Onde ficar em Cayo Guillermo

28-06-2019 (15h11)

A oferta hoteleira de Cayo Guillermo, um dos principais destinos de praia em Cuba, tem opções para diferentes tipos de clientes, dos que viajam com crianças aos que estão em lua de mel.

Para que possam aconselhar correctamente os seus clientes, um grupo de agentes de viagens portugueses visitou vários hotéis neste destino, a convite do operador turístico Sonhando, que programa com outros parceiros voos charter entre Lisboa e Cayo Coco durante o Verão.

Em Cayo Guillermo, a cerca de meia hora do Aeroporto Jardines del Rey, em Cayo Coco, acessível por estrada, os agentes de viagens começaram por visitar o Iberostar Playa Pilar, uma unidade recente, que celebra o 4º aniversário em Dezembro.

O ponto diferenciador deste hotel é o cais de madeira sobre o mar, onde, entre um e outro mergulho, os clientes relaxam nas espreguiçadeiras.

O empreendimento está próximo da Playa Pilar, cujo nome é uma homenagem ao escritor norte-americano Ernest Hemingway, que muito navegou por aquelas bandas com o seu barco Pilar nos anos 1940.

Há autocarros panorâmicos na região que custam o equivalente a cinco euros e podem levar os clientes até Playa Pilar. A pé desde o hotel, são cerca de 20 minutos.

A paragem seguinte é o Meliá Cayo Guillermo, onde a praia é ampla, a perder de vista, dividida a meio por um pontão em madeira que entra mar adentro, tendo de ambos os lados alguns espaços para relaxar a ver o mar, com camas ou espreguiçadeiras.

Nesse pontão, chamado Pasarela Hemingway, alguns clientes do hotel estão a pescar. Um dos peixes mais pescados é a Mojarra.

O Meliá Cayo Guillermo, que tem cerca de 20 anos, está a ser renovado gradualmente. Os quartos deverão estar todos renovados em dois ou três anos, asseguram os executivos durante a visita ao hotel.

Já os restaurantes e áreas públicas serão remodelados ao longo dos próximos três meses, enquanto a piscina será renovada ao longo deste ano.

Outras opções em Cayo Guillermo, são os hotéis da MGM Muthu Hotels, dois resorts lado a lado, para públicos distintos, cada um com 500 quartos.

O hotel Gran Muthu Imperial é uma opção só para maiores de 18 anos, de construção nova, inaugurado em Janeiro, com praia privativa para os seus hóspedes, enquanto o MGM Grand Muthu Hotel é uma opção mais direccionada para famílias.

Em ambos, os clientes encontram uma piscina infinita sobre a praia e vários restaurantes de diferentes especialidades.


Por Luís Canto. O PressTUR visitou Cuba a convite do operador turístico Sonhando

 

Para continuar a ler clique:

 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Universidade Europeia lança livro "Turismo e Hospitalidade de A a Z"

03-07-2020 (19h13)

A Universidade Europeia lançou o livro "Turismo e Hospitalidade de A a Z", que "aborda o turismo e a hospitalidade numa perspectiva multidisciplinar que permite apresentar um roteiro semântico" pela indústria do turismo.

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Neya Lisboa Hotel distinguido com um Energy Globe Award

03-07-2020 (18h47)

O Neya Lisboa Hotel, a primeira unidade do grupo Neya Hotels, foi distinguido com um Energy Globe Award, que destaca "projectos inovadores no sector da eficiência energética, energias renováveis e conservação de recursos em prol do ambiente".

Reino Unido declara Açores e Madeira destinos seguros, mas mantém quarentena obrigatória no regresso

03-07-2020 (18h06)

O Reino Unido anunciou hoje que Açores e Madeira deixaram de representar “um risco inaceitavelmente alto” para os viajantes britânicos, no mesmo dia em que revelou que Portugal está fora da lista de países para onde os ingleses podem viajar sem ter de cumprir 14 dias de quarentena no regresso.

Opinião e Análise