Portugal renova interdição de turistas do Brasil, Estados Unidos, Canadá e China

31-07-2020 (14h16)

As novas regras para quem viaja de avião de/para Portugal, em vigor desde as 24h00 de hoje, mantém o país ‘fechado’ aos quatro mercados emissores de turistas que mais estavam a crescer e a compensar alguma estagnação da Europa.

O Ministério da Administração Interna informou ontem que continua aberto o tráfego aéreo com os países que integram a União Europeia, os países associados ao Espaço Schengen (Liechtenstein, Noruega, Islândia e Suíça) e o Reino Unido, e com países que apresentam um quadro epidemiológico positivo, designadamente Austrália, Canadá, China, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Tailândia, Tunísia e Uruguai.

Os voos de/para outros destinos serão permitidos apenas para a realização de viagens essenciais, que “estava limitada, até agora, a voos com origem em e para países lusófonos e EUA”, segundo uma nota do MAI emitida ontem.

A informação especifica que são consideradas viagens essenciais as que permitem “o trânsito, entrada ou saída de Portugal aos cidadãos nacionais da EU ou de países associados ao Espaço Schengen e respetivos familiares e aos estrangeiros com residência legal num Estado Membro da UE, bem como aquelas que sejam realizadas por motivos profissionais, de estudo, de reunião familiar, por razões de saúde ou por razões humanitárias”.

Os passageiros continuam a dever apresentar um teste negativo de rastreio à covid-19, realizado nas 72 horas anteriores à partida, à excepção dos que estejam em trânsito e não tenham de deixar as instalações aeroportuárias.

“Os cidadãos nacionais e estrangeiros com residência legal em Portugal e ainda o pessoal diplomático acreditado em Portugal que, a título excecional, não apresentem aquele comprovativo terão de fazer o teste à chegada, em instalações no interior do aeroporto, e a expensas próprias”, explica o Ministério que remeteu para as companhias de aviação o ónus de ‘policiarem’ o cumprimento dessa obrigação.

O MAI informou também que os passageiros que recusem fazer o teste à chegada incorrem nos crimes de desobediência e propagação de doença contagiosa.

Relativamente aos cidadãos estrangeiros “será recusada a entrada em território nacional de todos os passageiros que embarcarem sem o teste realizado, sendo a companhia aérea objecto de uma contraordenação em caso de incumprimento”, precisa a nota.

Em 2019, o Brasil foi o 5º emissor para a hotelaria portuguesa, com 2,93 milhões de dormidas, os EUA foram o 6º, com 2,68 milhões, o que significa que em conjunto quase equivaleram ao 2º maior emissor, a Alemanha (5,87 milhões), o Canadá foi o 11º maior emissor, com 979,4 mil dormidas, e a China foi o 15º, com 602 mil.

Mas mais do que o total de dormidas é o potencial que demonstraram. Enquanto o aumento médio de dormidas no alojamento turístico português em 2019 foi de 4,1%, com a subida por parte dos mercados internacionais em apenas 3,3%, o aumento das pernoitas de residentes no Brasil foi de 13,5%, dos residentes nos Estados Unidos foi de 20,2%, dos residentes no Canadá foi de 9,4%, e dos residentes na China foi de 16%.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Companhia aérea brasileira Azul regista prejuízo de 450 milhões de euros no segundo trimestre

14-08-2020 (18h45)

A companhia aérea brasileira Azul registou um prejuízo de 2,9 mil milhões de reais (450 milhões de euros) no segundo trimestre de 2020, segundo balanço financeiro divulgado pela empresa.

EuroAtlantic vai ter novo horário na ligação para Bissau

14-08-2020 (18h12)

A euroAtlantic vai começar voar para a Guiné-Bissau num novo horário, com chegada diurna à capital guineense, a partir de 4 de Setembro, informou a companhia aérea.

Brasileira Azul lança empresa de aviação regional

12-08-2020 (20h37)

A companhia aérea brasileira Azul lançou na terça-feira uma nova subsidiária para o mercado de voos regionais, denominada Azul Conecta, que pretende chegar a 200 cidades nos próximos anos.

Portugal mantém-se no final de Julho a 8ª maior origem/destino de passageiros dos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (17h03)

Os aeroportos espanhóis contabilizaram 1,077 milhões de passageiros em voos de/para Portugal nos primeiros sete meses deste ano, o que mantém o país como 8ª maior origem/destino de passageiros, ainda que a pandemia tenha causado uma quebra em 66% ou 2,087 milhões.

Pandemia já tirou mais de 105 milhões de passageiros aos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (15h35)

Os aeroportos espanhóis tiveram em Julho quase sete milhões de passageiros, mas ainda assim ficaram 76,3% ou 22,4 milhões abaixo do mês homólogo de 2019, elevando a quebra desde o início do ano para 106,8 milhões (-67,9%), de acordo com os dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis recolhidos pelo PressTUR.

Opinião e Análise