euroAtlantic admite sair da STP Airways, mas não empurrada, Tomaz Metello

11-06-2019 (17h47)

O fundador e presidente da Administração da euroAtlantic Airways, Tomaz Metello, admitiu hoje em declarações à Agência Lusa que a empresa deixe de ser accionista da companhia são-tomense STP Airways, mas quando entender.

“É falso dizer que a euroAtlantic vai sair [de São Tomé e Príncipe] e que o contrato acabou, é mentira. Se quisermos, continuamos a voar porque o acordo aéreo autoriza qualquer companhia lá”, afirmou Tomaz Metello.

As declarações do presidente do conselho de administração e accionista único da euroAtlantic Airways (EEA) surgem depois de o Governo são-tomense ter anunciado a intenção de terminar em Outubro o acordo para a gestão da STP Airways, abrindo a porta a novos parceiros (clique para ler: Governo de São Tomé anuncia que STP Airways vai deixar de ter voos para Lisboa com a sua accionista euroAtlantic).

A euroAtlantic tem 40% do capital e a responsabilidade pela gestão da STP Airways, tendo igualmente um contrato para a realização dos voos da são-tomense para Portugal em regime de ACMI (aluguer que inclui avião, tripulação, manutenção e seguros) e de concessão do handling, operação que o Governo são-tomense lhe quer retirar.

Tomaz Metello explicou à agência Lusa que a concessão dos serviços de handling foi a condição para a empresa entrar no capital e na gestão da STP Airways, assegurando que sem esta operação não tem interesse em continuar a gerir a empresa são-tomense.

A intenção de separar o handling da restante operação remonta ao anterior Governo, do primeiro-ministro Patrice Trovoada, que concordou, entretanto, prolongar até 2020 a concessão para permitir um compromisso entre as partes.

“Este Governo, antes mesmo do limite da data de concessão, disse-nos: vocês vão ficar sem o handling, vamos chegar aqui a um acordo”, adiantou Tomaz Metello.

O empresário sublinha que, no entanto, uma saída de euroAtlantic do capital da STP Airways tem de ter a concordância do maior accionista, a própria euroAtlantic, e implica a alteração dos estatutos da empresa.

Por outro lado, acrescentou, “mesmo que tenham a STP Airways com outros parceiros quaisquer, podemos continuar a voar como euroAtlantic, como aliás fizemos no início”.

“Antes de existir a STP Airways, nós já voávamos para lá”, reforçou.

Tomaz Metello admite dar o aval à mudança dos estatutos para sair da gestão da companhia são-tomense de aviação, mas põe como condição que lhe seja paga uma dívida de cerca de 600 mil euros, que tem mais de uma década.

“A outra opção é acabar com a STP Airways e, nesse caso, têm que dividir [pelos accionistas] o dinheiro [que está na empresa] e que é mais de 4,5 milhões de euros”, correspondendo os 40% de acções a 1,8 milhões, disse.

Tomaz Metello diz que foi surpreendido com a decisão anunciada nos meios de comunicação social pelo ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas e Recursos Naturais de São Tomé, Osvaldo Abreu, de terminar o contrato em Outubro, e lamentou que, com todos os governos com que já lidaram, só este tenha imposto esta situação.

“Tomou esta decisão e deu esta informação sem o nosso aval e nós saímos quando quisermos. Poderemos eventualmente sair porque achamos que não conseguimos rentabilizar [a empresa] sem o handling, mas somos nós que queremos sair e não eles que nos mandam embora”, garantiu.

De acordo com Osvaldo Abreu, “houve um pedido para a extensão” da concessão do handling e o Governo de São Tomé e Príncipe achou que, neste momento, “não havia condições” para essa extensão.

“A empresa achou que sem a anuência desta solicitação não teria as condições para continuar a operar com a STP Airways”, acrescentou o ministro.

Tomaz Metello assegura que não houve qualquer novo pedido de extensão e que existe um contrato que devia vigorar até 2020 e que o Governo quer acabar já este ano.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: euroAtlantic

Clique para ver mais: STP Airways

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Plano de reestruturação da SAA implica despedimentos e criação de nova empresa

16-07-2020 (13h36)

Os credores da falida companhia aérea sul-africana SAA aprovaram um plano de reestruturação, que resultará em cortes de empregos e na criação de uma nova empresa a partir das ruínas da empresa, anunciou o Ministério das Empresas Públicas.

Delta Airlines regista prejuízo de 5.475 milhões de euros no primeiro semestre

16-07-2020 (13h06)

A companhia aérea norte-americana Delta Airlines anunciou hoje que registou perdas de 6.251 milhões de dólares, cerca de 5.475 milhões de euros, no primeiro semestre de 2020, face ao lucro de 2.173 milhões de dólares, cerca de 1.903 milhões de euros que obteve no mesmo período de 2019.

Justiça decreta falência da companhia aérea Avianca Brasil

16-07-2020 (12h24)

A Justiça brasileira decretou na terça-feira a falência da companhia aérea Avianca Brasil, com dívidas de 2,7 mil milhões de reais (440 milhões de euros), na sequência do fracasso das negociações com credores.

American Airlines avisa trabalhadores que podem perder emprego em Outubro

16-07-2020 (11h45)

Os dirigentes da American Airlines escreveram aos 25 mil trabalhadores da transportadora aérea para lhes comunicar que o seu emprego pode desaparecer em Outubro, devido à queda da procura de viagens aéreas.

Pousadas de Juventude em reabrem após meses a apoiar combate à pandemia

16-07-2020 (11h34)

As Pousadas de Juventude reabriram ontem ao público com um conjunto de regras definidas com a ajuda das autoridades da saúde, após um período em que estiveram a apoiar o combate à pandemia.

Opinião e Análise