Ethiopian Airlines perdeu receitas na ordem dos 504 milhões de euros

08-04-2020 (18h03)

Foto: Ethiopian Airlines
Foto: Ethiopian Airlines

A Ethiopian Airlines, a maior transportadora aérea de África e propriedade do estado etíope, encerrou a maior parte as suas linhas comerciais desde o início da pandemia do novo coronavírus, e perdeu 504 milhões de euros em receitas.

“Até agora, a Ethiopian Airlines perdeu receitas de 550 milhões de dólares [504 milhões de euros], incluindo o mês de Abril”, afirmou Tewolde Gebremariam, presidente executivo da companhia, durante uma conferência de imprensa, na capital etíope, em Adis Abeba.

Salientou que a empresa enfrente “uma grave crise financeira, operacional e comercial”.

Nas últimas semanas, a Ethiopian Airlines distribuiu equipamento médico no continente africano e repatriou voluntários norte-americanos e cidadãos asiáticos trabalhadores em navios de cruzeiro acostados nos EUA, segundo Tewolde.

Para enfrentar esta crise, adiantou o dirigente da empresa, a transportadora aérea vai concentrar os seus esforços no frete, designadamente no fornecimento de material médico, o que pode implicar a retirada de lugares de passageiros em alguns dos seus aviões.

Esta actividade apenas representa por enquanto 15% das receitas da transportadora, reconheceu.

A Ethiopian Airlines só mantém voos para 19 dos 110 destinos para onde operava antes da crise.

Tewolde declarou-se confiante na capacidade da empresa, que é propriedade do Estado etíope, de resistir à conjuntura sem ter de despedir qualquer dos seus 13 mil trabalhadores regulares.

Mas não excluiu a necessidade de uma ajuda financeira externa para se manter a funcionar. “O nosso plano é resistir e superar esta crise sozinhos, mas se infelizmente esta se prolongar além do que se pensa, então teremos de a solicitar", comentou.

Desde o início da pandemia que a Ethiopian Airlines manteve os seus voos para a China e continua a voar para EUA, Europa e Ásia.

Tewolde disse ainda que três dos empregados da companhia testaram positivos à covid-19, apesar das medidas de protecção tomadas.

A Etiópia, segundo país mais povoado do continente africano, com cerca de 100 milhões de habitantes, conta oficialmente 52 casos de coronavirus, mas fez um número muito restrito de testes.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air France KLM diz que em Junho verificou os primeiros sinais “visíveis” de recuperação das reservas de voos

30-07-2021 (15h31)

O grupo Air France KLM, terceiro maior da aviação na Europa, informou hoje que considera que em Junho, pela primeira vez desde o início da pandemia do covid-19, foram “visíveis” os sinais de recuperação das reservas de voos.

Turismo de Portugal abre 13 centros para promover “capacitação digital”

30-07-2021 (15h25)

O Turismo de Portugal anunciou hoje a abertura de 13 centros “EUSOUDIGITAL”, com o objectivo de “promover a capacitação digital dos portugueses e em particular do sector turístico”, segundo um comunicado.

Reino Unido voltou em Junho a ser o maior emissor turístico para o alojamento turístico português

30-07-2021 (14h58)

As dormidas de turistas britânicos no alojamento turístico português acentuaram a recuperação em Junho, mês em que representaram 9,4% das pernoitas de estrangeiros, quando um ano antes não passavam de 1,2%.

Pandemia de covid-19 ‘bate’ mais fortemente nas três maiores regiões turísticas portuguesas

30-07-2021 (14h30)

Lisboa, Algarve e Madeira, as três maiores regiões turísticas portuguesas, são as que têm este primeiro semestre de 2021 as quebras mais fortes de dormidas no alojamento turístico em relação ao período homólogo de 2019, pré-pandemia.

Ryanair prolonga ligações entre Faro e Newcastle para o Inverno

30-07-2021 (13h18)

A Ryanair anunciou que vai manter durante o Inverno as suas ligações entre Faro, no Algarve, e Newcastle, em Inglaterra, com dois voos por semana.

Opinião e Análise