Cabo Verde Airlines vai deixar de voar para Salvador a partir de 1 de Março

17-02-2020 (13h35)

Foto: Cabo Verde Airlines
Foto: Cabo Verde Airlines

A Cabo Verde Airlines (CVA) anunciou que a partir de 1 de Março vai suspender a rota entre a ilha do Sal e Salvador da Bahia, no Brasil, reestruturação justificada com novos destinos.

Em comunicado enviado à Lusa, a companhia cabo-verdiana, privatizada em Março de 2019 e que sucedeu à estatal TACV, referiu que “devido à expansão e lançamento de novos destinos em 2020 para a Europa e a África”, decidiu “reestruturar suas rotas aéreas suspendendo indefinidamente a rota Salvador da Bahia-Sal-Salvador da Bahia”, a partir de 1 de Março.

A companhia, agora controlada por investidores islandeses liderados pela Icelandair, também voa para Recife, Fortaleza e Porto Alegre, no Brasil, rotas que “continuarão com as operações normais”.

“Todos os passageiros afectados por cancelamentos serão acomodados em voos de Recife ou Fortaleza. Os passageiros que não aceitarem as opções de acomodação terão direito ao reembolso total de suas passagens, de acordo com o plano de protecção de passageiros da empresa”, acrescentou a nota.

A imprensa do estado brasileiro da Bahia referiu nas últimas horas a possibilidade de Salvador perder a ligação da CVA e que elementos do governo estadual estavam a tentar negociar com a companhia a reversão da decisão.

Em Março de 2019, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da então empresa pública TACV (Transportes Aéreos de Cabo Verde) por 1,3 milhões de euros à Lofleidir Cabo Verde, uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF (que ficou com 36% da CVA) e em 30% por empresários islandeses com experiência no sector da aviação (que assumiram os restantes 15% da quota de 51% privatizada).

A companhia garante ligações do arquipélago de Cabo Verde, com o ‘hub’ instalado na ilha do Sal, para Dakar, Lisboa, Paris, Milão, Roma, Boston, Washington, Lagos, além dos quatro destinos actuais no Brasil (Fortaleza, Recife, Salvador e Porto Alegre).

Novas rotas para Toronto (Canadá) e para o Porto (Portugal) foram hipóteses admitidas recentemente pela companhia área liderada desde este mês por Erlendur Svavarsson, que sucede a Jens Bjarnason, presidente da CVA no último ano.

A Lusa noticiou esta semana que o grupo Icelandair espera que a companhia aérea cabo-verdiana apresente resultados positivos em 2021, mas necessita de contrair um financiamento de longo prazo.

A informação consta do relatório com as demonstrações financeiras consolidadas do exercício de 2019 do grupo aéreo islandês, que através da sua participada Loftleidir Icelandic EHF controla, desde 1 de Março, directamente, 36% da CVA.

A Icelandair refere que de acordo com o plano de negócios da CVA, são esperados prejuízos “nos primeiros dois anos após a aquisição” e lucros em 2021. Ainda assim, e sem quantificar, o documento também aponta que os resultados operacionais da CVA no último trimestre de 2019 “ficaram abaixo das expectativas”.

“A CVA está à procura de financiamento de longo prazo. Se o financiamento de longo prazo não for garantido, isso poderá afectar negativamente a operação”, lê-se no relatório do grupo Icelandair, de 7 de Fevereiro, que identifica receitas oriundas da companhia de Cabo Verde no valor de 37,2 milhões de dólares (34 milhões de euros) e despesas de 1,1 milhão de dólares (um milhão de euros), em 2019.

O grupo insiste que vê a aposta na CVA como “um projecto de desenvolvimento de longo prazo” e que “acredita que há oportunidades” para transformar o país, através da companhia aérea, num ‘hub’ entre os continentes africano, americano e europeu, “e ao mesmo tempo desenvolver Cabo Verde como destino turístico”.

O Governo cabo-verdiano tem em curso o processo de venda de 10% das acções da CVA a trabalhadores e emigrantes e os 39% restantes por outros investidores, através da bolsa.

A Cabo Verde Airlines aumentou o número de passageiros transportados para quase 200.000 nos primeiros oito meses após o processo de privatização.

Os números foram avançados em Dezembro à agência Lusa por fonte oficial da companhia aérea cabo-verdiana e traduzem-se num crescimento de 85,4% do total de passageiros transportados, face ao mesmo período de 2018.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Universidade Europeia lança livro "Turismo e Hospitalidade de A a Z"

03-07-2020 (19h13)

A Universidade Europeia lançou o livro "Turismo e Hospitalidade de A a Z", que "aborda o turismo e a hospitalidade numa perspectiva multidisciplinar que permite apresentar um roteiro semântico" pela indústria do turismo.

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Neya Lisboa Hotel distinguido com um Energy Globe Award

03-07-2020 (18h47)

O Neya Lisboa Hotel, a primeira unidade do grupo Neya Hotels, foi distinguido com um Energy Globe Award, que destaca "projectos inovadores no sector da eficiência energética, energias renováveis e conservação de recursos em prol do ambiente".

Reino Unido declara Açores e Madeira destinos seguros, mas mantém quarentena obrigatória no regresso

03-07-2020 (18h06)

O Reino Unido anunciou hoje que Açores e Madeira deixaram de representar “um risco inaceitavelmente alto” para os viajantes britânicos, no mesmo dia em que revelou que Portugal está fora da lista de países para onde os ingleses podem viajar sem ter de cumprir 14 dias de quarentena no regresso.

Opinião e Análise