Espanha só admite passageiros do Reino Unido com certificado de vacinação

29-11-2021 (11h55)

Foto: Helloquence / Unsplash
Foto: Helloquence / Unsplash

Espanha só permitirá a entrada de passageiros procedentes do Reino Unido e da Irlanda do Norte com certificado de vacinação e não com testes negativos de covid-19 ou provas de superação da doença, após 1 de Dezembro.

A medida consta de uma disposição geral do Ministério do Interior que altera os critérios para a aplicação da restrição temporária de viagens não essenciais de países terceiros para a União Europeia e países do Espaço Schengen por razões de ordem pública e saúde pública devido à crise sanitária, publicada este Sábado no Boletim Oficial do Estado (BOE).

A resolução retira a Namíbia da lista de países terceiros, regiões administrativas especiais e outras entidades e autoridades territoriais cujos residentes estão isentos destas restrições "tendo em conta o facto de se encontrar entre os países relativamente aos quais os Estados-membros consideram adequado aumentar as precauções".

A lista de países não afetados por estas restrições inclui Argentina, Austrália, Bahrain, Canadá, Chile, Colômbia, Indonésia, Jordânia, Kuwait, Nova Zelândia, Peru, Qatar, Ruanda, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Uruguai e China, bem como as regiões de Hong Kong e Macau e Taiwan.

"O aparecimento de novas variantes do agente causador da doença torna necessário neste momento aumentar as restrições de viagem", argumenta o departamento chefiado por Fernando Grande-Marlaska na ordem em que suprime os testes de diagnóstico negativos ou os testes de recuperação como documentos válidos para o acesso a Espanha de pessoas provenientes do Reino Unido e da Irlanda do Norte.

Desta forma, a Espanha poderá recusar a entrada a viajantes destes países que não estejam "na posse de um certificado de vacinação que o Ministério da Saúde reconheça para este efeito, após verificação pelas autoridades sanitárias, bem como acompanhando menores a quem o Ministério da Saúde estenda os efeitos".

A disposição geral da ordem do Ministério do Interior, que foi alterada várias vezes desde a entrada em vigor em julho do ano passado, "produzirá efeitos" até às 24h00 de 31 de Dezembro de 2021, com exceção da exclusão da Namíbia da lista de países terceiros, que se encontra em vigor desde Sábado, dia 27.

(Notícia Lusa)

Ver também:

Espanha exige teste negativo para passageiros de sete países africanos

 

Clique para ver mais: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

PressTUR está a construir um novo site

14-01-2022 (15h05)

O PressTUR está a construir um novo site e espera apresentá-lo ao mercado em Março. Apresentamos as nossas desculpas pelos transtornos que esta situação possa causar. Subscreva a nossa newsletter para acompanhar as notícias e siga-nos no Facebook, LinkedIn e Twitter.

Estão abertas as inscrições para o 2ª edição do Check-In - Tourism Innovation on Campus

14-01-2022 (14h40)

A Nova School of Business and Economics (Nova SBE) anunciou que as inscrições para a 2ª edição do Check-In - Tourism Innovation on Campus estão abertas para startups até 6 de fevereiro.

ADHP promove Curso de Especialização em Direcção Hoteleira

14-01-2022 (11h59)

A Associação dos Directores de Hotéis de Portugal (ADHP) vai promover a próxima edição do Curso de Especialização em Direcção Hoteleira (CEDH), entre 2 de Fevereiro e 31 de Maio de 2022, actualizando o conteúdo com cinco novos módulos.

ONU melhora crescimento em África em 2021 para 3,8% e estima 4% este ano

14-01-2022 (11h26)

O Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais (UNDESA) melhorou a estimativa de crescimento para as economias africanas, antevendo uma expansão de 3,8% no ano passado e uma aceleração para 4% este ano.

Hong Kong proíbe trânsito de passageiros aéreos de 153 países, Portugal incluído

14-01-2022 (11h22)

O aeroporto de Hong Kong anunciou hoje a proibição do trânsito de passageiros de mais de 150 países a partir de Domingo, Portugal incluído, de forma a evitar a propagação da covid-19.

Opinião e Análise