Companhia aérea brasileira Azul regista prejuízo de 450 milhões de euros no segundo trimestre

14-08-2020 (18h45)

Imagem: Embraer
Imagem: Embraer

A companhia aérea brasileira Azul registou um prejuízo de 2,9 mil milhões de reais (450 milhões de euros) no segundo trimestre de 2020, segundo balanço financeiro divulgado pela empresa.

O prejuízo foi provocado principalmente pela diminuição da operação durante a pandemia e pela desvalorização da moeda brasileira, o real.

As perdas registadas entre Abril e Junho contrastam com o lucro de 351,6 milhões de reais (55 milhões de euros) obtido em igual período de 2019.

“O segundo trimestre de 2020 foi, sem dúvida, o mais desafiante da história da aviação”, afirmou John Rodgerson, presidente da Azul, na informação divulgada.

“A paralisação da economia global desde a segunda quinzena de Março fez com que as viagens aéreas ao redor do mundo fossem severamente prejudicadas. No Brasil não foi diferente, e a procura de passageiros diminuiu 85% durante o segundo trimestre, ao passo que o real desvalorizou 38% ano contra ano, pressionando ainda mais os nossos custos”, acrescentou.

A receita consolidada da Azul no segundo trimestre do ano caiu 84,7% para 401,6 milhões de reais (62,7 milhões de euros), segundo as informações divulgadas pela empresa.

A maior queda foi a do serviço a passageiros, cuja facturação caiu 89%, para 282,5 milhões de reais (44,1 milhões de euros), com menos voos sendo oferecidos devido ao impacto da pandemia de Covid-19 na procura.

A geração de caixa, medida pelo resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA na sigla em inglês) registou resultado negativo de 324,3 milhões de reais (50,6 milhões de euros) no segundo trimestre face a um resultado positivo de 733,2 milhões de reais (114,6 milhões de euros) obtido no mesmo período do ano passado.

A dívida bruta total da Azul de Abril a Junho reduziu 5,8% para 18,9 mil milhões de reais (2,9 mil milhões de euros) face ao primeiro trimestre do ano, principalmente devido à redução de 10,5% no passivo de arrendamento como resultado das negociações do plano de recuperação da empresa, parcialmente compensado pela depreciação de 5,3% do real no final do período.

“Com a implementação do plano de recuperação, a companhia espera reduzir ainda mais os seus passivos de arrendamento para 12,5 mil milhões de reais [1,9 mil milhões de euros] até ao final de 2020, embora o real tenha desvalorizado mais de 35% desde o início da pandemia”, diz a companhia aérea brasileira no seu balanço financeiro.

A Azul também relatou perdas de 238,9 milhões de reais (37,3 milhões de euros) no segundo trimestre do ano relacionadas com a redução no valor da participação da empresa na companhia aérea portuguesa TAP, que informou terem sido parcialmente compensadas pela depreciação da moeda brasileira face ao euro no final do período.

Na segunda-feira, accionistas da Azul aprovaram a venda da participação da empresa na TAP ao Governo português.

Foram aprovadas a eliminação dos direitos de conversão em acções das obrigações relativas ao empréstimo da Azul à TAP, realizado em 2016, de 90 milhões de euros, e a alienação da posição da Global AzurAir Projects na TAP pelo "valor total de, ao menos", 10,5 milhões de euros.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Governo reforça Programa Valorizar com mais de 10 milhões de euros

29-09-2020 (17h22)

O Governo vai reforçar o Programa Valorizar, até ao final do ano, com uma dotação orçamental superior a 10 milhões de euros para dar continuidade a um instrumento de "sucesso" que já financiou "750 projectos turísticos".

Governo apoia mais 24 projectos turísticos no Ribatejo e no Alentejo

29-09-2020 (17h16)

O Governo oficializou o apoio a mais 24 projectos turísticos no Ribatejo e no Alentejo, num investimento superior a 6,8 milhões de euros, no âmbito do Programa Valorizar.

Venda de passagens da TAP resistiu melhor nas rotas de África, América do Norte e Brasil

29-09-2020 (17h04)

A TAP teve no primeiro semestre, que inclui os três meses de impacto mais drástico da pandemia de covid-19 nas viagens e turismo, uma quebra das vendas de voos em 57,2% ou 729,67 milhões de euros, com as rotas de África, da América do Norte e do Brasil a serem as que melhor resistiram, ainda assim com quebras acima de 40%.

TAP mostra que reduziu mais a capacidade que os seus ‘pares’

29-09-2020 (16h35)

A TAP indicou hoje que no primeiro semestre, em reacção ao impacto da pandemia nas viagens e turismo, reduziu a sua capacidade medida em ASK (lugares x quilómetros voados) em 82%, o que significa um ‘corte’ 14 pontos mais forte que a média dos voos de/para países europeus, em que a redução foi de 68%.

Custos operacionais da TAP caíram menos que receitas no primeiro semestre

29-09-2020 (16h33)

A TAP apresentou um prejuízo fiscal de 724,1 milhões de euros, que representa um agravamento de 581,7 milhões em relação ao período homólogo de 2019, nomeadamente por uma quebra de receitas operacionais em 55,4% ou 802,8 milhões, enquanto os gastos operacionais baixaram 30% ou 460,2 milhões.

Opinião e Análise