Tráfego aéreo entre Espanha e Portugal no 2º trimestre cabia todo num Airbus A330

17-07-2020 (15h48)

Aeroporto de Lisboa
Aeroporto de Lisboa

O transporte aéreo de passageiros entre Portugal e Espanha, que é um dos sectores mais intensos tanto para Portugal quanto para Espanha, no segundo trimestre, em pleno auge da pandemia de covid-19, caiu de tal maneira que teria bastado um Airbus A330 para transportar todos os passageiros dos três meses, e não haveria overbooking.

Dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, a que o PressTUR teve acesso indicam que no segundo trimestre houve um total de apenas 217 passageiros a voar entre os dois países ibéricos, quando no período homólogo de 2019 tinham sido quase 1,5 milhões.

A informação indica que depois de em Abril o total de passageiros que voaram entre Portugal e Espanha ter ficado em 26 (para ler mais clique: Tráfego aéreo entre Espanha e Portugal reduzido a 26 passageiros em todo o mês de Abril), em Maio houve um aumento para 166, mas em Junho voltou a cair para a casa das duas dezenas e atingiu mesmo um novo mínimo absoluto, com apenas 25, menos cerca de 525 mil que no mês homólogo de 2019.

Desta forma, no conjunto do segundo trimestre o tráfego entre Portugal e Espanha teve uma quebra de perto de 99,99%, com menos 1,47 milhões de passageiros que um ano antes.

Ainda assim, no conjunto do primeiro semestre, Portugal manteve-se a 6ª principal origem/destino internacional de passageiros, com 1,017 milhões, a seguir ao Reino Unido, com 5,698 milhões, Alemanha, com 3,977 milhões, Itália, com 2,22 milhões, França, com 2,17 milhões, e Holanda, com 1,37 milhões.

Relativamente ao primeiro semestre de 2019, o total de passageiros em voos entre Portugal e Espanha caiu 60,7% ou 1,56 milhões, com -58% ou menos 933,1 mil nas ligações com Lisboa, -63,9% ou menos 591 mil nas ligações com o Porto, -74,3% ou menos 14,2 mil nas ligações com o Funchal, -94,3% ou menis 26,1 mil nas ligações com Faro e -84,6% ou menos 3,1 mil nas ligações com Ponta Delgada.

Os dados recolhidos pelo PressTUR mostram que a forte quebra de passageiros no segundo trimestre deve-se designadamente ao facto de a TAP, que no primeiro semestre de 2019 transportara 36,2% dos passageiros que voaram entre os dois países, nos meses de Abril, Maio e Junho deste ano não ter um único passageiro.

 

Clique para mais notícias: Aeroportos espanhóis

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venda de passagens da TAP resistiu melhor nas rotas de África, América do Norte e Brasil

29-09-2020 (17h04)

A TAP teve no primeiro semestre, que inclui os três meses de impacto mais drástico da pandemia de covid-19 nas viagens e turismo, uma quebra das vendas de voos em 57,2% ou 729,67 milhões de euros, com as rotas de África, da América do Norte e do Brasil a serem as que melhor resistiram, ainda assim com quebras acima de 40%.

TAP mostra que reduziu mais a capacidade que os seus ‘pares’

29-09-2020 (16h35)

A TAP indicou hoje que no primeiro semestre, em reacção ao impacto da pandemia nas viagens e turismo, reduziu a sua capacidade medida em ASK (lugares x quilómetros voados) em 82%, o que significa um ‘corte’ 14 pontos mais forte que a média dos voos de/para países europeus, em que a redução foi de 68%.

Custos operacionais da TAP caíram menos que receitas no primeiro semestre

29-09-2020 (16h33)

A TAP apresentou um prejuízo fiscal de 724,1 milhões de euros, que representa um agravamento de 581,7 milhões em relação ao período homólogo de 2019, nomeadamente por uma quebra de receitas operacionais em 55,4% ou 802,8 milhões, enquanto os gastos operacionais baixaram 30% ou 460,2 milhões.

TAP reconhece 669,3 milhões de euros em bilhetes emitidos e não utilizados

29-09-2020 (16h08)

A TAP tinha a 30 de Junho 669,29 milhões de euros de “documentos pendentes de voos”, que explica ser o “montante da responsabilidade do Grupo referente a bilhetes emitidos e não utilizados”.

Hangar de manutenção em Beja começa a funcionar faseadamente em Outubro

29-09-2020 (13h04)

O hangar da empresa Mesa para manutenção de aviões no aeroporto de Beja vai começar a funcionar em Outubro, após um investimento de 30 milhões de euros, revelou à agência Lusa o presidente do grupo proprietário.

Opinião e Análise