Royal Caribbean vai crescer na Europa “sustentada na qualidade”, Francisco Teixeira

12-06-2019 (13h09)

Foto: Melair Cruzeiros
Foto: Melair Cruzeiros

A oferta de cruzeiros da Royal Caribbean no Mediterrâneo nos próximos dois a três anos talvez não “cresça muito em quantidade, mas cresce com certeza em qualidade”, avançou Francisco Teixeira, director da Melair, empresa que representa a companhia de cruzeiros em Portugal.

“Já temos os itinerários de 2021 fechados, mas daí para a frente em termos de Mediterrâneo crescerá em quantidade, mas sustentada na qualidade, com navios novos, maiores e com outra dinâmica de oferta”, como os navios das classes Oasis, Quantum e Icon, especificou Francisco Teixeira, em declarações aos jornalistas após uma apresentação ontem em Lisboa, a bordo do Independence of the Seas

Para 2021, 2022 e 2023, a oferta da Royal Caribbean vai posicionar-se “muito naquilo que é hoje a oferta do Symphony of the Seas”, que é actualmente o navio da companhia mais procurado pelos portugueses para viagens nas Caraíbas (clique para ler: Symphony of the Seas “é uma experiência de férias” – Francisco Teixeira).

Mas tudo dependerá da conjuntura económica dos mercados emissores, porque a Royal Caribbean posiciona os navios “onde tem melhores condições de negócio”, acrescentou, apontando como exemplo que a Royal Caribbean chegou a ter previsto “ter dois navios à saída de Inglaterra e afinal vai ter só um”.

Em Portugal “estamos dependentes da oferta que temos e isso faz-nos promover muito as Caraíbas”, frisou o executivo.

As vendas da companhia no mercado português são equilibradas entre Caraíbas e Mediterrâneo. “Num ano em que temos um navio novo em Barcelona, se calhar o Mediterrâneo ultrapassa [as Caraíbas] em grande escala. Nos anos em que não temos, o Mediterrâneo continua a ser o destino mais procurado, mas com uma margem muito curta em relação às Caraíbas”, explicou o director da Melair.

A companhia também tem vindo a apostar na Ásia, com “navios dedicados à China”, outros mais “em Hong Kong e Singapura, que são mais internacionais”, com itinerários que incluem o Japão, entre outras ofertas.

“O Alasca também é um mercado que retomámos um pouco, mas já tivemos números muito maiores há uns anos, porque o preço médio é muito superior em relação ao que era há cinco/seis anos”, acrescentou ainda Francisco Teixeira.

Clique para continuar a ler:

Melair desafia agentes de viagens a propor cruzeiros à saída de Porto Rico


 

Clique para ver mais: Cruzeiros

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Melair

Clique para ver mais: Royal Caribbean

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Pandemia ‘destruiu’ cerca de 20 milhões de dormidas no alojamento turístico português até Junho

03-08-2020 (14h59)

A pandemia provocou uma quebra de dormidas no alojamento turístico português que se situa na ordem dos 20 milhões, de acordo com os dados divulgados hoje pelo INE, que indica 1,07 milhões de pernoitas no mês de Junho, elevando para 10,5 milhões o total no semestre.

Lufthansa programa ter este Agosto 60 voos por semana dos seus hubs para Portugal

03-08-2020 (13h17)

A companhia alemã Lufthansa, líder do maior grupo aéreo europeu, tem programado para este mês de Agosto fazer 60 voos por semana dos seus hubs de Frankfurte e Munique aeroportos portugueses.

Portugueses proporcionam “ligeira melhoria” em Junho da actividade turística em Portugal

03-08-2020 (11h21)

O mercado dos residentes em Portugal, proporcionou ao turismo um mês de Junho ‘ligeiramente' menos negativo que os anteriores, informou hoje o INE, que indicou que uma queda das suas dormidas no alojamento turístico duas décimas menor que os 60%, enquanto da parte do turismo internacional a queda manteve-se acima dos 95%.

ACI, A4E e IATA dizem que os governos prejudicam mais do que ajudam

31-07-2020 (17h15)

As associações comerciais representativas de aeroportos e companhias aéreas europeias ACI, A4E e IATA acusaram hoje os governos europeus de terem “uma abordagem inconsistente das restrições de viagem”.

Air Canada anuncia perdas de 1,1 mil milhões de euros no 2º trimestre

31-07-2020 (16h44)

A Air Canada anunciou hoje que perdeu mais de 1,7 mil milhões de dólares canadianos (1,1 mil milhões de euros) no segundo trimestre, devido aos "efeitos devastadores" da pandemia de covid-19.

Opinião e Análise