Mudança nos mercados de origem pode explicar quebra da estada média nos hotéis Vila Galé

20-01-2020 (19h38)

Foto: Vila Galé
Foto: Vila Galé

A quebra da estada média nos hotéis Vila Galé em Portugal pode estar associada às mudanças nos mercados de origem, numa altura em que cresce o número de hóspedes de países longínquos, que tendem a ficar menos noites, e baixam alguns dos principais emissores europeus.

O grupo teve uma quebra de 5% da estada média nos seus hotéis em Portugal em 2019, para 2,9 noites, avançou o administrador do grupo Vila Galé, Gonçalo Rebelo de Almeida, na apresentação de resultados do grupo, esta segunda-feira em Lisboa.

Os dados mais recentes do INE indicam que a estada média na hotelaria portuguesa caiu 3% de Janeiro a Novembro de 2019, para 2,61 noites, com uma quebra de 1,2% dos residentes em Portugal e de 3,6% dos residentes no estrangeiro. 

Gonçalo Rebelo de Almeida considera que a tendência de quebra da estada média nos hotéis Vila Galé deve-se em parte ao “fenómeno das escapadinhas”, mas também à combinação de “estadias nos nossos hotéis com estadias noutros”, algo que acontece com os mercados da Ásia, dos Estados Unidos e do Canadá, explicou o administrador.

Os visitantes de países longínquos tendem a visitar mais destinos numa só viagem, ficando menos tempo em cada um deles, enquanto os turistas de países como o Reino Unido ou a Alemanha, quando viajam dentro da Europa, tendem a ficar mais tempo apenas num destino.

Desta forma, as quebras do número de turistas da Alemanha, do Reino Unido e da Holanda nos hotéis Vila Galé em Portugal, compensadas pela subida do número de hóspedes dos EUA, Canadá e China podem estar na origem da diminuição da estada média.

“A substituição de uns mercados por outros pode ter este efeito”, afirmou Gonçalo Rebelo de Almeida.

Acresce que o mercado português, que também “cresceu um pouco” nos hotéis Vila Galé em 2019, mantendo-se como a principal origem dos seus clientes, tradicionalmente contribui para baixar a estada média, dado que é um mercado que procura sobretudo escapadinhas.

Contudo, a diversificação de mercados é positiva, na medida em que Portugal passa “a depender menos da Europa”, enfatizou o administrador da Vila Galé, que atribui o crescimento do número de turistas dos EUA e do Canadá às novas rotas da TAP e a subida dos mercados da Ásia às companhias Qatar Airways, Emirates e Turkish Airlines.

“Estamos a abrir novos mercados, não estamos só dependentes de dois, três ou quatro mercados como temos estado até à data”, algo que “vai permitir uma sustentabilidade maior no crescimento do turismo”, concluiu Gonçalo Rebelo de Almeida.

Ver também:

Inverter quebra da estada média é uma missão do sector — Governo e hoteleiros

Vila Galé fechou 2019 com mais três milhões de euros de receitas em Portugal

China supera Bélgica entre os principais mercados para o grupo Vila Galé

Receitas da Vila Galé no Brasil sobem 18% em 2019 

 

Clique para ver mais: Vila Galé

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo europeu pede a Bruxelas testes coordenados para acabar com restrições de viagens divergentes

18-09-2020 (14h00)

Mais de 20 organizações europeias de turismo e de aviação pediram hoje à Comissão Europeia para acabar com a “contínua falta de coordenação” e as “restrições de viagens divergentes”, implementando um programa de testes comum para os viajantes.

Turim Saldanha Hotel reabre amanhã

15-09-2020 (16h13)

O Grupo Turim Hotéis anunciou que vai reabrir amanhã, dia 16, o Turim Saldanha Hotel, cumprindo as directrizes da DGS e o plano de higiene e segurança da empresa.

Alojamento turístico português voltou a ter mais de um milhão de hóspedes, com aumento de portugueses

15-09-2020 (15h54)

O alojamento turístico português acolheu em Julho, pela primeira vez desde Fevereiro, mais de um milhão de hóspedes, graças a um aumento em 25,8% dos residentes em Portugal, que assim perfizeram 71,1% do total, quando há um ano tinham representado 20,3%.

Alojamentos turísticos do Alentejo e do Centro até conseguiram subir preços médios em Julho

15-09-2020 (14h24)

Ao arrepio da tendência geral e do que ‘seria de esperar' face à grave crise para a qual a pandemia de covid-19 ‘atirou' o turismo, o alojamento turístico de duas regiões portuguesas, o Alentejo e o Centro, ainda conseguiram ter preços médios mais elevados este Julho.

Pandemia tirou 1.633 milhões de euros de receitas ao alojamento turístico português

15-09-2020 (13h09)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses somavam no fim de Julho uma quebra de receitas que superava os 1.633 milhões de euros, com as regiões menos preponderantes em turismo, como o Alentejo e o Centro, a serem as que registam menores quebras relativas, como já o assinalara o presidente do Turismo de Portugal.

Opinião e Análise