Banco de Portugal sublinha repetidamente o especial impacto da pandemia no turismo

26-03-2020 (15h19)

“A importância do setor do turismo na atividade económica em Portugal implica uma elevada exposição à redução esperada da procura global deste tipo de serviços, que será muito significativa”, realça o Boletim Económico do Banco de Portugal publicado hoje e no qual repetidamente assina o especial impacto da pandemia de covid-19 no turismo.

“O facto de a pandemia ser sincronizada e generalizada a um grande número de países tenderá a acentuar a queda da atividade económica, por via do colapso nos fluxos de comércio mundiais, com destaque para o turismo”, explica o banco central, que refere que a sua análise considera “um conjunto de choques”, de que assinala “choques negativos sobre o consumo privado na generalidade das economias, que captam o efeito da pandemia via menor rendimento e maior incerteza, bem como o impacto directo sobre despesas em serviços, em particular, em turismo, transportes e serviços recreativos e culturais”.

O realce ao impacto no turismo é também apontado pelo Banco de Portugal ao prever que “o comércio mundial reduz-se significativamente em 2020 (-10,3%)” que diz reflectir “um choque que afecta desproporcionalmente os fluxos internacionais de bens e serviços (nestes últimos, destacam-se o turismo e os transportes)”.

O banco central explicita, aliás, que “a importância do sector do turismo na atividade económica em Portugal implica uma elevada exposição à redução esperada da procura global deste tipo de serviços, que será muito significativa”.

E relativamente ao turismo internacional, a perspectiva do banco central uma vez mais insiste que turismo e transportes terão as suas exportações “fortemente afetadas pelas limitações à movimentação de pessoas e deverão registar uma queda acentuada”, sem quantificar.

O banco central acrescenta que dessa forma “o excedente da balança de serviços reduz-se, reflectindo o impacto particularmente negativo do choque sobre os fluxos de turismo”.

O Banco de Portugal indica que antecipa “um abrandamento significativo dos preços dos serviços relacionados com o turismo” e assinala que, “em termos conjunturais, a crise despoletada pela propagação do vírus Covid-19 tem impactos diretos sobre o turismo e perturba o comércio de bens, assente em cadeias de valor globais”.

Para ler mais clique:

Banco de Portugal prevê queda do PIB entre 3,7% e 5,7% este ano

 

Clique para mais notícias: Banco de Portugal

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Coronavírus

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Alcochete cria programa para apoiar e incentivar restauração

09-07-2020 (12h20)

A Câmara de Alcochete apresenta hoje o programa “Reabrir em Segurança”, que vai apoiar os empresários da restauração do concelho, no distrito de Setúbal, com informações e materiais para regressarem à actividade.

United Airlines pode vir a despedir mais de um terço dos seus funcionários

09-07-2020 (11h48)

A companhia aérea norte-americana United Airlines, duramente atingida pela crise devido à pandemia de covid-19, advertiu hoje que pode dispensar até 36 mil dos seus 95.200 funcionários em Outubro.

Tráfego aéreo gerido pela NAV Portugal cai mais de 50% no 1º semestre

09-07-2020 (11h02)

A NAV Portugal geriu 179.542 voos no primeiro semestre, uma quebra de 54% ou 213,5 mil voos face ao período homólogo do ano passado, devido ao impacto das medidas de contenção da pandemia de covid-19.

Charters para as Caraíbas cancelados em Julho e Agosto

08-07-2020 (18h44)

As praias e resorts das Caraíbas, tanto da Dominicana como do México e de Cuba, que todos os anos atraem milhares de portugueses que viajam com pacotes turísticos, este ano não os vão ter, pelo menos nos meses de ‘pico’ de Verão, pois os voos charter já estão cancelados.

TAP e TAAG anunciam dez voos Luanda-Lisboa em Julho

08-07-2020 (18h04)

As companhias aéreas portuguesa TAP e angolana TAAG vão realizar dez voos em Julho para ligar a capital de Angola, Luanda, que continua sob cerca sanitária devido à covid-19, a Portugal.

Opinião e Análise