British Airways e Iberia vão cobrar taxa nas reservas em GDS a partir de Novembro

26-05-2017 (15h51)

British Airways e Iberia, as duas maiores companhias do IAG, vão aplicar a partir de Novembro uma taxa de 9,5 euros sobre as reservas que as agências de viagens façam através dos GDS, à semelhança do que a Lufthansa começou a fazer a 1 de Setembro de 2015.

O que está em causa é a ambição das companhias aéreas de controlarem as suas vendas, que continuam a ser maioritariamente através das agências de viagens, apesar de todas as transformações que se têm operado, desde o fim das comissões por vendas à adopção de promoções exclusivas para as suas vendas directas.

De acordo com a imprensa britânica, a British Airways escreveu hoje aos agentes de viagens britânicos a informá-los de que passará a aplicar essa taxa a partir de 1 de Novembro.

O IAG divulgou entretanto uma declaração em que diz que as suas companhias British Airways e Iberia têm assumido “um papel de liderança” nas inovações que envolvem a NDC (de New Distribution Capability) da IATA e que “a tecnologia aporta benefícios em merchandising flexibilidade e riqueza de conteúdo aos clientes, agentes e companhias aéreas”.

O grupo acrescenta que as suas companhias continuarão a trabalhar com os GDS para a distribuição dos seus conteúdos aos “nossos apreciados parceiros agentes”, mas, acrescenta, repetindo os argumentos da Lufthansa, “esses sistemas e as suas soluções de tecnologia tradicional, actualmente acarretam custos significativamente grandes para a BA e a IB”.

Assim, aplicará a taxa, “a todas as reservas que não sejam feitas em conexões basedas em NDC ou outros canais de baixo custo, como os nossos websites, escritórios de vendas e call centers”.

O IAG argumenta, pois, que a taxa é para cobrir “os custos adiciobais” em que incorrem com as reservas efectuadas através dos GDS e garante ter “desenvolvido um amplo leque de conexões baseadas em NDC, incluindo conexões directas NDS, agregadores ou self booking tools ligadas via NDC e um portal IAG”.

A taxa anunciada pelo IAG fica abaixo da praticada pelo grupo Lufthansa, que definiu 16 euros para a sua Distribution Cost Charge (DCC).

A segunda companhia a adoptar uma taxa por reservas em GDS foi a Ukraine, no mês passado.

Como o PressTUR destacou, apesar da DCC, o grupo Lufthansa teve em 2016 um aumento de custos com sistemas globais de reservas.

 

Para ler mais sobre as taxas GDS clique:

Ukraine segue Lufthansa na distribuição e avança com taxa sobre as reservas em GDS

Grupo Lufthansa afinal até gastou mais 38 milhões com sistemas de distribuição computorizados em 2016

Lufthansa confirma taxa GDS desde hoje e anuncia aposta novos canais directos

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Companhia aérea brasileira Azul regista prejuízo de 450 milhões de euros no segundo trimestre

14-08-2020 (18h45)

A companhia aérea brasileira Azul registou um prejuízo de 2,9 mil milhões de reais (450 milhões de euros) no segundo trimestre de 2020, segundo balanço financeiro divulgado pela empresa.

EuroAtlantic vai ter novo horário na ligação para Bissau

14-08-2020 (18h12)

A euroAtlantic vai começar voar para a Guiné-Bissau num novo horário, com chegada diurna à capital guineense, a partir de 4 de Setembro, informou a companhia aérea.

Brasileira Azul lança empresa de aviação regional

12-08-2020 (20h37)

A companhia aérea brasileira Azul lançou na terça-feira uma nova subsidiária para o mercado de voos regionais, denominada Azul Conecta, que pretende chegar a 200 cidades nos próximos anos.

Portugal mantém-se no final de Julho a 8ª maior origem/destino de passageiros dos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (17h03)

Os aeroportos espanhóis contabilizaram 1,077 milhões de passageiros em voos de/para Portugal nos primeiros sete meses deste ano, o que mantém o país como 8ª maior origem/destino de passageiros, ainda que a pandemia tenha causado uma quebra em 66% ou 2,087 milhões.

Pandemia já tirou mais de 105 milhões de passageiros aos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (15h35)

Os aeroportos espanhóis tiveram em Julho quase sete milhões de passageiros, mas ainda assim ficaram 76,3% ou 22,4 milhões abaixo do mês homólogo de 2019, elevando a quebra desde o início do ano para 106,8 milhões (-67,9%), de acordo com os dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis recolhidos pelo PressTUR.

Opinião e Análise