Hotelaria espanhola penalizada por queda da estada média da maioria dos emissores

24-01-2020 (17h44)

A hotelaria espanhola alojou em 2019 mais 1,77 milhões de turistas residentes no estrangeiro, mas teve apenas mais 151,7 mil dormidas desses mercados, pela queda da estada média em 3,1%, concluiu o PressTUR dos dados publicados pelo INE espanhol.

Esses dados indicam que a hotelaria espanhola teve alojados no ano passado 55,92 milhões de turistas residentes no estrangeiro, 68,4% deles residentes na União Europeia, com 38,25 milhões, incluindo 18,6% de residentes no Reino Unido, com 10,38 milhões, 13% na Alemanha, com 7,26 milhões, 10,5% em França, com 5,89 milhões, 5,7% em Itália, com 3,17 milhões, e 3,7% nos Países Baixos, com 2,05 milhões.

Estes cinco mercados, procedência de mais de metade (51,4%) dos turistas estrangeiros que estiveram na hotelaria espanhola em 2019, com um total de 28,77 milhões, tiveram crescimento nulo, com aumentos de residentes no Reino Unido (+1,9% ou mais 198,48 mil) e Itália (+7,4% ou mais 217,5 mil) e quedas da Alemanha (-4,7% ou menos 355,2 mil), Países Baixos (-2,3% ou menos 49,1 mil) e estagnação em baixa de França (-0,1% ou menos sete mil).

Ainda assim, o total de hóspedes residentes em países da União Europeia aumentou 0,7% ou 278,9 mil, para 38,25 milhões, a que acresceu um aumento de residentes em outros países europeus em 13,2% ou 141,8 mil, para 1,21 milhões, fixando o número de residentes em países europeus em 42,09 milhões, +1,1% ou mais 446,5 mil que em 2018.

O crescimento mais forte do número de hóspedes não residentes na hotelaria espanhola ficou a dever-se a outras geografias, designadamente ao continente americano, de onde recebeu 7,18 milhões de hóspedes, +12,7% ou mais 810,5 mil, que em 2018, incluindo aumentos de residentes nos EUA em 14,9% ou 442,2 mil, para 3,4 milhões, e residentes noutros países do continente em 10,8% ou 368,2 mil, para 3,77 milhões.

O INE espanhol indicou ainda aumentos de hóspedes residentes no Japão, em 24,5% ou 133,2 mil, para 678 mil, de países africanos em 8,8% ou 67,29 mil, para 833,2 mil, e do conjunto "Resto do Mundo), em 6,6% ou 319,8 mil, para 5,13 milhões.

Estes mercados não europeus foram, pois, a origem de quase um quarto (24,7%) dos turistas não residentes que estiveram alojados na hotelaria espanhola em 2019, e que fizeram 14% das dormidas de não residentes, num total de 31,4 milhões, +11,8% ou mais 3,31 milhões que em 2018.

Os dados de dormidas de não residentes do INE espanhol mostram que o aumento pela margem mínima, em 0,1%, significando ainda assim mais 151,7 mil que em 2018, para 223,63 milhões, deveu-se aos mercados europeus, que em conjunto tiveram uma quebra em 1,6% ou 3,16 milhões, para 192,21 milhões, pela quebra em 1,9% ou 3,48 milhões de dormidas de residentes em países da União Europeia, para 175,48 milhões, parcialmente atenuada pelo aumento das pernoitas de residentes em outros países em 2% ou 321,3 mil, para 16,73 milhões.

Estes dados indicam, assim, que 78,5% das dormidas de não residentes devem-se a turistas de países da União Europeia com realce para o Reino Unido, com 25,3% das dormidas de não residentes, 18,8% de residentes na Alemanha, 8% de residentes em França, 4,5% de residentes em Itália, 4% de residentes nos Países Baixos.

Os residentes nestes cinco mercados representaram, assim, 60,7% das dormidas de não residentes na hotelaria espanhola em 2019, num total de 135,64 milhões, em baixa de 2,7% ou 3,75 milhões em relação a 2018, em que os seus residentes realizaram 62,4% das dormidas de estrangeiros.

A queda em 2019 ficou a dever-se a menos dormidas de residentes na Alemanha (-9% ou menos 4,18 milhões, para 42,14 milhões) e Países Baixos (-4,8% ou menos 448,3 mil, para 8,88 milhões), que não foram totalmente compensadas pelos aumentos de pernoitas de residentes no Reino Unido (+0,3% ou mais 183,3 mil, para 56,54 milhões), em Itália (+7,1% ou mais 664,8 mil, para 10,08 milhões) e em França (+0,2% ou mais 30,2 mil, para 17,98 milhões).

Em causa esteve a evolução da estada média, com uma queda da parte dos não residentes em 3,1%, incluindo descidas de 4,6% dos residentes na Alemanha, 0,3% dos residentes em Itália, 2,5% dos residentes nos Países Baixos e de 1,6% dos residentes no Reino Unido, e aumento em 0,3% dos residentes em França.

 

Para ler mais clique:

Dormidas de portugueses na hotelaria espanhola aumentaram 8,1% em 2019 e atingiram 4,32 milhões

 

Clique para mais notícias: Hotelaria espanhola

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo europeu pede a Bruxelas testes coordenados para acabar com restrições de viagens divergentes

18-09-2020 (14h00)

Mais de 20 organizações europeias de turismo e de aviação pediram hoje à Comissão Europeia para acabar com a “contínua falta de coordenação” e as “restrições de viagens divergentes”, implementando um programa de testes comum para os viajantes.

Turim Saldanha Hotel reabre amanhã

15-09-2020 (16h13)

O Grupo Turim Hotéis anunciou que vai reabrir amanhã, dia 16, o Turim Saldanha Hotel, cumprindo as directrizes da DGS e o plano de higiene e segurança da empresa.

Alojamento turístico português voltou a ter mais de um milhão de hóspedes, com aumento de portugueses

15-09-2020 (15h54)

O alojamento turístico português acolheu em Julho, pela primeira vez desde Fevereiro, mais de um milhão de hóspedes, graças a um aumento em 25,8% dos residentes em Portugal, que assim perfizeram 71,1% do total, quando há um ano tinham representado 20,3%.

Alojamentos turísticos do Alentejo e do Centro até conseguiram subir preços médios em Julho

15-09-2020 (14h24)

Ao arrepio da tendência geral e do que ‘seria de esperar' face à grave crise para a qual a pandemia de covid-19 ‘atirou' o turismo, o alojamento turístico de duas regiões portuguesas, o Alentejo e o Centro, ainda conseguiram ter preços médios mais elevados este Julho.

Pandemia tirou 1.633 milhões de euros de receitas ao alojamento turístico português

15-09-2020 (13h09)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses somavam no fim de Julho uma quebra de receitas que superava os 1.633 milhões de euros, com as regiões menos preponderantes em turismo, como o Alentejo e o Centro, a serem as que registam menores quebras relativas, como já o assinalara o presidente do Turismo de Portugal.

Opinião e Análise