AHP classifica de “absurdo” manter hotéis abertos sem poderem prestar serviços

15-01-2021 (17h52)

O presidente da AHP - Associação da Hotelaria de Portugal considera “lamentável” que, vistas as limitações impostas, o Governo não tenha decretado o encerramento dos hotéis para que pudessem aceder ao regime de lay-off simplificado.

“É lamentável que, vistas estas severas limitações, e mais ainda o encerramento de todos os equipamentos e serviços, o Governo não tenha pura e simplesmente determinado o encerramento dos hotéis permitindo-lhes aceder ao regime de lay-off simplificado como as demais atividades económicas cujo encerramento foi determinado, até porque estas medidas trazem outros custos económico-financeiros para as empresas”, diz uma declaração de Raul Martins, citada em comunicado da Associação.

Em causa está a decisão do Governo de que bares e restaurantes de hotel só podem funcionar para entrega nos quartos dos hóspedes (room service) ou para disponibilização de refeições ou produtos embalados à porta dos hotéis (take-away), como acontece nos restaurantes e cafés.

A AHP, porém, considera “incompreensível que os hotéis não possam prestar serviço de refeições aos hóspedes, como até aqui” e acrescenta que a maioria das equipas da hotelaria já estão em lay-off, “havendo redução substancial dos trabalhadores, pelo que não há sequer capacidade para prestar o serviço em room service, como é agora indicado pela lei”.

“Manter as unidades abertas sem poder prestar serviços é absurdo”, enfatizou o dirigente, que lamenta que a Associação não tenha sido consultada antes da imposição das novas medidas para a contenção da covid-19.

“Teríamos esclarecido que a maioria dos hotéis não tem room service (apenas nas unidades de cinco e de quatro estrelas, estas com limitações)” e “podíamos ter informado o Governo que a pouca ocupação da hotelaria é com pessoas que estão em teletrabalho ou por razões de índole profissional”, frisou Raul Martins, acrescentando que teria ainda “esclarecido que os poucos empregados de mesa que ainda estão a trabalhar não são trabalhadores que fazem room service”.

A imposição destas medidas implica, segundo Raul Martins, “compensações a fundo perdido, o reforço e alargamento dos apoios financeiros às empresas e uma via-verde para o acesso às medidas de lay-off simplificado”.

 

Clique para ver mais: AHP

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

voco Hotels vai inaugurar dois hotéis na Escócia

25-02-2021 (18h19)

A marca voco Hotels, da IHG Hotels & Resorts, vai inaugurar dois hotéis na Escócia, nas cidades de Edimburgo e Glasgow.

Grupo Barceló vai inaugurar hotéis na Madeira e nos Açores em 2021

25-02-2021 (17h47)

O Grupo Barceló tem prevista a inauguração de 13 hotéis no ano de 2021 incluindo a construção de um hotel no centro do Funchal, na Madeira, e uma unidade hoteleira nos Açores.

Meliá converte hotel Tryp na Gran Vía Madrileña em hotel INNSiDE

25-02-2021 (14h50)

O Tryp Cibeles, no número 34 da Gran Vía de Madrid, na capital espanhola, vai ser convertido numa unidade hoteleira da marca INNSiDE by Meliá, com inauguração prevista para o início da Primavera.

Marriott já tem novo CEO

23-02-2021 (18h10)

A Marriott, maior rede hoteleira do mundo, anunciou a escolha de Anthony Capuano, um veterano com mais de 25 anos na companhia que era presidente para o desenvolvimento global, design e operações, para substituir o falecido Arne Sorenson à frente da gestão executiva.

Muthu Hotels MGM assume gestão do Hotel Almirante em Cuba

23-02-2021 (16h45)

O Hotel Almirante, na província de Holguín, em Cuba, vai ser gerido pela Muthu Hotels MGM, que vai reabrir a unidade hoteleira 5-estrelas com o nome Gran Muthu Almirante Beach.

Opinião e Análise