Portugal cresce nas vendas da Meliá num ano “extremamente complicado”, Gabriel Escarrer

23-01-2020 (10h45)

Portugal foi um dos mercados que cresceu nas contas da rede hoteleira espanhola Meliá em 2019, um ano “extremamente complicado” por diversos factores, afirmou Gabriel Escarrer Jaume, vice-presidente executivo.

A instabilidade provocada pelo Brexit, a “desaceleração da economia da Alemanha”, “a recuperação de destinos do Norte de África e da Turquia”, “o sargaço no México” e “as notícias falsas sobre a República Dominicana” foram alguns dos factores que dificultaram o negócio da empresa, disse Gabriel Escarrer numa apresentação na Fitur, a decorrer em Madrid até Domingo.

As receitas da Meliá nos primeiros nove meses de 2019 ficaram 0,3% abaixo do período homólogo do ano passado, enquanto o EBITDA caiu 3,7%.

No lado positivo das contas esteve a hotelaria urbana em Espanha e as unidades localizadas na Europa, Médio Oriente e África, com um crescimento médio de 9%.

Em declarações aos jornalistas, sem revelar dados concretos, Gabriel Escarrer disse que Portugal foi um dos mercados que “cresceu, sem dúvida”.

“Nos últimos anos o consumo acelerou significativamente” em Portugal, “um mercado que, para o Sul de Espanha, para Madrid, para o Norte de Espanha, é muito importante”, afirmou o vice-presidente executivo da Meliá.

“O comportamento [do mercado português] foi muito semelhante ao de Espanha”, continuou Gabriel Escarrer, para salientar que “o governo tomou medidas muito moderadas, que creio que foram adequadas, e isso está a ver-se no consumo do público português. Em Portugal, em Espanha e na Europa”.

Questionado sobre o desempenho do mercado português nas Caraíbas, Gabriel Escarrer declarou que também é importante, mas tem mais peso em Cabo Verde: “há muitos portugueses que preferem ir a Cabo Verde do que às Caraíbas, é muito conveniente por estar mais próximo. É igual ao que acontece aos espanhóis que muitas vezes vão mais para as Canárias do que para as Caraíbas”.

O negócio da Meliá em Portugal “está muito bem”, afirmou ainda o executivo. “Quase todos os nossos hotéis em Portugal são com a Hoti Hotéis. É uma família que conhecemos muito bem, estamos há mais de 20 anos com eles. É um prazer continuar a crescer”.

Este ano, a Meliá vai inaugurar o primeiro hotel da marca Innside em Lisboa, “no terceiro trimestre”, que resulta da reconversão do Tryp Aeroporto.

A Meliá tem previsto inaugurar 23 hotéis este ano, incluindo o Meliá Trinidad em Cuba e o Paradisus Playa Mujeres no México, e nove hotéis na região Ásia e Pacífico, dos quais três na China, três no Vietname, um na Tailândia, um na Malásia e um na Indonésia.

Em Espanha está prevista a inauguração do ME Barcelona e na região EMEA (Europa, Médio Oriente e África) vão abrir 11 hotéis da rede espanhola, com destaque para o ME Dubai, o Meliá White Sands em Cabo Verde, o Meliá Saïdia Residences em Marrocos e o INNSiDE Lisboa.

 

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Meliá Hotels International

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo europeu pede a Bruxelas testes coordenados para acabar com restrições de viagens divergentes

18-09-2020 (14h00)

Mais de 20 organizações europeias de turismo e de aviação pediram hoje à Comissão Europeia para acabar com a “contínua falta de coordenação” e as “restrições de viagens divergentes”, implementando um programa de testes comum para os viajantes.

Turim Saldanha Hotel reabre amanhã

15-09-2020 (16h13)

O Grupo Turim Hotéis anunciou que vai reabrir amanhã, dia 16, o Turim Saldanha Hotel, cumprindo as directrizes da DGS e o plano de higiene e segurança da empresa.

Alojamento turístico português voltou a ter mais de um milhão de hóspedes, com aumento de portugueses

15-09-2020 (15h54)

O alojamento turístico português acolheu em Julho, pela primeira vez desde Fevereiro, mais de um milhão de hóspedes, graças a um aumento em 25,8% dos residentes em Portugal, que assim perfizeram 71,1% do total, quando há um ano tinham representado 20,3%.

Alojamentos turísticos do Alentejo e do Centro até conseguiram subir preços médios em Julho

15-09-2020 (14h24)

Ao arrepio da tendência geral e do que ‘seria de esperar' face à grave crise para a qual a pandemia de covid-19 ‘atirou' o turismo, o alojamento turístico de duas regiões portuguesas, o Alentejo e o Centro, ainda conseguiram ter preços médios mais elevados este Julho.

Pandemia tirou 1.633 milhões de euros de receitas ao alojamento turístico português

15-09-2020 (13h09)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses somavam no fim de Julho uma quebra de receitas que superava os 1.633 milhões de euros, com as regiões menos preponderantes em turismo, como o Alentejo e o Centro, a serem as que registam menores quebras relativas, como já o assinalara o presidente do Turismo de Portugal.

Opinião e Análise