Ethiopian Airlines perdeu receitas na ordem dos 504 milhões de euros

08-04-2020 (18h03)

Foto: Ethiopian Airlines
Foto: Ethiopian Airlines

A Ethiopian Airlines, a maior transportadora aérea de África e propriedade do estado etíope, encerrou a maior parte as suas linhas comerciais desde o início da pandemia do novo coronavírus, e perdeu 504 milhões de euros em receitas.

“Até agora, a Ethiopian Airlines perdeu receitas de 550 milhões de dólares [504 milhões de euros], incluindo o mês de Abril”, afirmou Tewolde Gebremariam, presidente executivo da companhia, durante uma conferência de imprensa, na capital etíope, em Adis Abeba.

Salientou que a empresa enfrente “uma grave crise financeira, operacional e comercial”.

Nas últimas semanas, a Ethiopian Airlines distribuiu equipamento médico no continente africano e repatriou voluntários norte-americanos e cidadãos asiáticos trabalhadores em navios de cruzeiro acostados nos EUA, segundo Tewolde.

Para enfrentar esta crise, adiantou o dirigente da empresa, a transportadora aérea vai concentrar os seus esforços no frete, designadamente no fornecimento de material médico, o que pode implicar a retirada de lugares de passageiros em alguns dos seus aviões.

Esta actividade apenas representa por enquanto 15% das receitas da transportadora, reconheceu.

A Ethiopian Airlines só mantém voos para 19 dos 110 destinos para onde operava antes da crise.

Tewolde declarou-se confiante na capacidade da empresa, que é propriedade do Estado etíope, de resistir à conjuntura sem ter de despedir qualquer dos seus 13 mil trabalhadores regulares.

Mas não excluiu a necessidade de uma ajuda financeira externa para se manter a funcionar. “O nosso plano é resistir e superar esta crise sozinhos, mas se infelizmente esta se prolongar além do que se pensa, então teremos de a solicitar", comentou.

Desde o início da pandemia que a Ethiopian Airlines manteve os seus voos para a China e continua a voar para EUA, Europa e Ásia.

Tewolde disse ainda que três dos empregados da companhia testaram positivos à covid-19, apesar das medidas de protecção tomadas.

A Etiópia, segundo país mais povoado do continente africano, com cerca de 100 milhões de habitantes, conta oficialmente 52 casos de coronavirus, mas fez um número muito restrito de testes.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Brussels Airlines planeia retomar 30% dos seus voos na Europa e 40% dos de longo curso entre Junho e Agosto

25-05-2020 (15h50)

A Brussels Airlines vai voltar a operar para 59 destinos, que representam 30% dos voos programados para o Verão na Europa e 40% dos de longo curso, entre os meses de Junho e Agosto, e espera ter 50% da operação total no final do ano.

TAP já tem calendário de ‘desconfinamento’ com retoma ‘a sério’ a partir de 1 de Julho

25-05-2020 (15h48)

A operação da TAP só vai realmente ‘descolar' a partir de 1 de Julho, de acordo com o calendário divulgado pela companhia, que mostra ter previsto manter 11 voos por semana até ao fim deste mês, aumentar para 27 no mês de Junho e atingir um total de 247 a partir de 1 de Julho.

Incêndio na aerogare da Graciosa afectou apenas a zona de cargas

25-05-2020 (14h51)

O Governo dos Açores está a avaliar os danos na aerogare da ilha Graciosa após um incêndio registado no local no Domingo, que terá afectado apenas a zona de cargas.

Casa das Pipas reabre enoturismo a 1 de Junho

25-05-2020 (13h46)

A Casa das Pipas, em Celeirós do Douro no concelho de Sabrosa, vai voltar a receber hóspedes a partir de 1 de Junho, com a implementação de novas regras sanitárias.

PortoBay Falésia reabre a 9 de Junho com um terço da capacidade

25-05-2020 (13h36)

O Hotel PortoBay Falésia, em Olhos d'Água, no Algarve, vai reabrir no dia 9 de Junho com um terço da capacidade para assegurar "mais espaço nas suas facilidades".

Opinião e Análise