Gastos de turistas estrangeiros em Portugal ainda ficarão em 2023 abaixo de 2019

15-12-2020 (11h08)

Em 2023, as exportações portuguesas de turismo, ou receitas turísticas, que são o somatório dos gastos de turistas estrangeiros no país, incluindo todo o tipo de bens e serviços mesmo que não turísticos, “encontram-se ainda abaixo de 2019”, de acordo com a previsão divulgada ontem pelo Banco de Portugal.

As “Projecções para a economia portuguesa: 2020-23” divulgadas ontem pelo banco central português confirmam o turismo como o sector mais penalizado pela crise despoletada pela pandemia de covid-19, bem como o que mais tardará a retomar o nível de actividade que tinha em 2019.

“A recuperação do PIB será gradual e diferenciada entre sectores, sendo mais lenta em actividades ligadas ao turismo, cultura e entretenimento”, diz o banco central, que prevê que o PIB português “deverá retomar o nível pré-pandemia no final de 2022”, enquanto para o turismo especifica que no final do horizonte da sua projecção, em 2023, “as exportações de turismo encontram-se ainda abaixo de 2019”.

E na perspectiva do banco central, o impacto dessa evolução previsível não se cinge ao turismo, pois, diz, prevê uma “recuperação mais lenta das exportações devido à evolução dos fluxos de turismo”, que, refere, “representavam 8,6% do PIB em 2019, o quarto valor mais elevado na área do euro”.

O banco central diz na sua informação sobre este ano que “as exportações de turismo são a componente do PIB com a queda mais acentuada (-56,6%),  explicando metade da redução das exportações totais”, que compara com uma queda em 8,4% das exportações de bens.

A informação do banco central refere ainda acerca das compras por turistas estrangeiros que “os valores movimentados com cartões estrangeiros em ATM/POS em Portugal apresentam reduções em torno de 50% desde meados de Setembro, interrompendo a trajectória de melhoria observada desde Maio”.

A justificar as suas previsões, o banco central diz que “no cenário severo, a necessidade de imposição de medidas adicionais de contenção e a redução da confiança dos agentes económicos têm um impacto negativo sobre a actividade económica”, o que leva a que a recuperação seja “mais fraca e prolongada”, bem como “implica um aumento das fricções financeiras, que se reflecte nos custos de financiamento dos agentes privados”.

Além dessas pressões, o banco central diz prever que “as pressões descendentes sobre os preços continuarão a prevalecer em 2021, reflectindo a subutilização dos recursos produtivos e a procura contida, em particular nos sectores ligados ao turismo”.

O banco avisa que no seu “cenário severo” que “o mercado de trabalho é particularmente afectado” apontando para uma subida da taxa de desemprego para 10% no próximo ano e uma “evolução mais desfavorável da procura externa”.

E acrescenta: “Este enquadramento implica uma recuperação do consumo privado, do investimento e das exportações mais lenta do que a antecipada no cenário base, em particular das exportações de turismo” e especifica que antecipa nesse cenários crescimento do PIB em 1,3% em 2021, 3,1% em 2022 e em 2023 converge para uma taxa de crescimento próxima do cenário base, referindo que “no final do horizonte de projecção, o PIB permanece cerca de 2% abaixo do final de 2019”.

 

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

NCL tem “Portugal no radar como mercado emissor e como destino”

23-02-2021 (19h29)

A Norwegian Cruise Line (NCL), que antes da pandemia de covid-19 estava a investir em Portugal como destino e mercado emissor para os seus cruzeiros, vai continuar a investir no seu crescimento no país, anunciaram hoje os directores da companhia Kevin Bubolz e Jürgen Stille numa conferência de imprensa online.

Agências de viagens e operadores já têm linha de cem milhões para reembolsarem clientes

23-02-2021 (18h45)

O Ministério da Economia anunciou que desde hoje as agências de viagens e operadores turísticos já dispõem de uma linha de crédito para poderem reembolsar clientes que, devido aos impactos da covid-19, ficaram sem as viagens que pagaram.

Quantum of the Seas vai ficar mais três meses em Singapura

23-02-2021 (18h29)

O Quantum of the Seas, embarcação da companhia de cruzeiros Royal Caribbean, vai prolongar a sua temporada em Singapura, onde está a fazer cruzeiros de duas, três e quatro noites, por mais três meses.

ECTAA quer acção das instituições europeias para travar atrasos nos reembolsos de viagens

23-02-2021 (18h24)

A ECTAA, organização que junta as associações de agências de viagens e operadores turísticos da Europa, quer que as instituições europeias actuem no sentido de obrigar as companhias de aviação a reembolsarem pelos voos não realizados pelos impactos da pandemia de covid-19.

Marriott já tem novo CEO

23-02-2021 (18h10)

A Marriott, maior rede hoteleira do mundo, anunciou a escolha de Anthony Capuano, um veterano com mais de 25 anos na companhia que era presidente para o desenvolvimento global, design e operações, para substituir o falecido Arne Sorenson à frente da gestão executiva.

Opinião e Análise