Paço Real de Caxias vai ser hotel do grupo Turim

27-01-2020 (14h17)

Foto: www.turismodeportugal.pt
Foto: www.turismodeportugal.pt

O Paço Real de Caxias, edifício que data do século XVII, utilizado por D. Pedro V como residência de férias da família real, vai ser uma unidade hoteleira de 120 quartos do grupo Turim Hotels.

O concurso para a reabilitação do Paço Real de Caxias foi concluído e o projecto para a construção de um hotel com 120 quartos foi adjudicado a uma empresa do grupo Turim Hotels.

Segundo um comunicado do gabinete do ministro de Estado, da Economia e Transição Digital enviado à agência Lusa, este concurso realizou-se no âmbito da 12.ª adjudicação do Programa Revive e o valor anual da renda a pagar pela adjudicatária é de 216 mil euros.

A empresa já apresentou os documentos de habilitação, que foram aceites pelo Turismo de Portugal, estando agora reunidas as condições para ser assinado o contrato de concessão dos edifícios.

O Paço Real de Caxias, situado em Oeiras, possui uma localização em frente à linha de costa, foi construído em meados do século XVII, por iniciativa do Infante D. Francisco de Bragança, e veio a ser concluído pelo rei D. Pedro V, que o utilizou como residência de férias da família real.

Inicialmente incluía a quinta, os jardins geométricos de influência francesa, inspirados nos do Palácio de Versalhes, e a cascata da segunda metade do século XVIII. Destacam-se ainda diversas esculturas nos jardins, os tectos pintados e os azulejos azuis e brancos na fachada do edifício principal.

A área bruta total de construção é cerca de 5.816,93 metros quadrados, que permitirá a instalação de um hotel com cerca de 120 quartos neste local classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1953.

Este foi o 12.º imóvel a ser adjudicado no âmbito do Programa Revive, uma iniciativa conjunta das áreas governativas da Economia, Cultura e Finanças, com a colaboração das autarquias locais.

Até ao momento foram lançados concursos relativos a 20 imóveis, encontrando-se aberto o concurso para a concessão do Palacete dos Condes Dias Garcia, em S. João da Madeira, integrado já na 2.ª fase deste programa. Brevemente será lançado o concurso da concessão do Forte da Barra de Aveiro, em Ílhavo, refere o comunicado do gabinete do ministro Adjunto, da Economia e Transição Digital.

As 12 concessões adjudicadas no Revive representam mais de 100 milhões de euros de investimento privado na recuperação de imóveis públicos e mais de dois milhões de euros em rendas anuais, acrescenta.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Cá Dentro

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Lufthansa prevê retomar este mês voos de Frankfurt e Munique para Lisboa, Faro e Porto

05-06-2020 (16h59)

A companhia de aviação alemã Lufthansa programou voar já a partir de meados este mês de Junho de Frankfurt e Munique para Lisboa, Faro e Porto.

Swiss planeia voar de Genebra e Zurique para Portugal a partir deste mês

05-06-2020 (16h54)

A Swiss, companhia aérea do Grupo Lufthansa, planeia retomar os voos para vários destinos europeus a partir de Junho, incluindo Lisboa, Faro e Porto.

Brussels programa voos para Lisboa, Faro e Porto em Junho

05-06-2020 (16h32)

A Brussels Airlines programou retomar os voos para vários destinos europeus a partir de Junho, incluindo Lisboa, Faro e Porto.

Emirates anuncia extensão da rede para 29 cidades a partir de 15 de Junho

05-06-2020 (16h13)

A Emirates, maior companhia de aviação do mundo em transporte internacional de passageiros, anunciou que a partir de dia 15 vai ter voos para mais 16 cidades, entre as quais Manchester, Zurique, Viena, Amsterdão, Copenhaga e Dublin, na Europa.

Universal Orlando Resort reabre hoje, 5 de Junho, os seus parques temáticos ao público geral

05-06-2020 (16h11)

Os parques temáticos do Universal Orlando Resort, no estado norte-americando da Flórida, Universal Studios Florida, Islands of Adventure e Volcano Bay reabrem hoje, 5 de Junho, ao público geral, com capacidade limitada e uma série de medidas de segurança.

Opinião e Análise