 2017 e 2018, o que não acontecia desde 2011” – tendo os gastos com combustível aumentado de 580 para 799 milhões de euros de um ano para o outro.

A mensagem afirmava que, apesar de o orçamento da TAP para 2018 “ter sido conservador ao estimar um custo de 600 dólares por tonelada de combustível, enquanto esse estava cotado a 591 dólares por tonelada em Dezembro de 2017”, o facto é que a companhia “não tinha uma política de proteção de variação do preço do combustível, tal como tem a maioria dos concorrentes europeus, nem a capacidade de crédito para proteger uma posição significativa de combustível”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vendas de voos das agências de viagens portuguesas caem 324 milhões de euros no 1º semestre

16-07-2020 (17h13)

A agências de viagens portuguesas participantes no BSP registaram uma quebra das vendas de voos no primeiro semestre que ascende a 324 milhões de euros, para o mínimo histórico neste período do ano de 172,8 milhões.

Vendas de voos pelas agências de viagens portuguesas recuperam muito timidamente

16-07-2020 (16h55)

As agências de viagens portugueses que integram o BSP da IATA alcançaram em Junho 6,18 milhões de euros de vendas de voos regulares, quase dez vezes o montante de Abril e mais de duas vezes o de Maio, mas ainda 92,1% abaixo de Junho de 2019.

Governo aprova compra de participação de Neeleman na TAP por 55 milhões de euros

16-07-2020 (16h22)

O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros o decreto-lei que autoriza o Estado a adquirir por 55 milhões de euros as participações sociais, os direitos económicos e as prestações acessórias da TAP SGPS detidos por David Neeleman.

Lufthansa prepara lançamento de nova marca para voos turísticos

16-07-2020 (15h23)

O Grupo Lufthansa criou uma nova divisão chamada Ocean para voos para destinos turísticos e para reduzir a complexidade da estrutura do grupo neste segmento, uma ideia que já foi defendida em relação à Eurowings, entretanto descontinuada.

Plano de reestruturação da SAA implica despedimentos e criação de nova empresa

16-07-2020 (13h36)

Os credores da falida companhia aérea sul-africana SAA aprovaram um plano de reestruturação, que resultará em cortes de empregos e na criação de uma nova empresa a partir das ruínas da empresa, anunciou o Ministério das Empresas Públicas.

Opinião e Análise