Governo de Macau vai realizar consulta pública sobre nova lei do jogo

27-04-2020 (15h50)

O Governo de Macau vai realizar uma consulta pública sobre a nova lei do jogo, antes do lançamento do novo concurso para obtenção das licenças, que terminam em Junho de 2022, foi hoje anunciado.

"Iremos auscultar as opiniões da sociedade, lançando em tempo oportuno toda a documentação para a realização da consulta pública respectiva, recolhendo opiniões e conjugando ideias construtivas para a elaboração da nova lei do jogo", disse o secretário para a Economia e Finanças na apresentação das Linhas de Acção Governativa para 2020 para a área, na Assembleia Legislativa.

Aos deputados, Lei Wai Nong prometeu a realização da consulta pública até final do ano, tendo em conta também "elementos relacionados com as actividades correlativas não jogo, responsabilidade social das concessionárias de jogos, apoio prestado pelas concessionárias de jogo a favor das PME [Pequenas e Médias Empresas] e das microempresas, entre outras".

Em 2002, o Governo de Macau celebrou contratos de concessão para a exploração de jogos de fortuna ou azar, que terminam em Junho de 2022, com a Sociedade de Jogos de Macau (SJM), fundada pelo magnata Stanley Ho, a Galaxy Casino e a Wynn Resorts Macau para a atribuição de três concessões.
Em Dezembro daquele ano foi feita uma alteração ao contrato de concessão do Galaxy Casino, na qual foi permitida à Venetian Macau explorar jogos de fortuna ou azar no território, mediante subconcessão.

A SJM e a Wynn vieram também a assinar contratos de subconcessão com a MGM e a Melco Resorts, respectivamente.

A Venetian pertence à Sands China, que é uma sucursal da norte-americana Las Vegas Sands. A Wynn e a MGM são também grupos empresariais com maioria de capital norte-americano.

Devido à epidemia da covid-19, surgida no centro da China em Dezembro passado, o Governo de Macau decidiu fechar os casinos durante 15 dias em Fevereiro, o que resultou numa descida de 60% das receitas brutas do setor do jogo no primeiro trimestre deste ano, em relação a igual período de 2019.
A economia em Macau practicamente paralisou então, o que levou o Governo a avançar com apoios à população e às empresas.

Macau registou um total de 45 infectados desde o início do surto do novo coronavírus, em 22 de janeiro.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Ásia & Pacífico

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Kimpton St Honoré Paris vai ser inaugurado na Primavera

22-01-2021 (17h39)

O Kimpton St Honoré Paris, no edifício Art Noveau da antiga loja de luxo Samaritaine de Luxe, na Avenue des Capucines, em Paris, vai ser inaugurado nesta Primavera de 2021.

TAP foi a companhia que mais aumentou a quota do transporte aéreo de passageiros de/para o Brasil em Dezembro

22-01-2021 (17h05)

A TAP atingiu em Dezembro uma quota de 12,5% do transporte aéreo internacional de passageiros de/para o Brasil, em alta de 5,1 pontos relativamente ao mês homólogo de 2019, de acordo com dados da autoridade aeronáutica brasileira (ANAC).

Passageiros de zonas muito perigosas na UE obrigados a teste antes de viagens

22-01-2021 (16h43)

Os líderes europeus decidiram manter abertas as fronteiras internas da União Europeia (UE), mas reforçando as medidas de contenção da covid-19, passando a ser obrigatório que passageiros de novas zonas consideradas muito perigosas tenham de apresentar testes negativos.

Empresas que acederam a incentivo à normalização podem pedir apoio à retoma a partir de Fevereiro

22-01-2021 (16h22)

As empresas que acederam ao incentivo à normalização da actividade podem recorrer, a partir de Fevereiro, ao apoio à retoma, sem terem de devolver os apoios já recebidos, clarificou o Governo.

França vai exigir testes negativos de covid-19 a todos os visitantes

22-01-2021 (16h15)

O Presidente de França, Emmanuel Macron, anunciou que a partir de Domingo vai passar a exigir aos visitantes procedentes de países da União Europeia testes PCR à covid-19 com resultado negativo, tal como já é exigido aos visitantes de fora do bloco europeu.

Opinião e Análise