Países da UE divergem sobre vouchers mas concordam em evitar riscos no turismo

21-05-2020 (14h20)

Foto: Unsplash / Jakob Braun
Foto: Unsplash / Jakob Braun

Os ministros do Turismo dos países membros da União Europeia (UE) divergiram hoje, em videoconferência, sobre a possibilidade da emissão de vouchers para viagens e férias canceladas devido à pandemia de covid-19, mas concordaram na importância de evitar “riscos desnecessários” com a reabertura de fronteiras.

“Discutimos a possibilidade de emitir vouchers e devo dizer que as opiniões sobre essa questão ficaram bastante divididas: alguns [países] são a favor, enquanto outros defendem que o enquadramento destes vales deve ser mais flexível e adaptado à situação de cada Estado-membro”, declarou o ministro do Turismo da Croácia (país que acolhe a presidência da UE), Gari Cappelli, em conferência de imprensa.

Divulgando os resultados da videoconferência dos ministros do Turismo da UE, que decorreu esta tarde, o responsável notou que “quanto mais medidas os países possam adoptar em conjunto, melhor é”, numa alusão às recomendações feitas na semana passada pela Comissão Europeia para a retoma da livre circulação no espaço comunitário, suspensa devido à covid-19, visando um restabelecimento dos serviços de transporte e do turismo a pensar no Verão.

Ainda assim, e para “acelerar a recuperação do turismo”, os ministros “discutiram o estabelecimento de condições para autorizar o cruzamento de fronteiras tendo em conta a situação epidemiológica”, tendo concordado com a “possibilidade de realizar acordos bilaterais” entre si, explicou Gari Cappelli.
“A criação de acordos bilaterais é o caminho a seguir e isso foi aceite amplamente pelos Estados-membros”, acrescentou o ministro croata do Turismo.

Mas salientou: “Somos responsáveis e não queremos correr riscos desnecessários, pelo que temos de nos lembrar que há cerca de um mês estávamos em total confinamento e que devemos reabrir as fronteiras de forma responsável e consciente”.

Com o surto a estabilizar na Europa, os governos estão agora a levantar algumas medidas, nomeadamente no que toca aos transportes e ao turismo, dois dos sectores mais afectados pela paralisação imposta pela covid-19, e foi para os orientar que Bruxelas emitiu na passada quarta-feira algumas orientações, visando medidas coordenadas.

Primeiro que tudo, a Comissão Europeia solicitou uma reabertura gradual das fronteiras internas da UE baseada no princípio da não-discriminação.

Para a retoma dos transportes, o executivo comunitário pediu que dada a pandemia haja menos passageiros a bordo, abrindo excepção para voos, que os clientes e os trabalhadores usem máscaras e outros equipamentos e que sejam colocadas barreiras de protecção.

Já no que toca ao restabelecimento do turismo europeu, Bruxelas solicitou uma distância mínima de 1,5 metros e normas de higiene apertadas em praias e piscinas e o estabelecimento de um número máximo de clientes em restaurantes.

Nas recomendações, a Comissão Europeia defendeu também a criação de garantias para os ‘vouchers’ de viagens canceladas, tanto públicas (dadas pelos países europeus) como privadas (através de seguradoras), para assim levar passageiros a optar voluntariamente pelos vales em vez dos reembolsos em dinheiro, como preveem as regras europeias.

Neste período de pandemia, foram várias as viagens canceladas, nomeadamente voos, e nessas situações as transportadoras são obrigadas a dar a escolher aos passageiros entre reembolsos em dinheiro ou vouchers.

Regras semelhantes aplicam-se às agências turísticas em casos de férias canceladas por causa da covid-19.

Dada a dificuldade de liquidez das empresas, vários países como Portugal têm manifestado preferência pela opção dos vouchers.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Europa

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Clique para ver mais: Mercados

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Agências de viagens portuguesas voltam a quebras de 90% na venda de voos regulares

24-11-2020 (13h24)

As vendas de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas caíram 90% em Outubro, para 9,2 milhões, significando uma quebra de 83,2 milhões de euros, a terceira maior deste ano, depois de menos 90 milhões no mês de Maio e menos 87,5 milhões em Abril.

TAP reduz em 70% a capacidade até ao final do ano

23-11-2020 (13h30)

A TAP prevê operar em Novembro e Dezembro cerca de 30% da sua capacidade face ao período homólogo do ano passado, anunciou o seu CEO, Ramiro Sequeira, numa mensagem aos trabalhadores a que a Lusa teve acesso.

WCM Investment Management compra participação de 3% do Amadeus

23-11-2020 (13h05)

O fundo de gestão de activos norte-americano WCM Investment Management passou a ser accionista do Grupo Amadeus IT, com 3,137% do seu capital social.

CEO da Booking alerta hotelaria para aumento da procura de alojamento alternativo

23-11-2020 (12h51)

Glenn Fogel, presidente e CEO da Booking, está a alertar o mercado da hotelaria para uma nova tendência da procura em 2021, em que os tradicionais clientes dos hotéis também vão passar a considerar os alojamentos alternativos nas suas pesquisas.

CTP considera “inaceitável” exclusão do turismo da linha de crédito para a indústria exportadora

20-11-2020 (18h16)

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) considerou hoje ser “inaceitável” as empresas turísticas não terem acesso à nova linha de crédito para a indústria exportadora, uma vez que “o turismo é a maior actividade económica exportadora do país”.

Opinião e Análise