Travelport supera marca das 400 empresas ligadas à sua plataforma Rich Content and Branding

18-12-2019 (18h23)

Foto: Glenn Carstens-Peters / Unsplash
Foto: Glenn Carstens-Peters / Unsplash

A Travelport anunciou novos acordos que permitirão superar a marca das 400 empresas ligadas à sua plataforma Rich Content and Branding, incluindo agências de viagens e companhias de aviação.

A empresa, líder em Portugal no processamento de reservas de agências de viagens, informo que celebrou novos acordos com “as maiores agências de viagens online e plataformas de pesquisa na Rússia e na Coreia do Sul, incluindo a Kupibilet.ru e a Naver”.

Os acordos permitem que as empresas passem a ter “acesso em tempo real a informações sobre tarifas e ancillaries das principais companhias aéreas a nível global”, destaca a Travelport em comunicado.

“Uma selecção de parceiros também receberá acesso à nova base de dados de branded fares antes de serem lançados para outros parceiros”, sublinha a mesma nota, acrescentando que esta base de dados “é uma ferramenta para permitir a apresentação de branded fares mais ricas no topo das pesquisas ou nos ecrãs das agências de viagens online”.

Outros acordos de adesão à plataforma da Travelport incluem as companhias aéreas Croatia Airlines, Gulf Air e Ukraine International Airlines, além das “principais agências de viagens e travel management companies (TMCs) do Reino Unido”, designadamente Clarity, SABS, Sky Lord Travel e Travelpack.

Os viajantes “exigem o máximo de informações possível sobre as opções de viagem disponíveis” e o papel da Travelport “é levar esse conteúdo aos clientes das agências de viagens da maneira mais visual e intuitiva possível para ajudar as nossas companhias aéreas parceiras a destacarem-se da concorrência”, afirmou Jason Clarke, Chief Commercial Officer para Travel Partners da Travelport, citado no comunicado.

A plataforma Travelport Rich Content and Branding, lançada em 2014, permitiu às companhias aéreas exibir o seu conteúdo mais de 660 milhões de vezes nas páginas das agências de viagens online e nos sistemas de reservas para empresas nos últimos 12 meses.

“Quando os upsells e add-ons são feitos através da Rich Content and Branding, os valores médios dos bilhetes aumentam 23%”, acrescenta a empresa, sublinhando que “uma em cada seis reservas de voos feitas na Rich Content and Branding resulta num upsell”.

 

Clique para ver mais: Traveport

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Lufthansa programa ter este Agosto 60 voos por semana dos seus hubs para Portugal

03-08-2020 (13h17)

A companhia alemã Lufthansa, líder do maior grupo aéreo europeu, tem programado para este mês de Agosto fazer 60 voos por semana dos seus hubs de Frankfurte e Munique aeroportos portugueses.

ACI, A4E e IATA dizem que os governos prejudicam mais do que ajudam

31-07-2020 (17h15)

As associações comerciais representativas de aeroportos e companhias aéreas europeias ACI, A4E e IATA acusaram hoje os governos europeus de terem “uma abordagem inconsistente das restrições de viagem”.

Air Canada anuncia perdas de 1,1 mil milhões de euros no 2º trimestre

31-07-2020 (16h44)

A Air Canada anunciou hoje que perdeu mais de 1,7 mil milhões de dólares canadianos (1,1 mil milhões de euros) no segundo trimestre, devido aos "efeitos devastadores" da pandemia de covid-19.

Bruxelas aprova apoio alemão de 840 milhões para cobrir vouchers de viagens canceladas

31-07-2020 (12h09)

A Comissão Europeia deu hoje ‘luz verde’ a um apoio estatal da Alemanha de 840 milhões de euros para cobrir vouchers emitidos por operadores turísticos para compensar cancelamentos de viagens devido à covid-19, visando tornar esta numa opção mais “fiável”.

‘Delfim’ de Antonoaldo Neves escolhido para novo CEO da TAP

30-07-2020 (19h39)

Fonte oficial do Ministério das Infra-estruturas já confirmou à Lusa que Ramiro Sequeira, promovido a COO da TAP por Antonoaldo Neves, é a escolha do Governo para substituir o gestor brasileiro em CEO da companhia portuguesa.

Opinião e Análise