Quebra generalizada da estada média ‘come’ aumento de turistas alojados na hotelaria portuguesa

16-09-2019 (15h31)

Foto: RTA
Foto: RTA

O tempo médio de permanência de turistas em alojamentos turísticos portugueses caiu de forma generalizada no mês de Julho, pelo que, levando a que apesar se ter registado um aumento em 5,4% do número de hóspedes, em número de dormidas essa maior afluência de clientes traduziu-se num aumento de apenas 2,2%.

Os dados publicados hoje pelo INE mostram que apenas os turistas de três dos 16 maiores emissores internacionais (Itália, Polónia e Suíça) tiveram estadas mais prolongadas na hotelaria portuguesa que há um ano.

A redução da estada média é uma estratégia que os viajantes frequentemente utilizam para minimizar o impacto de subida de custos e/ou para realizarem mais viagens.

De acordo com os dados do INE, a estada média na hotelaria portuguesa foi d 2,89 noites, -3% que no mês homólogo de 2018 e -12,2% quando se compara com Julho de 2013, em que a estada média foi de 3,29 noites.

Os mesmos dados mostram que a quebra de 3% face a Julho de 2018 foi com decréscimos de 1,9% dos turistas residentes em Portugal, para 2,36 noites, e -3,6% dos turistas residentes no estrangeiro, para 3,2 noites.

Quando se compara com Julho de 2013, a estada média dos turistas residentes em Portugal baixa 3,7%, mas a dos residentes no estrangeiro cai 16,8%.

Os residentes na Irlanda foram os que tiveram estadas mais prolongadas no alojamento turístico português este Julho, com 5,19 noites, seguidos pelos residentes no Reino Unido, com 4,57 noites, na Alemanha, com 4,12 noites, e Países Baixos, com 3,99 noites.

A queda de estada média mais forte no mês foi dos residentes no Canadá, em 12,1%, seguidos pelos residentes na Irlanda, com -6,5%, nos Estados Unidos, com -5,2%, nos Países Baixos, com -4,6%, na Alemanha, com -4,4%, e no Reino Unido, com -4,1%.

Nos primeiros sete meses deste ano, a estada média na hotelaria portuguesa está em 2,59 noites, com 2,34 noites nos residentes em Portugal e 3,75 nos residentes no estrangeiro.

Face ao período homólogo de 2018, a estada média na hotelaria portuguesa cai 2,8%, com -1,3% nos residentes em Portugal e -3,7% nos residentes no estrangeiro.

A estada média mais elevada nesses sete meses é a dos turistas residentes na Irlanda, com 5,83 noites, seguidos pelos residentes no Reino Unido, com 5,34 noites, e nos Países Baixos, com 5,05 noites.

 

Para ler mais clique:

Maioria dos maiores emissores internacionais faz menos dormidas na hotelaria portuguesa em Julho

Mês de férias no Brasil ‘dá’ mais 51,7 mil dormidas ao alojamento turístico português

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Casa das Pipas reabre enoturismo a 1 de Junho

25-05-2020 (13h46)

A Casa das Pipas, em Celeirós do Douro no concelho de Sabrosa, vai voltar a receber hóspedes a partir de 1 de Junho, com a implementação de novas regras sanitárias.

PortoBay Falésia reabre a 9 de Junho com um terço da capacidade

25-05-2020 (13h36)

O Hotel PortoBay Falésia, em Olhos d'Água, no Algarve, vai reabrir no dia 9 de Junho com um terço da capacidade para assegurar "mais espaço nas suas facilidades".

Eco Beach Tent by Billiton integra Green Pearls

25-05-2020 (12h06)

O Eco Beach Tent by Billiton, na ilha de Bilitung na Indonésia, integra a plataforma de comunicação e informação de unidades hoteleiras sustentáveis Green Pearls.

Universidade Europeia organiza hoje webinar "Novos desafios nas cadeias hoteleiras"

22-05-2020 (15h09)

A Universidade Europeia vai organizar hoje o webinar "Novos desafios nas cadeias hoteleiras", com o administrador do Grupo Vila Galé Gonçalo Rebelo de Almeida.

Oásis Atlântico divulga medidas para prevenir a propagação da covid-19 nos seus hotéis

22-05-2020 (11h22)

O grupo português Oásis Atlântico, que tem hotéis em Cabo Verde, Marrocos e Brasil, está a divulgar as medidas que implementou nos seus hotéis para prevenir a propagação da covid-19, incluindo reforço da limpeza e redução de capacidade em restaurantes e bares.

Opinião e Análise