Hotéis 5-estrelas de Macau alcançam 92,9% de ocupação até Agosto

30-09-2019 (12h17)

Os hotéis 5-estrelas de Macau, categoria com maior oferta de quartos no território, com 64,1% do total, alcançaram de Janeiro a Agosto uma taxa média de ocupação de 92,9%, mais 0,6 pontos percentuais que no período homólogo do ano passado.

Os dados divulgados hoje pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) de Macau mostram que essa subida de ocupação nos 5-estrelas decorreu de um aumento em 2,6% do número de hóspedes recebidos no período, atingindo um total de 5,263 milhões, já que a estada média ficou estável nas 1,7 noites.

Incluindo todas as categorias, os dados da DSEC indicam que os hotéis e pensões de Macau receberam de Janeiro a Agosto 9,427 milhões de hóspedes, mais 1,6% que há um ano, com uma estada média estável em 1,5 noites.

A taxa média de ocupação, por sua vez, subiu 0,7 pontos percentuais nos primeiros oito meses do ano, para 91,6%, um crescimento para a qual contribuíram todas as categorias de alojamento menos os 4-estrelas, com uma quebra de 0,4 p.p., para 91%. A ocupação dos 5-estrelas subiu 0,6 p.p., para 92,9%, dos 3-estrelas cresceu 1,6 p.p., para 92,9%, dos 2-estrelas aumentou 3,7 p.p., para 75,4%, e das Pensões aumentou 3,5 p.p., para 64,5%.

Os dados da DSEC especificam que dos 9,427 milhões de hóspedes recebidos pelos hotéis e pensões de Macau de Janeiro a Agosto, 5,263 milhões alojaram-se em 5-estrelas, 2,365 milhões em 4-estrelas, 1,408 milhões em 3-estrelas, 245,5 mil em 2-estrelas e 145,2 mil em Pensões.

No fim de Agosto existiam em Macau 119 hotéis e pensões em actividade, mais 3% que no ano passado, com 39 mil quartos, menos cerca de 100 quartos face a 2018.

Os hotéis de 4-estrelas tinham 7.300 quartos de hóspedes, menos 400 quartos que há um ano, e os 5-estrelas tinham 25 mil quartos, como no ano passado.

Em Agosto, os hotéis e pensões de Macau somaram 1,266 milhões de hóspedes, mais 0,4% que no ano passado, uma estada média de 1,5 noites, a mesma que em Agosto de 2018, e uma taxa de ocupação de 93%, menos 2,2 p.p. que no ano passado.

Os hotéis de 5-estrelas alcançaram em Agosto uma taxa média de ocupação de 95%, menos 1,2 pontos que há um ano, tendo recebido 722,7 mil hóspedes (+1,3%), mantendo-se estável a estada média em 1,6 noites.

Ver também:

Macau somou mais 7,2% de turistas portugueses até Agosto

Macau soma mais quatro milhões de visitantes nos primeiros oito meses do ano

 

Clique para mais notícias: Macau

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Ásia&Pacífico

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo em Portugal teve “interrupção quase total” no mês de Abril, INE

29-05-2020 (19h33)

O alojamento turístico português, que em Abril de 2019 recebera 2,3 milhões de hóspedes e contabilizara 5,94 milhões de dormidas, este ano ficou por 68 mil hóspedes e 193,8 mil dormidas, tendo quebras em 97,1% e em 96,7%, respectivamente, de acordo com "a estimativa rápida" do INE divulgada hoje.


AHP propõe à Booking que aceite protelar devolução de dinheiro de reservas canceladas

29-05-2020 (19h13)

A AHP – Associação da Hotelaria de Portugal anunciou ter proposto à Booking, maior agência online em venda de estadas na hotelaria, que leve em conta as suas dificuldades de tesouraria e aumentem os prazos de devolução das reservas canceladas pela covid-19.

Pestana espera ter metade dos hotéis abertos em Setembro

29-05-2020 (15h15)

O Pestana Hotel Group, que vai reabrir dez hotéis e pousadas no dia 5 de Junho, avançou ao PressTUR esperar ter metade das suas unidades hoteleiras em funcionamento em Setembro.

Hoti Hotéis reabre nove hotéis a 5 de Junho

28-05-2020 (15h11)

O Grupo Hoti Hotéis, que tem 18 unidades hoteleiras em Portugal, anunciou que vai reabrir nove hotéis no dia 5 de Junho e tem previsto abrir mais dois até ao final de Junho.

The Vintage House reabre amanhã, 29 de Maio

28-05-2020 (14h26)

O The Vintage House, em Pinhão no Douro, vai reabrir amanhã, 29 de Maio, com o selo Clean & Safe e dois programa para casais ou famílias.

Opinião e Análise