EUA subiram em Junho a maior mercado fora da Europa para a hotelaria portuguesa

14-08-2019 (17h00)

Os turistas residentes nos Estados Unidos foram no mês de Junho os não europeus que fizeram mais dormidas na hotelaria portuguesa, ultrapassando os brasileiros, e cotaram-se como o 5º principal emissor internacional, a seguir a Reino Unido, Alemanha, França e Espanha.

Os dados divulgados hoje pelo INE indicam que os Estados Unidos foram, de facto, o emissor para Portugal com maior aumento de dormidas na hotelaria no mês de Junho, com mais 63,3 mil, fruto de um aumento do número de turistas em 18,5% ou 21,4 mil e, simultaneamente, de uma subida do seu tempo médio de permanência no país em 5,5%, para 2,3 noites.

Desta forma a hotelaria portuguesa teve em Junho mais dormidas de turistas residentes nos Estados Unidos do que de turistas residentes no Brasil, embora o número destes até tenha aumentado mais (22,9 mil ou +21,8%), mas com descida do seu tempo médio de permanência em 3,3%, para 2,2 noites, o que acarretou que em dormidas tivessem ‘apenas’ mais 42,6 mil que em Junho de 2018.

O Brasil foi ainda assim o segundo mercado internacional com maior aumento de dormidas em Junho, somando 283,6 mil, que foi o 6º maior total do mês, imediatamente a seguir aos Estados Unidos e à frente de emissores tradicionalmente fortes nesta época do ano como os Países Baixos e a Irlanda.

Os dados divulgados hoje pelo INE indicam que o alojamento turístico português teve este Junho mais 379,1 mil dormidas (+5,6%, para 7,12 milhões) que no mês homólogo d 2018, com o maior contributo a ser dado pelo mercado dos residentes em Portugal, que gerou mais 222,6 mil dormidas que há um ano (+11,6%, para 2,13 milhões).

O aumento de pernoitas de turistas residentes no estrangeiro foi em 156,4 mil (+3,2%, para 4,98 milhões), com o crescimento a ser contido principalmente pelas quebras de pernoitas de três dos quatro maiores emissores, o Reino Unido, com menos 14,5 mil (-1,3%, para 1,09 milhões), a Alemanha, com menos 22,7 mil (-3,7%, para 599,8 mil), e França, com menos 26,8 mil (-5,6%, para 449,99 mil).

Espanha foi assim o único dos principais emissores europeus para a hotelaria portuguesa a registar crescimento em Junho, com um aumento de 34,5 mil dormidas (+9,3%, para 406,2 mil).

Dos restantes maiores emissores para a hotelaria portuguesa, sobressaíram em Junho a quebra de dormidas de turistas residentes nos Países Baixos, com menos 25,3 mil que há um ano (-9,6%, para 238,7 mil), e o aumento de 14 mil pernoitas de residentes no Canadá (+17,5%, para 94,1 mil). 

Para ler mais clique:

Portugueses, espanhóis, brasileiros e americanos proporcionam melhor Junho de sempre em número de clientes

Turistas vêm mais a Portugal, mas ficam cada vez menos tempo

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Universidade Europeia lança livro "Turismo e Hospitalidade de A a Z"

03-07-2020 (19h13)

A Universidade Europeia lançou o livro "Turismo e Hospitalidade de A a Z", que "aborda o turismo e a hospitalidade numa perspectiva multidisciplinar que permite apresentar um roteiro semântico" pela indústria do turismo.

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Neya Lisboa Hotel distinguido com um Energy Globe Award

03-07-2020 (18h47)

O Neya Lisboa Hotel, a primeira unidade do grupo Neya Hotels, foi distinguido com um Energy Globe Award, que destaca "projectos inovadores no sector da eficiência energética, energias renováveis e conservação de recursos em prol do ambiente".

Reino Unido declara Açores e Madeira destinos seguros, mas mantém quarentena obrigatória no regresso

03-07-2020 (18h06)

O Reino Unido anunciou hoje que Açores e Madeira deixaram de representar “um risco inaceitavelmente alto” para os viajantes britânicos, no mesmo dia em que revelou que Portugal está fora da lista de países para onde os ingleses podem viajar sem ter de cumprir 14 dias de quarentena no regresso.

Opinião e Análise