Hotéis de Espanha tiveram em Setembro quase metade dos turistas estrangeiros pré-pandemia

25-10-2021 (14h16)

Já com 75,6% da oferta a funcionar, a hotelaria espanhola esteve em Setembro com menos 25,4% de turistas, pelo decréscimo de não residentes em 47,2%, que o ‘magro' aumento do mercado doméstico em 2,8% não chegou para compensar.

Os dados publicados hoje pelo INE espanhol indicam que Espanha teve a funcionar este Setembro 14.554 hotéis, com um total estimado de 765.578 quartos, que indica representar 82,1% do seu directório da capacidade hoteleira do país.

A informação acrescenta que a ocupação de quartos ficou em 59,86%, com 25,65 milhões de dormidas, 46,1% delas ou 11,8 milhões por residentes no país e 53,9% ou 13,8 milhões por residentes fora de Espanha.

Os dados do INE espanhol confirmam um forte aumento da relevância do mercado doméstico, que passou de 30,7% das dormidas em Setembro de 2019, pré-pandemia, para 46,1% este ano, por aumento em 2,4% ou 278,3 mil em relação à referência pré-pandemia, enquanto as dormidas de não residentes baixaram 46,8% ou 12,19 milhões.

A Alemanha voltou a ser o primeiro emissor estrangeiro para a hotelaria espanhola no mês de Setembro, com 13,1% do total de dormidas, ou 3,36 milhões, em queda de 35,7% ou 1,86 milhões em relação a Setembro de 2019.

Assim, a Alemanha suplantou o Reino Unido no ranking dos maiores emissores para a hotelaria espanhola, já que em pernoitas de britânicos a quebra foi em 63,8% ou 4,51 milhões, para 2,56 milhões.

A vizinha França foi o terceiro maior emissor, com 1,44 milhões de dormidas (5,6% do total), seguida por Países Baixos, com 1,02 milhões (4%), e Bélgica, com 697,4 mil (2,7%).

Os Estados Unidos mantiveram-se o primeiro emissor intercontinental, com 361,8 mil pernoitas (1,4% do total).

De acordo com o INE espanhol, a tarifa média diária de quartos (ADR) foi em Setembro de 94,1 euros, face a 94,23 euros em Setembro de 2019, embora com aumento na categoria de topo, com 202,21 nos 5-estrelas ouro, que em 2019 tinham feito 196,82, mas queda na categoria com mais quartos, os 4-estrelas ouro, que em 2019 fizeram 102,08 euros e este ano, 100,96.

 

Clique para mais notícias: Hotelaria espanhola

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

AHP e SITESE/FETESE celebram novo Contrato Colectivo de Trabalho

03-12-2021 (14h42)

A Associação da Hotelaria de Portugal, AHP, e a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores de Serviços, Comércio, Restauração e Turismo, SITESE/FETESE, celebraram um novo Contrato Colectivo de Trabalho (CCT).

Alojamento turístico teve aumento de dormidas de três mercados internacionais em Outubro

30-11-2021 (16h30)

O alojamento turístico português voltou a atenuar em Outubro a quebra de dormidas de turistas não residentes face ao período homólogo pré-pandemia e, inclusivamente, até teve aumento de três, o mais forte dos quais por parte de residentes em Espanha, que atingiram um novo recorde de dormidas num mês de Outubro.

Madeira e Algarve já superaram impacte da pandemia no mercado doméstico e atingem recordes

30-11-2021 (15h49)

A Madeira, “Destino Preferido da APAVT” e que este ano suscitou interesse acrescido da operação turística, e o Algarve, maior região turística portuguesa, acumulam no fim de Outubro mais dormidas no alojamento turístico de turistas residentes no país que no período homólogo pré-pandemia, em 2019, e atingem mesmo novos recordes para o período.

CTP preocupada com controlo de testes caso a caso nos aeroportos

26-11-2021 (16h49)

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) manifestou-se hoje preocupado com a medida que obriga as companhias aéreas a controlarem caso a caso os testes à covid-19, nomeadamente em alturas de maior movimento nos aeroportos.

Companhias aéreas consideram "intolerável" aumento das multas para 20 mil euros em Portugal

26-11-2021 (15h44)

A Associação das Companhias Aéreas em Portugal (RENA) disse à Lusa que considera “intolerável” o aumento para 20 mil euros das multas em que as companhias aéreas incorrem a partir de 1 de Dezembro caso transportem passageiros sem teste negativo à covid-19.

Opinião e Análise