Booking.com sob investigação em Itália por evasão fiscal no valor de 150 ME

11-06-2021 (18h48)

Foto: Unsplash / Omid Armin
Foto: Unsplash / Omid Armin

O site de reservas de hotéis e alojamentos Booking.com é suspeito de ter ocultado mais de 150 milhões de euros em IVA, após uma investigação realizada pelas autoridades fiscais de Génova.

O Booking.com, um dos maiores sites mundiais de reservas de hotéis e alojamento para férias, com sede na Holanda, “falhou ao aplicar o imposto sobre a intermediação do aluguer de casas particulares e quartos de hóspedes”, afirmou a autoridade fiscal italiana em comunicado citado pela Agência Lusa.

A investigação, que abrangeu os anos de 2013 a 2019, “revelou uma evasão fiscal em grande escala, de mais de 150 milhões de euros no pagamento do IVA”, prosseguiu.

Nesse período, a plataforma de reservas arrecadou 700 milhões de euros em comissões na Itália, sobre as quais deveria ter declarado e pago mais de 153 milhões de euros de IVA (imposto sobre valor acrescentado), segundo as autoridades fiscais italiana.

O site confirmou ter recebido o relatório da auditoria da polícia fiscal e comprometeu-se a cooperar plenamente com as autoridades fiscais italianas”.

“Em conformidade com a legislação europeia aplicável sobre o IVA, entendemos que todos os nossos homólogos na União Europeia, incluindo a Itália, são responsáveis por avaliar o IVA local e comunicá-lo aos governos respetivos”, disse à AFP um porta-voz da autoridade fiscal.

A plataforma Booking.com alegou na época que os impostos reclamados pelas autoridades fiscais francesas haviam sido pagos na Holanda, onde está localizada a sua sede, país que introduziu um imposto sobre as empresas muito menos pesado do que na França.

Criada na Holanda em 1996, a Booking.com, filial da American Booking Holdings (ex-Priceline Group) desde 2005, já havia sido alvo de uma auditoria por causa das suas actividades em França entre 2003 e 2012, tendo sido notificada no final de 2015 em relação a um desvio fiscal de 356 milhões de euros.

A plataforma Booking.com alegou então que os impostos reclamados pelas autoridades fiscais francesas haviam sido pagos na Holanda, onde sua sede está localizada e que introduziu um imposto sobre as sociedades muito menos pesado do que o da França.

No início de Junho, a plataforma anunciou que iria reembolsar o Governo holandês por 60 milhões de euros em ajudas recebidas durante a pandemia de covid-19, o que aconteceu depois de fortes protestos causados pelo pagamento de bónus aos seus administradores, no montante de 28 milhões de euros.

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Estudo da Oliver Wyman prevê falta de pilotos na Europa em 2022

03-08-2021 (15h17)

De acordo com um estudo da consultora Oliver Wyman, a Europa vai ter falta de pilotos em 2022, mais precisamente menos 790 pilotos do que aqueles que serão necessários.

Cabo Verde aprovou três hotéis avaliados em mais de 400M euros no final de Julho

03-08-2021 (14h52)

O Governo cabo-verdiano aprovou na última semana de Julho convenções de estabelecimento para a construção de três empreendimentos turísticos no arquipélago, ultrapassando 400 milhões de euros de investimento privado.

Iberia ultrapassou British Airways e foi a companhia do IAG líder em tráfego de passageiros

02-08-2021 (16h36)

A Iberia foi a companhia do IAG que mais tráfego de passageiros transportou no segundo trimestre, superando a British Airways, tradicionalmente a líder, nomeadamente pela liderança no transporte entre a Europa e a América do Norte.

IAG prevê ter este trimestre 45% da capacidade de transporte de passageiros de 2019

02-08-2021 (16h31)

O IAG, grupo que integra a British Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level, anunciou que prevê aumentar a sua capacidade de transporte de passageiros dos 21,9% do período homólogo de 2019 no segundo trimestre para “cerca de 45%” este trimestre, época alta no Hemisfério Norte.

Vacinação ou testes são obrigatórios para trabalhos específicos em Hong Kong

02-08-2021 (16h30)

Funcionários públicos, professores e cuidadores de Hong Kong têm de ser vacinados contra a covid-19 ou ser testados duas vezes por semana a seu custo, anunciou hoje a chefe do Governo, Carrie Lam.

Opinião e Análise