Grupo Turim ganha concessão para transformar Mosteiro do Lorvão em hotel

26-03-2020 (12h00)

Foto: revive.turismodeportugal.pt
Foto: revive.turismodeportugal.pt

A Imobimacus - Sociedade Administradora de Imóveis, S. A., do Grupo Hotéis Turim, ganhou a concessão de exploração para fins turísticos do Mosteiro do Lorvão, em Penacova, no âmbito do Programa Revive.

A empresa deverá realizar um investimento “na ordem dos 6,9 milhões de euros para a recuperação do imóvel e instalação de um estabelecimento hoteleiro”, previsto abrir em meados de 2022.

A renda anual devida pela concessionária ao Estado é de 40 mil euros, sendo que a duração da concessão é de 50 anos, de acordo com um comunicado do Gabinete do Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital.

O mosteiro encontra-se “implantado no vale da Ribeira de Lorvão, muito perto do Rio Mondego e das suas praias fluviais”, a 15 minutos de Penacova e a 30 minutos de Coimbra.

“O Mosteiro do Lorvão, classificado Monumento Nacional, foi fundado em 878, pouco depois da reconquista cristã de Coimbra, pelos monges de Cluny, pertencentes à Ordem de São Bento”, descreve a nota de imprensa.

O monumento passou a albergar a Ordem de Cister em 1206 e, em 1834, passou para a posse do Estado, com a extinção das ordens religiosas, tendo mantido funções religiosas até à morte da última freira em 1887.

“Já no século XX, todo o imóvel foi requalificado para acolher um hospital psiquiátrico, encerrado em 2012”, acrescenta o comunicado.

O Mosteiro do Lorvão é um dos 33 imóveis inscritos na primeira fase do Revive, “um programa que visa valorizar e recuperar o património sem uso, reforçar a atractividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país”.

Além deste imóvel, a Imobimacus ganhou recentemente a concessão do Paço Real de Caxias, em Oeiras (ver também: Paço Real de Caxias vai ser hotel do grupo Turim).

O programa Revive já adjudicou 16 concessões, que representam um investimento total na recuperação de património público estimado em 129 milhões de euros, e rendas anuais que ultrapassam os 2,4 milhões de euros.

O Revive é uma iniciativa conjunta das áreas governativas da Economia, Finanças e Cultura, com a colaboração das autarquias, integrando actualmente um total de 49 imóveis, dos quais 21 estão localizados em territórios do interior.

Actualmente estão abertos os concursos para a concessão da Quinta do Paço de Valverde, em Évora, e do Forte da Barra de Aveiro, em Ílhavo.

Para Abril está previsto o lançamento de dois novos concursos para a concessão dos Fortes da Cadaveira e de S. Pedro, em Cascais.

 

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Revive

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Neya Lisboa Hotel distinguido com um Energy Globe Award

03-07-2020 (18h47)

O Neya Lisboa Hotel, a primeira unidade do grupo Neya Hotels, foi distinguido com um Energy Globe Award, que destaca "projectos inovadores no sector da eficiência energética, energias renováveis e conservação de recursos em prol do ambiente".

Vila Galé anuncia novidades nas zonas exteriores dos seus hotéis

03-07-2020 (16h54)

O Grupo Vila Galé, de acordo com o programa anual de renovações dos seus hotéis, tem novidades em zonas exteriores de alguns dos seus hotéis, incluindo um novo lounge com espreguiçadeiras e sofá no Vila Galé Ericeira.

Meliá reabre hotéis no Norte de Espanha e na Comunidade Valenciana

02-07-2020 (19h29)

A Meliá Hotels International anunciou a reabertura de seis hotéis no Norte de Espanha e dez hotéis na Comunidade Valenciana.

Dom Pedro Madeira reabre a 16 de Julho

02-07-2020 (19h07)

O 4-estrelas Dom Pedro Madeira Ocean Beach Hotel, situado na costa leste da ilha da Madeira, a 5 minutos do Aeroporto Internacional da Madeira, vai reabrir a 16 de Julho com o selo Clean & Safe do Turismo de Portugal.

Bruxelas lança processo de infração a Portugal pelos ‘vouchers’ para reembolsos de clientes

02-07-2020 (13h19)

A Comissão Europeia decidiu hoje lançar processos de infração contra Portugal e outros nove Estados-membros por violação das leis comunitárias sobre direitos dos passageiros ao admitir vouchers para reembolsar clientes por viagens não efectuadas devido à pandemia de covid-19.

Opinião e Análise