TAP voltou a liderar em Setembro o transporte aéreo internacional de passageiros no Brasil

23-10-2020 (14h26)

Quase um em cada cinco passageiros que em Setembro viajaram em voos internacionais de/para o Brasil fizeram-no em TAP, que voltou assim a ser a líder de mercado, à frente não só das outras companhias europeias, como também das americanas e das brasileiras.

Dados publicados pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) do Brasil indicam que a TAP transportou em Setembro de/para o país 27 mil passageiros, -83,7% ou menos 139 mil que no mês homólogo de 2019, mas ainda assim mais cerca de dez mil que a segunda maior, a brasileira LATAM.

A TAP tem sido sistematicamente a maior companhia de aviação líder no transporte de passageiros entre o Brasil e a Europa, mas apenas nestes últimos meses de pandemia tem sido a líder absoluta, superando nomeadamente a LATAM, que é a maior companhia brasileira em transporte internacional de passageiros.

Os dados consultados pelo PressTUR mostram que em 2019 a LATAM foi a transportadora de 23% dos 24,1 milhões de passageiros embarcados e desembarcados de voos internacionais em aeroportos brasileiros, com um total de 5,54 milhões.

Seguiram-se a GOL, com dois milhões (8,6% do total), a TAP, com 1,79 milhões (7,4%), a Azul, com 1,35 milhões (5,6%), e a American, com 1,26 milhões (5,2%).

Este ano, com a pandemia de covid-19 a provocar danos de grande dimensão na aviação, a Lufthansa assumiu a liderança do mercado em Junho, com uma quota de 16,4%, enquanto a TAP caía para 4ª, com 8,9%, mas logo em Julho a LATAM ascendeu à liderança, com 21% dos passageiros de todos os voos internacionais, seguida pela TAP, com 12,6%.

Em Agosto houve nova reviravolta no ranking, com a TAP a subir à liderança com 19,8% dos passageiros, seguida pela LATAM, com 15%, a Lufthansa, com 7,7%, a United, com 7,6%, e a Azul, com 7,4%.

No mês de Setembro, TAP e LATAM ‘seguraram’ a liderança do mercado, respectivamente com 19,2% e 12% dos 140,5 mil passageiros de voos internacionais embarcados e desembarcados em aeroportos brasileiros.

Seguiram-se a Azul, com 7,8% do total, a United, com 6,6%, a KLM, com 6,3%, a Air France, com 5,9%, a Qatar, com 5,5%, a Lufthansa, com 5,4%, a Aeroméxico, com 4,8%, e a American, com 4,2%.

A informação da ANAC do Brasil indica também, entre outras companhias, que em Setembro a British Airways teve uma quota do transporte aéreo internacional de passageiros no Brasil de 2,6%, a Air Europa teve 2,2% e a Swiss teve 1,2%.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Brasil

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

easyJet reforça voos no Natal e Ano Novo entre Portugal, França, Luxemburgo e Suíça

04-12-2020 (16h08)

A easyJet anunciou que fará um reforço de 21 voos em Dezembro e Janeiro entre Portugal, França, Luxemburgo e Suíça, sem especificar em que rotas.

LATAM passa a informar estado dos voos no seu website

04-12-2020 (15h45)

A LATAM está a informar os agentes de viagens que a partir de 7 de Dezembro o estado dos voos até quatro dias antes da partida só poderá ser consultado no seu website LATAM Trade.

Wizz Air inclui Faro com voos todo o ano da sua nova base em Cardiff

04-12-2020 (14h46)

A low cost húngara Wizz Air, actualmente uma das maiores do seu segmento na Europa, tem previsto criar uma base em Cardiff com ligações a nove destinos, incluindo quatro com voos todo o ano, um dos quais é Faro.

Transavia voa este Natal e Ano Novo Lisboa-Funchal e Porto-Montpellier

04-12-2020 (14h40)

A companhia aérea Transavia, do Grupo Air France-KLM, anunciou que este Natal e Ano Novo vai operar 20 rotas em Portugal, incluindo um novo Lisboa-Funchal e um regresso às ligações Porto-Montepellier.

Ryanair encomenda mais 75 aviões Boeing 737 MAX

04-12-2020 (14h05)

A Ryanair encomendou à Boeing mais 75 aviões B737 MAX, aumentando a encomenda total para 210 aviões deste modelo, que recebeu luz verde das autoridades norte-americanas para voltar a voar quase dois anos depois da proibição devido a dois acidentes que mataram 346 pessoas em cinco meses.

Opinião e Análise