Prazo do concurso para concessão do Convento do Carmo em Moura volta a ser prolongado – Revive

16-07-2019 (16h10)

O prazo para apresentação de propostas para a concessão do Convento do Carmo, em Moura, ao abrigo do programa Revive, foi prorrogado pela segunda vez, até dia 30 de Julho.

O concurso para concessão do convento foi lançado a 14 de Dezembro de 2018 e o prazo inicial para investidores interessados apresentarem propostas de recuperação e posterior exploração do monumento tinha terminado a 16 de Abril deste ano, mas o prazo foi prorrogado, pela primeira vez, por 90 dias, até segunda-feira, dia 15 de Julho.

Hoje, fontes da Secretaria de Estado do Turismo e da Câmara de Moura disseram à Lusa que o prazo do concurso foi prorrogado por mais 15 dias, ou seja, até 30 de Julho.

O Convento do Carmo é um dos 33 imóveis inscritos no Revive, um programa conjunto dos ministérios da Economia, da Cultura e das Finanças com colaboração das autarquias abrangidas e que prevê ceder imóveis públicos a privados para serem recuperados e usados para actividades económicas.

O concurso público relativo ao Convento do Carmo, o 13.º a ser lançado no âmbito do Revive, visa a concessão do monumento para realização de obras e posterior exploração para fins turísticos, como estabelecimento hoteleiro, alojamento local ou outro projeto de vocação turística.

O Convento do Carmo, o primeiro da Ordem dos Carmelitas fundado na Península Ibérica, em 1251, é constituído pela Igreja de N. Sra. do Carmo e por um claustro, que juntos compõem um conjunto classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1944, e por um complexo conventual.

De acordo com o Revive, toda a área do convento, à excepção da igreja, vai ser afeta à concessão a privados.

Segundo a Câmara de Moura, o convento está situado no centro histórico da cidade e tem "um inestimável valor patrimonial e sentimental para os habitantes do concelho".

O Revive visa promover a requalificação e posterior aproveitamento turístico de imóveis do Estado com valor arquitetónico, patrimonial, histórico e cultural e que "não estão a ser devidamente usufruídos" e que, em alguns casos, estão "em adiantado estado de degradação".

Através de investimentos privados escolhidos por concurso, o Revive prevê recuperar imóveis para os tornar aptos para atividades económicas, nomeadamente nas áreas de hotelaria, restauração e cultura, ou outras formas de animação e comércio.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Programa Revive

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Neya Lisboa Hotel distinguido com um Energy Globe Award

03-07-2020 (18h47)

O Neya Lisboa Hotel, a primeira unidade do grupo Neya Hotels, foi distinguido com um Energy Globe Award, que destaca "projectos inovadores no sector da eficiência energética, energias renováveis e conservação de recursos em prol do ambiente".

Vila Galé anuncia novidades nas zonas exteriores dos seus hotéis

03-07-2020 (16h54)

O Grupo Vila Galé, de acordo com o programa anual de renovações dos seus hotéis, tem novidades em zonas exteriores de alguns dos seus hotéis, incluindo um novo lounge com espreguiçadeiras e sofá no Vila Galé Ericeira.

Meliá reabre hotéis no Norte de Espanha e na Comunidade Valenciana

02-07-2020 (19h29)

A Meliá Hotels International anunciou a reabertura de seis hotéis no Norte de Espanha e dez hotéis na Comunidade Valenciana.

Dom Pedro Madeira reabre a 16 de Julho

02-07-2020 (19h07)

O 4-estrelas Dom Pedro Madeira Ocean Beach Hotel, situado na costa leste da ilha da Madeira, a 5 minutos do Aeroporto Internacional da Madeira, vai reabrir a 16 de Julho com o selo Clean & Safe do Turismo de Portugal.

Bruxelas lança processo de infração a Portugal pelos ‘vouchers’ para reembolsos de clientes

02-07-2020 (13h19)

A Comissão Europeia decidiu hoje lançar processos de infração contra Portugal e outros nove Estados-membros por violação das leis comunitárias sobre direitos dos passageiros ao admitir vouchers para reembolsar clientes por viagens não efectuadas devido à pandemia de covid-19.

Opinião e Análise