Hotelaria e restauração reclamam apoios adicionais para reabrirem

30-04-2020 (16h13)

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertou que sem medidas adicionais de apoio ao sector muitas empresas “não terão condições para reabrir” dados os “grandes constrangimentos” iniciais com que terão de laborar.

“Se não tivermos apoios, há muitas empresas que não vão ter condições para reabrir, porque não o vão fazer para ter prejuízo. Sabendo nós que vamos reabrir numa situação extraordinária e com grandes constrangimentos, se não formos apoiados será muito difícil manter os postos de trabalho e as empresas abertas”, avisou a secretária-geral da AHRESP num webinar para debater Problemas e Soluções para o canal Horeca [hotelaria, restauração e cafetarias] no contexto do surto de covid-19.

Conforme salientou Ana Jacinto, “a AHRESP percebeu desde a primeira hora que esta pandemia iria ter um impacto tremendo nos sectores que representa”, tendo-se entretanto confirmado um “cenário verdadeiramente preocupante”, em que se impõem “medidas robustas para que empresas consigam sobreviver e tenham condições para reabrir”.

“Obviamente que o Governo tem de criar linhas de apoio específicas para este sector, na defesa dos postos de trabalho. Chamemos-lhe lay-off simplificado 2 ou outra coisa, tem que haver um regime para assegurar a manutenção dos postos de trabalho [no período pós-reabertura], porque um estabelecimento que está parcialmente encerrado terá diferenças nas suas vendas e receitas”, afirmou, por sua vez, o primeiro vice-presidente da associação.

Segundo Carlos Moura, impõe-se também “uma linha de financiamento aos equipamentos de protecção individual” que os estabelecimentos terão que adquirir de forma a poderem laborar, assim como “um reforço nas medidas de liquidez, porque as empresas não pagam só salários, têm uma série de compromissos que têm de ver satisfeitos”.

“Num sector que está encerrado desde o dia 22 de Março e que vai continuar a estar parcialmente encerrado, há medidas específicas que têm de ser tomadas para proteger a saúde das empresas e para conservar os postos de trabalho”, sustentou, salientando estarem em causa 320 mil postos de trabalho.

Entre as medidas adicionais reclamadas, a secretária-geral Ana Jacinto destacou a necessidade de “estender o regime do lay-off, ou outra medida similar”, ao período posterior à reabertura dos estabelecimentos.

Conforme explicou, “as empresas quando reabrirem não o poderão fazer com a máxima capacidade, não terão muitos clientes e não terão todas as suas equipas a trabalhar em simultâneo, de forma a manter o distanciamento”.

Desta forma, salientou, os estabelecimentos “não vão poder utilizar todos os seus colaboradores”, cujos postos de trabalho é, contudo, preciso continuar a assegurar.

Outro dos “ajustamentos” reclamados pela AHRESP ao actual regime de lay-off é o aumento da comparticipação da Segurança Social, “porque se as empresas estão encerradas e não facturam, é muito difícil no final do mês terem os 30% [que agora lhes são exigidos] disponíveis para suportar a parte que lhes compete” nos salários dos trabalhadores.

Adicionalmente, a associação defende o alargamento do lay-off aos sócios-gerentes, medida que considera “mais do que justa” dado o “tecido empresarial muito micro” dominante em Portugal, e reclama a criação de “apoios à tesouraria” das empresas, criticando que as todas medidas de financiamento até agora disponibilizadas passem por “criar mais endividamento”.

Outro problema que a AHRESP considera “muito preocupante” é o das rendas dos estabelecimentos encerrados, defendendo que durante o período de emergência vigorasse uma isenção e não uma moratória no pagamento destas prestações, “nem que para isso depois tivessem que prolongar o contrato e pagar as rendas mais tarde, como foi feito em Espanha”.

“Nós não estamos a criar condições para as empresas sobreviverem, estamos a fazer alívios temporários que depois são pagos com custos avultados, numa reabertura que já vai ser muito condicionada e com muito poucas receitas. Continuamos a trabalhar no sentido de se criarem isenções e não moratórias e de se injectar dinheiro a fundo perdido nas empresas”, sustentou Ana Jacinto.

Relativamente ao guia de boas práticas desenvolvido pela AHRESP para orientar a reabertura dos estabelecimentos, e que a associação espera que fique “fechado já esta semana”, a secretária-geral da associação garante que prevê medidas “muito fáceis de executar”, grande parte das quais “as empresas já cumprem e só terão de intensificar”.

“Muitos empresários já estão a fazer compras de acrílicos e de termómetros, mas é preciso que tenham calma e não façam aquisições nem tomem decisões precipitadas. A matéria dos medidores de temperatura ainda nem está totalmente tratada, ainda tem de ser legislada e da nossa parte nem sequer consta do guia”, referiu Ana Jacinto.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Acidente com avião da Air India Express provocou pelo menos 16 mortos

08-08-2020 (09h18)

As autoridades indianas subiram para 16 o número de mortos no acidente com um avião da Air India Express à aterragem num aeroporto do Sul do país sob chuva torrencial.

Avião da Air India Express despenha-se ao aterrar no Sul da Índia e parte-se em dois

07-08-2020 (18h00)

Um avião comercial com 191 pessoas a bordo saiu hoje da pista e partiu-se em dois ao aterrar num aeroporto do Sul da Índia com chuva torrencial, indicaram as autoridades indianas e a imprensa local.

Tourism Explorers regressa a Setúbal para encontrar empreendedores

07-08-2020 (17h29)

O programa nacional de criação e aceleração de startups na área do turismo, Tourism Explorers, vai regressar a Setúbal para apostar “na capacitação de empreendedores”, informou o Instituto Politécnico de Setúbal (IPS).

Royal Caribbean prolonga suspensão de operações até final de Outubro

07-08-2020 (17h21)

O grupo Royal Caribbean anunciou que decidiu estender a suspensão das suas partidas até 31 de Outubro deste ano, com excepção dos embarques da China e da Austrália.

Vila Galé abre hotel na capital económica do Brasil no dia 20

07-08-2020 (14h06)

A Vila Galé Hotels, segunda maior rede hoteleira portuguesa e nº 1 no Brasil em resorts de praia, marcou para dia 20 a sua ‘chegada’ a São Paulo, capital económica brasileira, com um hotel ‘focado’ em pintura na rua Bela Cintra.

Opinião e Análise